Jornal do Commercio
GOVERNO

Orçamento deve sofrer supercorte de até R$ 65 bilhões

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, vai tomar pé das propostas para levar ao presidente Temer, a quem cabe bater o martelo

Publicado em 20/03/2017, às 07h42

Por exigência do TCU, o governo deverá ser obrigado a anunciar um
Por exigência do TCU, o governo deverá ser obrigado a anunciar um "supercorte" inicial do Orçamento
Foto: Marcos Corrêa/PR
Estadão Conteúdo

Por exigência do Tribunal de Contas da União (TCU), o governo deverá ser obrigado a anunciar um "supercorte" inicial do Orçamento e calibrar o valor ao longo do ano de acordo com um cronograma de medidas de aumento de receita. Os números ainda preliminares apontam que a tesourada pode ficar numa faixa entre R$ 60 bilhões e R$ 65 bilhões, a depender das decisões que serão tomadas nos próximos dois dias. 

Nenhuma medida poderá ser incluída no relatório bimestral de receitas e despesas, previsto para o dia 22, sem antes ter sido efetivamente aprovada. O relatório dará o tamanho do corte. O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, que retornou da Alemanha, onde participou da reunião do G-20, vai tomar pé das propostas para levar ao presidente Michel Temer, a quem cabe bater o martelo. 

Segundo apurou o jornal O Estado de S. Paulo, o contingenciamento deverá estar vinculado a duas listas de receitas que são previstas, mas ainda incertas. Uma de aumento de alíquota de tributos e outra de receitas esperadas com privatizações, venda de ativos e concessões. À medida que elas forem sendo adotadas, como no caso de venda de ativos, o governo vai reduzindo o corte inicialmente previsto.

Possibilidade de elevação de tributos

Dessa forma, a possibilidade de uma elevação de tributos, como está sendo desenhada pela equipe econômica, só poderá entrar na conta para atenuar o corte do Orçamento se a medida for adotada até a data do envio ao Congresso do relatório bimestral. Medidas de aumento de receita que forem estabelecidas por meio de projeto de lei só poderão ser incluídas para reduzir o tamanho do corte depois que a proposta estiver aprovada no Congresso.

"O TCU avisou que só aceitará no relatório o que estiver efetivamente no papel e for concreto", explicou uma fonte do governo. Expectativa de receita não poderá ser incluída de forma alguma. Com isso, o governo terá de ser conservador no relatório, inclusive nas previsões de parâmetros econômicos, como o Produto Interno Bruto ( PIB).

Segundo a fonte, o contingenciamento inicial será "bem robusto", mas na prática "inviável" de ser conduzido até o final do ano, em razão do pouco espaço para cortes sem prejuízos para o funcionamento da máquina administrativa.

Por isso, a enorme dependência do governo em fazer avançar a aprovação da lista de medidas. Custeio e investimentos serão fortemente afetados pelo corte inicial.

Devido à margem de incertezas em torno dessas medidas de receitas extras, a "faixa de deficiência fiscal" (como os técnicos preferem qualificar o rombo detectado nas contas para cumprir a meta, negativa em R$ 139 bilhões) está muito alta. A ideia é retirar gradativamente essa diferença ao longo do ano, à medida que forem sendo efetivadas as medidas de elevação de receita, até chegar à meta fiscal prevista. A necessidade de reduzir o corte deve ajudar a acelerar a aprovação dessas medidas.

Ao final de dezembro, o corte efetivo deve girar em torno de R$ 30 bilhões a R$ 25 bilhões. Os números são ainda preliminares e serão fechados no início desta semana.

Lista de aumento de tributos analisada pelo governo

A lista de aumento de tributos analisada pelo governo inclui em torno de 10 propostas mais viáveis, entre elas a alta do PIS/Cofins, Cide (imposto sobre combustíveis), IOF e reoneração da folha de pagamento das empresas, como informou o jornal.

Segundo uma fonte da área econômica, é possível que a alta de tributo não seja ainda incluída no relatório. O ministro da Fazenda disse, no entanto, que junto com o corte do orçamento, ele também anunciaria as propostas de aumento de tributos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Recomendados para você


Comentários

Por Magno,20/03/2017

Bem, taí o que os Coxinhas pediram: recessão e aumento de imposto!!! FORA TEMER!!! LULA 2018!!!

Por patricia,20/03/2017

contar a quantidade de ministérios pela metade, contar 2/3 das regalias dos politicos e eliminar as mamatas de aposentadoria dos militares, ajuda no corte em aproximadamente 60 bi....

Por JOSE SANTOS,20/03/2017

ESSE CARA DEVE ESTAR FICANDO LOUCO .. CADE O DINHERO DE NOSSOS IMPOSTOS ????

Por WELINGTON,20/03/2017

Aumentar tributo para que? O presidente Michel Temer e sua esposa, gastaram no cartão corporativo do governo R$ 29.000.000 só em 6 meses, imagine o restante de ministros, senadores e deputados e outros. Nós não precisamos de aumento de tributo e sim diminuir essa farras com nosso dinheiro.... isso que precisamos.

Por Gilberto,20/03/2017

O primeiro passo era repatriar todo dinheiro que foi enviado para o exterior sem pagamento de impostos, sem o conhecimento do BC e da RF. A anistia é uma forma de presente aos fraudadores com regularizam o dinheiro e ficam rindo dos trabalhadores que pagam seus impostos. O segundo passo seria cortar as mordomias da classe política e do judiciário que serve somente para proteger os colarinhos brancos. O terceiro passo seria a junção dos brasileiros, pintados de verde, azul, amarelo e vermelho, enchendo as ruas e cobrando os direitos básicos contidos na constituição. O quarto e último seria a detonação total do congresso nacional por algum brasileiro que não fosse banana, que usasse bananas para detonar o bando de " crápulas " chamados de políticos.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM