Jornal do Commercio
Combustíveis

Petrobras eleva preço do diesel e da gasolina nas refinarias

A Petrobras reafirma sua política de revisão de preços pelos menos uma vez a cada 30 dias

Publicado em 20/04/2017, às 20h30

Preço da a gasolina deve subir 1,2% ou R$ 0,04 por litro, em média / Foto: André Nery/JC Imagem
Preço da a gasolina deve subir 1,2% ou R$ 0,04 por litro, em média
Foto: André Nery/JC Imagem
Estadão Conteúdo

A Petrobras anunciou nesta quinta-feira (20) um aumento do preço do diesel nas refinarias em 4,3%, em média, e da gasolina em 2,2% em média. Os novos valores começam a ser aplicados a partir desta sexta-feira, 21.

Segundo a estatal, a decisão, do Grupo Executivo de Mercado e Preços (GEMP), segue a política de preços anunciada em outubro de 2016. A Petrobras reafirma sua política de revisão de preços pelos menos uma vez a cada 30 dias.

"A decisão é explicada principalmente pela elevação dos preços dos derivados nos mercados internacionais desde a última decisão de preço, que mais que compensou a valorização do real frente ao dólar, e por ajustes na competitividade da Petrobras no mercado interno", informa a empresa.

A estatal destaca também que o comportamento dos preços de derivados foi marcado por volatilidade nos mercados internacionais em resposta a evento geopolítico, como o ocorrido na Síria.



"Os novos preços continuam com uma margem positiva em relação à paridade internacional, conforme princípio da política anunciada, e estão alinhados com os objetivos do plano de negócios 2017/2021", destaca a companhia.

A Petrobras lembra que a lei brasileira garante liberdade de preços no mercado de combustíveis e derivados e que as revisões feitas pela empresa nas refinarias podem ou não se refletir no preço final ao consumidor. Isso dependerá de repasses feitos por outros integrantes da cadeia de combustíveis, especialmente distribuidoras e postos revendedores.

"Se o ajuste feito hoje for integralmente repassado e não houver alterações nas demais parcelas que compõem o preço ao consumidor final, o diesel pode subir 2,9% ou cerca de R$ 0,09 por litro, em média, e a gasolina, 1,2% ou R$ 0,04 por litro, em média", informa.


Recomendados para você


Comentários

Por LYRA,21/04/2017

Sabemos que grande parte dos empresários do setor de combustíveis, são verdadeiros bandidos formadores de CARTEIS, que somente visam o lucro em detrimento da realidade econômica, lembro aos senhores que a gasolina estava sendo vendida, em média, por R$3,30 e, em um passo de assalto foi elevada para R$3,65, isso sem nenhum repasse de aumento originado nas distribuidoras logo, pergunta-se: O que é que essa quadrilha terá de aumentar se o aumento já fora antecipado a mais ou menos sessenta dias? Lembro ainda, que muitas redes de postos de combustíveis estão ligadas a políticos, portanto não é de se estranhar que exista na aquisição ou construção destes, a conhecida lavagem de dinheiro sujo, vindo de recebimento de propinas, superfaturamento e demais falcatruas costumeiras no meio dessa quadrilha que é a podre politica nacional.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM