Jornal do Commercio
COMÉRCIO E SERVIÇOS

Greve geral: quem perdeu e quem ganhou com a paralisação

Enquanto o comércio amargou queda nas vendas, motoboys, taxistas, empresas de frete e Uber garantiram um reforço na renda

Publicado em 29/04/2017, às 06h29

 O comércio do País pode perder algo próximo a R$ 5 bilhões em decorrência dos protestos, segundo levantamento / Foto: Ricardo Labastier/JC Imagem
O comércio do País pode perder algo próximo a R$ 5 bilhões em decorrência dos protestos, segundo levantamento
Foto: Ricardo Labastier/JC Imagem
Editoria de Economia

Após não registrar nenhuma venda em plena manhã de sexta-feira, o gerente de uma loja na Rua das Calçadas, Centro do Recife, fechou as portas mais cedo. Enquanto isso, um taxista precisava recusar passageiros fazendo sinal de cheio com as mãos. A greve geral deflagrada nessa sexta (28), em todo o País e por pelo menos 40 setores profissionais em Pernambuco, teve contornos diferentes para diversas categorias. Houve quem lucrou, mas também quem amargou perdas com a paralisação dessa sexta-feira (28) – dia em que, assim como os pernambucanos, vários brasileiros foram às ruas protestar contra as reformas trabalhista e da Previdência, ambas em tramitação no Congresso Nacional.

De acordo com um balanço realizado por associações de classes representativas do setor varejista, divulgado pela Fecomercio de São Paulo, o comércio do País pode perder algo próximo a R$ 5 bilhões em decorrência dos protestos. Esse prejuízo, no entanto, pode ficar três vezes maior, já que o fim de semana será seguido pelo feriado de 1º de maio, na segunda-feira, quando se comemora o Dia do Trabalhador.

Por aqui, ainda não há uma estimativa oficial das perdas no Recife. Mas as ruas do centro amanheceram vazias, cenário causado pela adesão ao movimento por parte da população e profissionais das empresas de transporte público. A suspensão desse serviço afeta não só o deslocamento dos funcionários, mas também o fluxo dos consumidores. Segundo levantamento da Câmara de Dirigentes Lojistas do Recife (CDL-Recife), 80% dos clientes dependem desses meios de locomoção para irem fazer compras.
Por volta das 11h da sexta (28), a reportagem do JC percorreu algumas das principais vias do Centro do Recife. Nas proximidades do Mercado São José, boxes fechados. Nas ruas Nova e das Calçadas, assim como nas Avenidas Dantas Barreto e Conde da Boa Vista, estabelecimentos com portas fechadas ou fechando, diante da insegurança e movimentação praticamente nula.

“Dispensei meus funcionários e abri a loja com meu filho e minha esposa, mas não vendi um brinco que seja. Saímos de casa para nada e estamos indo embora pela falta de vendas e por medo também”, disse Sérgio Leonardo, proprietário de uma loja de bijuterias na Rua Nova.

Apesar desse cenário, o diretor executivo da CDL, Fred Leal, acredita que os lojistas de shopping e bairros afastados do centro podem ter tido bons resultados. Lamentando os registros negativos para o segmento neste mês, a CDL projeta no Dia das Mães, no mês de maio, as esperanças de recuperação das vendas no comércio.

“Sem transporte público, sem vendas. Isso é ruim tanto para o lojista, quando para o comerciário que depende de comissão. Abril já foi um mês horrível, para ser esquecido, cheio de feriados e culminou com essa greve. Maio tem o Dia das Mães, segunda melhor data do ano para o setor, a perspectiva é de melhora”, afirma o diretor executivo.



 

Ao baixar as portas da loja de móveis e eletrodomésticos que coordena, o gerente Edvaldo Oliveira dispensava os funcionários que conseguiram chegar ao trabalho. “Os que moram mais longe nós dispensamos, outros, pagamos o transporte até aqui. Além de não vender nada, ainda teve essa questão. Até eu não tive como vir, precisei pegar uma carona”, relatou.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

Motoristas

Enquanto o comércio amarga prejuízos, há quem consiga vender lenço devido à paralisação dos ônibus. Profissionais que trabalham oferecendo fretamento e meios de transporte alternativos, como táxi, Uber e mototáxi, registraram aumento no número de corridas nessa sexta. A maior greve geral, desde o fim da década de 80, foi deflagrada na era dos aplicativos de mobilidade, como 99Taxis, Uber e Easy Taxi, fenômeno que foi amplamente explorado pelas empresas e usuários dessas plataformas. Preocupadas em não paralisar as atividades, muitas organizações se anteciparam ao problema e procuraram as locadoras de veículos com antecedência.
Para o motorista André Mário, que trabalha fretando sua van, o expediente começou logo às 5h da sexta-feira e o veículo passou o dia à disposição de uma empresa de grande porte. “Se não estivesse aqui, estaria parado no aeroporto, esperando grupos de passageiros para fazer viagens”, conta.

Além do aumento no número de corridas, o taxista Elielson Gonçalves cita outros pontos positivos da paralisação para o trabalho da categoria. “O número de passageiros aumentou e a gente acaba conseguindo pegar mais corridas porque as ruas estão mais livres, sem muito trânsito. Muitas pessoas que trabalham juntas se unem para dividir a corrida, o que amplia o trajeto”, explica.


Recomendados para você


Comentários

Por Jose Maria,29/04/2017

Houve uma greve? Não valeu, é melhor que marque outra, pois essa foi um fracasso, uma coisinha 'pífia'. O que se viu mesmo foi essa esquerda (CUT) nauseabunda protestando (o povo refém) depois que perdeu seu imposto sindical e tantas outras benesses do governo da vagabunda Dilma. Sem falar nesse bispo cabeça de bagre incitando os fiéis (bois tangidos), quando deveria ter tomado o belo exemplo do Pe. Rodrigo Maria. Uma paralisação sem o aval do povo e sua participação, não passa de protesto e seus interesses mesquinhos e corporativos. A mamata acabou, sindicalismo cabide de emprego! Que mamem agora em um JUMENTO. Juiz Moro, 2018!

Por Gilberto Luna,29/04/2017

A pergunta mais adequada não foi feita, quanta coincidência ! Isto é, (01) Quem Perde e Quem Ganha se as Reformas Trabalhistas e da Previdência forem Aprovadas ? (02) A reforma trabalhista retira direitos do trabalhador ? Procure compreender a reforma trabalhista. Sugestão : Assista a entrevista "Entenda a Reforma Trabalhista", com o Juiz Germano Siqueira (ANAMATRA) e o Procurador do MPT (ANPT). ==>> https://www.youtube.com/watch?v=sKvM5BWeSEY

Por Wendell,29/04/2017

Não foi greve e sim uma paralisação.que valeu a pena.mas,deveria ser feita defronte ao Congresso Nacional e na casa do vampiro Temer.aliás,esse corrupto têm duas aposentadorias.

Por Sávio ,29/04/2017

Isto de o comércio perder vendas, é apenas um lobby, poi o que precisei comprar ontem e não cosneguir, irei comprar hoje



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

A Casa da Bênção de Veronaldo A Casa da Bênção de Veronaldo
Solidariedade garante casa para torcedor que ficou tetraplégico durante jogo
JC recall de marcas 2017 JC recall de marcas 2017
Conheça o ranking das marcas que têm conseguido se manter no topo da preferência dos pernambucanos. O rol é resultado de uma pesquisa realizada pelo Instituto Harrop, há duas décadas parceiro do Jornal do Commercio na realização da premiação
10 anos do IJCPM 10 anos do IJCPM
O Instituto João Carlos Paes Mendonça de Compromisso Social (IJCPM) comemora 10 anos de história, contribuindo para transformar a vida de jovens de comunidades com histórico de desigualdade social nas cidades de Recife, Salvador, Fortaleza e Aracaju

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM