Jornal do Commercio
CENTENÁRIO

Roberto Campos: gênio ou reacionário, uma trajetória brilhante

Se estivesse vivo, Campos completaria 100 anos em 2017. Polêmico, o intelectual faz falta no atual momento de debates raivosos

Publicado em 30/04/2017, às 07h03

Intelectual, frasista e polêmico, Roberto Campos chegou ao fim da vida frustrado com a administração pública do País / Foto: Nelson Perez/ Divulgação
Intelectual, frasista e polêmico, Roberto Campos chegou ao fim da vida frustrado com a administração pública do País
Foto: Nelson Perez/ Divulgação
Saulo Moreira e Leonardo Spinelli

Gênio, visionário, reacionário, serviçal dos militares. O adjetivo varia de acordo com a matiz ideológica de quem o profere. Aqueles classificados de direita o enaltecem tratando-o de “doutor”, “ministro”, “diplomata”. Os de esquerda o menosprezam com o mais que pejorativo apelido de “Bob Fields”, por ser “entreguista”. Se vivo fosse, Roberto Campos, um dos mais célebres pensadores brasileiros do século 20, faria 100 anos neste 2017. Numa época eivada de debates rasos e raivosos, o polemista intelectual Roberto Campos faz falta.

Para além de deferências ou depreciações, Roberto de Oliveira Campos foi um homem de coragem. Nasceu em 1917, em Cuiabá, e morreu em 2001, no Rio de Janeiro, com 84 anos e tido como o maior defensor do liberalismo econômico clássico no Brasil. Ainda jovem, porém, flertou com a teoria de John Maynard Keynes, na época do pós-guerra em que nem os EUA do New Deal de Franklin Roosevelt era uma economia liberal. Como se tratava da reconstrução do mundo, Campos acreditava no planejamento estatal. Nos anos 40, participou, ao lado do economista brasileiro Eugênio Gudin da Conferência de Bretton Woods, responsável pela criação do Banco Mundial e do FMI. A conferência também gerou a semente para a criação, muitos anos depois, em 1993, da Organização Mundial do Comércio (OMC).

O tempo passou e no final da vida Campos era um convicto seguidor da escola austríaca, cujo símbolo maior é Friedrich August von Hayek (assista ao vídeo abaixo). Entendia que a economia funcionaria melhor se houvesse estabilidade de preços, segurança jurídica, menos controle estatal, estímulos ao empreendedorismo, privatizações, concorrência, reformas etc. Trata-se de uma visão moderna de mundo, sobretudo num momento em que o País amarga índices recordes de desemprego e três anos de recessão resultantes de administrações contrárias ao modelo defendido por Campos.

Como a história é feita de paradoxos, vale lembrar que o economista defendeu o golpe militar de 1964 e participou dos governos de Castelo Branco, Ernesto Geisel e João Figueiredo. Contribuiu, portanto, não apenas com ditaduras, mas também com administrações altamente estatistas.

A contradição é clara também porque o ideário liberal clássico só prospera com liberdades individuais.
Sempre que alguém o tentava emparedar com esta contradição na sua biografia, Campos, frasista brilhante que era (leia algumas abaixo), lançava mão de uma de suas tiradas: “Contradições são características de homens inteligentes, mulheres bonitas e países jovens.”


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

Ao relembrar a frase, Gustavo Krause, ex-ministro de Itamar Franco e de Fernando Henrique Cardoso, dá uma gargalhada. Para Krause, Campos era uma mente brilhante. “Ele sofreu dos seus adversários a intolerância da inveja. Naquela época, pensar contra a corrente marxista era uma atitude de coragem.”

Antes dos militares, o anti-marxista Campos também serviu ao segundo governo de Getúlio Vargas, quando criou o BNDE (o “S”, de social, veio depois). Na gestão Juscelino Kubitschek foi um dos formuladores do famoso Plano de Metas. No governo João Goulart, gestão notoriamente de esquerda, se tornou embaixador do Brasil em Washington e Londres. Campos entrou no serviço diplomático em 1939. Antes havia sido seminarista, mas abandonou a escola para padres às vésperas da ordenação.

Sua participação em governos de diversas linhas, no entanto, não queria dizer concordância. Muito pelo contrário, conta o diplomata e escritor Paulo Roberto de Almeida. “Ele se desentendeu com Vargas depois da criação do BNDE, quando o presidente começou a fazer demagogia indicando amigos para cuidar da instituição. Com JK, a mesma frustração acometeu o economista depois que Juscelino resolveu construir Brasília, torrando dinheiro público e alimentando a inflação.



“Já João Goulart, atacava o ‘imperialismo ianque’, enquanto pedia crédito aos bancos dos EUA. Campos voltou a pedir demissão”, conta Almeida, que organizou o livro O Homem que Pensou o Brasil, por ocasião do centenário de seu nascimento.

CHAMPANHE

Sua trajetória como embaixador é pródiga em boas histórias. Em seu livro de memórias, A Lanterna na Popa, Campos conta uma conversa interessante com o ex-presidente dos EUA John Kennedy, em plena Casa Branca. Durante a Crise dos Mísseis, em 1962, Kennedy lembrou a Campos que ele estava num país que poderia ser alvo, a qualquer momento, de bombas soviéticas. E quis saber o que o brasileiro faria se a sirene tocasse. Campos, com o inglês perfeito, disse que iria para algum abrigo anti-nuclear em Camp David e procuraria a adega. Kennedy quis saber o motivo. E Campos: “como dizem os franceses, presidente, entre uma tragédia e uma calamidade, sempre haverá tempo para um taça de champanhe”. Kennedy gostou tanto da tirada que mandou um de seus assessores anotar. Após sair da Embaixada do Brasil nos EUA durante o governo Jango, Campos foi para a Ásia e conheceu países como Hong Kong, Cingapura, Malásia, Taiwan que mais tarde ficaram conhecidos como os Tigres Asiáticos.

SUAPE

Eis que durante sua fase como ministro do Planejamento de Castelo Branco, já na ditadura, Campos foi contra a instalação da Zona Franca de Manaus, mas não tinha muito o que fazer. Os militares enxergavam a região como uma zona estratégica e não aceitavam o contraditório. “Ele achava que a Zona Franca era uma aberração, um privilégio. Era a favor de algo maior, inclusive abrangendo Suape, que na época era apenas um projeto. Manaus ficaria com o polo de eletroeletrônico e informática e em outros locais se criariam Zonas de Processamento e Exportação (ZPEs), incluindo Suape, Camaçari na Bahia, Sepetiba, no Rio, e até Teófilo Ottoni, em Minas. Campos queria justamente replicar aqui o modelo dos Tigres Asiáticos. Ele, como cidadão do mundo, previu que os asiáticos iriam acertar”, conta o jornalista Aristóteles Drummond, amigo de Campos, que participa do livro Lanterna na Proa, organizado pelo presidente do IBGE, Paulo Rabello Castro, e pelo jurista Ives Gandra da Silva Martins, também em homenagem aos 100 anos de Campos.

Drummond lembra que Campos era irônico. “Me disse que não votaria em José Serra para presidente. Perguntei por quê. E ele ‘a única vez em que Serra se dirigiu a mim foi na Revisão Constitucional de 1993’”.

Mas porque Serra o havia procurado? Interessado em suceder FHC, Serra tinha o projeto de extinguir a Zona Franca, sabia que Campos havia sido contra desde a origem e veio pedir apoio. Campos ficou perplexo. “Ele disse a Serra: ‘deputado, a Zona Franca emprega 100 mil pessoas com mão de obra de qualidade, Manaus não tem outra fonte de renda. Fui contra instalar e agora sou contra tirar...E esse Serra ainda dizia que eu sou contra o trabalhador.’”

FRUSTRAÇÃO

Tantas participações em governos criaram uma frustração crescente em Roberto Campos, que já no fim da vida não escondia a decepção de ver ideais serem tragados por ineficiência, politicagem e populismo. Sempre que participava de governos, era no afã de buscar a modernização da administração pública.

Uma de suas criações, o ICM (que mais tarde virou ICMS), trouxe ao Brasil o conceito de imposto de valor agregado. “Hoje o Brasil é mercado comum”, disse Campos ao ver sua ideia aprovada, apesar de seu conceito ter sido distorcido ao longo dos anos.

A presença na burocracia governamental também mostra, segundo a economista pernambucana Tânia Bacelar, que Roberto Campos não era apenas um teórico. “Era um pragmático”, diz Tânia, que participou de dois governos Miguel Arraes e sempre teve uma inclinação ideológica à esquerda. Ela lembra que foi Campos quem criou as terminologias monetaristas e estruturalistas para classificar os economistas. Os primeiros são os ortodoxos como ele. Os outros, aqueles que priorizam o crescimento, como ela. Cepalina clássica, diante da divergência de ideias, Tânia já o teria chamado de Bob Fields? Ela sorri abertamente e diz que não. “Minha formação é diferente, mas toda minha geração estudou com os livros dele. Era brilhante." Em 17 de abril de 2001, Campos morreu. Como uma lanterna na popa, deixou uma rota iluminada para os que vêm atrás de sua nau.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM