Jornal do Commercio
INDENIZAÇÃO

Trabalhador que acionou empresa errada na Justiça é condenado a pagar R$ 3,5 mil

Advogado de motorista acionou a empresa errada em um processo e foi obrigado a pagar uma indenização por perdas e danos

Publicado em 19/04/2017, às 18h07

O caso foi julgado pelo Tribunal Regional do Trabalho de Mato Grosso (TRT-MT) / Foto: Divulgação
O caso foi julgado pelo Tribunal Regional do Trabalho de Mato Grosso (TRT-MT)
Foto: Divulgação
Editoria de Economia

O advogado de um motorista acionou a empresa errada em um processo na Justiça do Trabalho e foi condenado a pagar R$ 3,5 mil de indenização por perdas e danos.

Ao preencher os dados para dar início a um processo na Justiça do Trabalho, ele teria cometido um erro ao cadastrar as informações no Processo Judicial Eletrônico (PJe) e acionou uma empresa de construção civil, que não possuía nenhum tipo vínculo com o trabalhador.

O caso ocorreu no Mato Grosso e de acordo com informações da assessoria de imprensa do Tribunal Regional do Trabalho de Mato Grosso (TRT-MT), as consequências desse descuido foi a citação da empresa errada, que precisou constituir advogado entre outros gastos para se defender de uma ação na qual não tinha nenhuma culpa. Para reverter a situação, a empresa erroneamente citada precisou utilizar uma reconvenção, ou seja, lançar mão de uma ação judicial que possibilita ao réu processar quem o acionou na justiça.

Julgamento 

O juiz da 1ª Vara do Trabalho de Sinop, William Guilherme Ribeiro, atendeu ao pedido e condenou o trabalhador e seu advogado a pagar a quantia indenizatória. De acordo com a empresa, a indenização é necessária para pagar os honorários do advogado contratado quando foi apresentada como ré.



O magistrado explicou que o ordenamento jurídico elegeu requisitos essenciais para responsabilizar o ofensor, sem os quais não há que se falar em responsabilidade. De acordo com o juiz, os requisitos foram preenchidos. O dano foi observado nos gastos com o advogado contratado para a defesa. A conduta culposa consistiu no cadastramento de pessoa no processo que não participava daquela relação jurídica e, por fim, o nexo causal, manifesto na medida em que o réu foi incluído naquela relação processual erroneamente pelo trabalhador e seu advogado.

“Por essas razões acolho a pretensão do réu condenado o autor ao pagamento de indenização a fim de ressarcir o réu do valor despendido com a contratação de advogado”, decidiu.

São a existência do dano, o nexo causal e a conduta culposa. Já a ação principal, iniciada com o nome da empresa errada, foi extinta sem o julgamento.


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por Adriana Rocha Santos,20/04/2017

Advogado trapalhão E!H EH! EH!

Por willian,20/04/2017

Eita justicinha mais precária a nossa. Então o trabalhador foi condenado? O CORRETO, MORAL e JUSTO, não seria O ADVOGADO do trabalhador ser punido e apenas ele? Afinal, quem foi que preencheu os documentos? O trabalhador iria pagar o advogado para exercer seu trabalho então ele tem de ter competência para tal.

Por Hudson Custódio Ferreira,20/04/2017

Em Ouro Peto MG, A Juiza Dr. Luciana Alves Viotti, permitiu que uma empresa que não tinha a ver com lide tivesse bens penhorado. Erro Absurdo.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM