Jornal do Commercio
OPERAÇÃO CARNE FRACA

Peccin foi o primeiro frigorífico identificado, diz autor de denúncias

Segundo o auditor fiscar, o frigorífico aproveitava ''carnes estragadas, carnes fora de validade, fora de refrigeração, em putrefação''

Publicado em 20/03/2017, às 07h18

Alvo da Carne Fraca, o Peccin é fabricante de embutidos em geral / Foto: ABr
Alvo da Carne Fraca, o Peccin é fabricante de embutidos em geral
Foto: ABr
Estadão Conteúdo

O auditor fiscal federal agropecuário Daniel Gouvêa Teixeira, autor das denúncias que desencadearam a Operação Carne Fraca, promovida na última sexta-feira (17) pela Polícia Federal, afirmou em entrevista ao "Fantástico", da TV Globo, que o primeiro frigorífico em que constatou irregularidades foi o Peccin, no Paraná, fabricante de embutidos em geral, como mortadela e salsicha. Ele disse também que o agronegócio brasileiro é, em sua maioria, composto por pessoas honestas e que a cadeia produtiva uma das mais organizadas do mundo. 

Segundo ele, o frigorífico de Peccin aproveitava "carnes estragadas, carnes fora de validade, fora de refrigeração, em putrefação", além de carcaças de frango em quantidade maior do que o permitido pelo Ministério da Agricultura. "A carne mecanicamente separada é um subproduto do abate de aves. Sobra um pouco de carne, o que chamam de carcaça, que é o peitoral do franco, e eles usavam em torno de 94% desse produto, quando a regra é no máximo 60% ou 40%, dependendo do produto".

Ácido sórbico para melhorar a aparência das carnes

O mesmo frigorífico usava ácido sórbico para melhorar a aparência das carnes, conta Teixeira, que é médico veterinário. "Esse descontaminante é misturado na massa dos produtos para poder diminuir a contaminação bacteriana e mascarar os odores e as características de carne podre", afirma. O ácido sórbico não é um produto cancerígeno ou capaz de provocar danos à saúde, mas pode mascarar uma carne imprópria para consumo. Ele pode ser usado em carnes maturadas, mas não em carnes frescas.

Depois de denunciar essas irregularidades à Superintendência Regional do Ministério da Agricultura no Paraná, o auditor acabou afastado da fiscalização dessa empresa, segundo contou à TV Globo. "Recebi a notificação de que havia sido cancelada minha atribuição de fiscalização daquele frigorífico". Ele então levou o caso à Polícia Federal, que iniciou sua investigação.

Em 2014, o frigorífico Souza Ramos forneceu 260 toneladas de salsicha de peru para escolas do Paraná e também foi alvo de uma fiscalização feita por Teixeira. "Com a análise do DNA, constatamos que não tinha sido usado nada de peru". O que havia, segundo ele, era carne de carcaça de frango, com problemas. "Não tinha o teor mínimo de proteínas que deveria ter, o teor de carboidrato estava acima do permitido pelo Ministério da Agricultura e o teor de sódio era até 80 vezes maior do que o regulamento da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária)", constatou.

"O agronegócio brasileiro, em sua imensa maioria, é de pessoas honestas, sensatas e que não corroboram com isso. Nossa cadeia produtiva é uma das mais organizadas do planeta, o que falta é fiscalização e transparência", concluiu o auditor fiscal agropecuário na entrevista à TV Globo.

À emissora, o frigorífico Souza Ramos afirmou que "nunca houve carne estragada ou imprópria para o consumo" nos lotes entregues às escolas do Paraná. O Peccin informou que tem interesse em esclarecer as denúncias.

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM