Jornal do Commercio
BANCO

Caixa poderá fechar até 120 agências em 2017

Banco também entrou na justiça contra a convocação de dois mil aprovados em concurso público; Demissão voluntária deve ter adesão de 5.000 funcionários

Publicado em 28/03/2017, às 17h43

Em todo o país, a Caixa afirma ter 4,2 mil agências e postos de atendimento / Foto: Divulgação
Em todo o país, a Caixa afirma ter 4,2 mil agências e postos de atendimento
Foto: Divulgação
JC Online

A Caixa Econômica Federal anunciou que cerca de 100 a 120 agências deficitárias passarão por uma intervenção neste ano. As opções para essa medida são fechamento, fusão, diminuição de estrutura ou remanejamento para outro local. A informação foi concedida pelo presidente da instituição, Gilberto Occhi, nesta terça (28), durante o informe de resultados da empresa referente ao exercício de 2016.

Segundo ele, essa ingerência será efetivada assim que o processo de demissões voluntárias for encerrado. A Caixa estima adesão de 5 mil funcionários ao Programa, o que vai representar uma economia estimada em R$ 975 milhões ao ano após o payback, ou seja, descontado as despesas com as demissões. Além disso, a empresa recorreu judicialmente contra a convocação de dois mil aprovados em concursos públicos, segundo o vice-presidente de Gestão de Pessoas, Marcos Jacinto.

Ativos

De acordo com Occhi, não faz parte dos planos da Caixa qualquer venda de ativos.

"O foco do banco é melhorar a eficiência reduzindo as despesas. Com o avanço das receitas e o controle das despesas, os índices de cobertura de pessoal e administrativas continuaram a apresentar melhoria e aumentaram, respectivamente, 1,9 p.p. e 1,4 p.p. em 12 meses, chegando a 106,7% e 67,6%", afirmou.

Ainda segundo ele, a instituição teve um crescimento exponencial depois de 2010, com a abertura de novas agências -
o crescimento foi de 2.300 para 4 mil unidades no país.

"Tomou-se a decisão de ir para o mercado e abrir novas agências. A Caixa se expandiu no mercado de crédito pois havia demanda. Mas esse cenário mudou e o que buscamos agora é a eficiência nas operações", declarou Occhi. A mudança no mix das receitas do banco, que deixaram de majoritariamente ser representadas por habitação, é um dos principais ajustes realizados para alcançar melhorias na rentabilidade da empresa.

"Tínhamos participação de quase 70% das receitas compostas por imobiliário Com a maior presença em outros segmentos, houve mudança razoável, para 77% composta por habitação, consignado e crédito para a infraestrutura", afirmou
o presidente.



Occhi reiterou várias vezes que não há intenção do banco de recorrer a um aporte do Tesouro para levar o banco a uma melhor condição de capital, rentabilidade ou eficiência.

"Existe um novo momento na Caixa, acrescentou. Nosso índice de inadimplência já é menor do que 2016, o resultado operacional é melhor do que 2016 e o nosso esforço na redução de despesas é feito de modo consistente para preservar a visão do empregado da Caixa", disse ainda.

O executivo destacou ainda que o banco tem recursos disponíveis, a partir do melhor uso do capital, para investimentos na área de governo e habitação, que são as duas áreas que terão retomada econômica este ano.

O banco destaca que o índice da eficiência operacional teve melhora de 1,6 ponto porcentual no ano, para 52,1% ao final de dezembro, considerado o melhor índice dos últimos dez anos.

"O crescimento do resultado operacional, a redução da inadimplência e o controle de gastos da Caixa em 2016 são indicativos claros de que o banco está trilhando com firmeza o caminho da melhoria da eficiência", ressaltou Gilberto Occhi.


Recomendados para você


Comentários

Por Mario Matos,08/05/2017

duvido

Por IMPOSTOS ALTO RETORNO ZERO ,29/03/2017

Os coxinha juntos com os corruptos, estragaram o país colocaram a culpa em punhados de gatos pingados, e agora fazem terrorismo com o povo obrigando a trabalhar 49 anos, diminuindo o poder aquisitivo através do trabalho. Podemos dizer que esses camarada mata o povo sem usar nenhuma arma letal, são uns verdadeiros profissionais.

Por Rai Gaspar,29/03/2017

Ótima noticia. A CEF é um banco que atente muito mal os clientes e precisa de avaliar a sua estrutura de atendimento. Um banco que tem bilhões em FGTS e tem uma péssima reputação em atendimento ao público. Ou renova ou esta no caminho do fim.

Por Resumo,29/03/2017

Sem noção!!!! É só nisso que esses caras pensam. Lavagem cerebral bem feita! Massa de manobras do PT ainda tem muitos desses...

Por Ednaldo dos Montes Barbosa,28/03/2017

Oiiiii, o que dizem os COXINHAS e batedores de PANELAS ? Afundaram o Brasil e escondem a cara agora.... GOLPISTAS .



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM