Jornal do Commercio
Crise

Agência mantém classificação do Brasil com perspectiva negativa

Fitch reafirmou classificação do Brasil em BB, mas alertou para risco de rebaixamento

Publicado em 19/05/2017, às 12h31

Crise política do Brasil ameaça classificação de confiança do país como bom pagador das dívidas / Foto: Agência Brasil
Crise política do Brasil ameaça classificação de confiança do país como bom pagador das dívidas
Foto: Agência Brasil
Agência Estado

A Fitch reafirmou nesta sexta-feira, 19, o rating do Brasil, mas apontou que a nota de crédito é pressionada pela fraqueza estrutural de suas finanças públicas e limitada pelos recorrentes episódios de instabilidade política, que têm consequência negativa para a economia do país.

Os ratings de longo prazo do Brasil, em moedas estrangeira e local, foram mantidos em BB. Já os ratings de curto prazo em moedas estrangeira e local foram reafirmados em B. O teto do país, por sua vez, continua sendo BB+.

Além disso, a Fitch manteve a perspectiva negativa dos ratings, devido a contínuas incertezas sobre a recuperação econômica do Brasil e sobre o progresso da agenda legislativa.

Alerta

Em comunicado, a Fitch também alertou que o rating brasileiro poderá ser rebaixado, se o governo não conseguir frear o avanço da dívida pública e apontou que recentes eventos políticos relacionados ao presidente Michel Temer podem prejudicar a confiança na recuperação econômica do Brasil. Já um fraco desempenho da economia afetaria as receitas do país.



Segundo a Fitch, o ressurgimento da volatilidade política que distrai a atenção do progresso das reformas econômicas, necessárias para a melhora da perspectiva de crescimento, é um fator de risco para a nota de crédito soberana.

Previsões

Na avaliação da Fitch, o Brasil irá superar a recessão dos dois últimos anos e crescer 0,5% em 2017, antes de garantir taxa de crescimento mais robusta no próximo ano, de 2,5%, em parte favorecido pelo impacto do afrouxamento na política monetária.

A Fitch prevê ainda que o déficit do setor público administrativo deve atingir cerca de 8% do Produto Interno Bruto (PIB) no período de 2017 e 2018, ante cerca de 9% do PIB em 2016 A carga da dívida do governo brasileiro chegou a 69,9% do PIB em 2016, ante média de 50% do PIB de outros países com rating BB

A agência estima que a dívida pública continuará subindo, chegando a cerca de 80% do PIB em 2018.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

O Hobbit - 80 anos O Hobbit - 80 anos
Como a maioria dos hobbits, Bilbo Bolseiro leva uma vida tranquila até o dia em que recebe uma missão do mago Gandalf. Acompanhado por um grupo de anões, ele parte numa jornada até a Montanha Solitária para libertar o Reino de Erebor do dragão Smaug
Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM