Jornal do Commercio
sem carne

Vegetarianos aproveitam Operação Carne Fraca para reforçar estilo de vida

Segundo entidades ligadas ao setor, aumentou a procura por informações relacionadas à alimentação livre de ingredientes de origem animal

Publicado em 20/03/2017, às 23h37

Recife ocupa segunda posição no País em número de adeptos ao vegetarianismo e veganismo / Ricardo B. Labastier/JC Imagem
Recife ocupa segunda posição no País em número de adeptos ao vegetarianismo e veganismo
Ricardo B. Labastier/JC Imagem
JC Online

Se a Operação Carne Fraca causou consternação e revolta na maior parte dos consumidores das empresas envolvidas, algumas pessoas viram no caso algo a ser aproveitado, quase celebrado: os vegetarianos. “A demanda tem sido muito bacana”, diz Guilherme Carvalho, secretário-executivo da Sociedade Vegetariana Brasileira (SVP).

>> Angélica e João Gordo comentam opção por vegetarianismo

>> Confira como fazer algumas delícias veganas

“As pessoas nos contatam e dizem estar enojadas com o fato de elas próprias comerem carne. Quando você põe o assunto do apodrecimento nas manchetes, as pessoas se lembram de quão nojento é comer carne”, diz. “Isso acende uma luz na cabeça das pessoas, e não podemos desperdiçar essa energia, esse ímpeto que podem deixar de comer carne permanentemente”.

Quem já adota o estilo de vida livre de ingredientes de origem animal, chamado veganismo, está divulgando o assunto freneticamente, segundo Carvalho. “Mas quem nos importa são aqueles que começam a se questionar por causa desses episódios disruptivos”.

Segundo Fabio Chaves, fundador do portal vegano Vista-se, o site multiplicou o número de visitantes simultâneos de 10 a 12 vezes na última sexta-feira (17), quando a operação foi deflagrada.

“A maior parte dos leitores viu o evento como algo positivo, especialmente porque essas empresas estão na televisão todo o tempo falando contra a causa em que eles acreditam”, diz Chaves.

PREOCUPAÇÃO DOS VEGETARIANOS COM SOFRIMENTO ANIMAL

Outros, por outro lado, não ficaram agradados porque o sofrimento dos animais não está em pauta.

Para ele, a corrupção na esfera política das empresas mencionadas evidencia, ao mesmo tempo, a falta de responsabilidade em outras áreas. “Se estão pagando propina para evadir fiscalização, imagina o que é o trato de animais. Seria a última coisa em que estão pensando”.

O médico sanitarista Eduardo Jorge, um dos vegetarianos mais proeminentes na política, diz que é um absurdo um produto não obedecer minimamente às normas da vigilância sanitária. O ator Tony Ramos, garoto-propaganda da Friboi, disse que, dependendo do desdobramento das investigações, poderia deixar de fazer publicidade para a marca.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM