Jornal do Commercio
Crise

Agência mantém classificação do Brasil com perspectiva negativa

Fitch reafirmou classificação do Brasil em BB, mas alertou para risco de rebaixamento

Publicado em 19/05/2017, às 12h31

Crise política do Brasil ameaça classificação de confiança do país como bom pagador das dívidas / Foto: Agência Brasil
Crise política do Brasil ameaça classificação de confiança do país como bom pagador das dívidas
Foto: Agência Brasil
Agência Estado

A Fitch reafirmou nesta sexta-feira, 19, o rating do Brasil, mas apontou que a nota de crédito é pressionada pela fraqueza estrutural de suas finanças públicas e limitada pelos recorrentes episódios de instabilidade política, que têm consequência negativa para a economia do país.

Os ratings de longo prazo do Brasil, em moedas estrangeira e local, foram mantidos em BB. Já os ratings de curto prazo em moedas estrangeira e local foram reafirmados em B. O teto do país, por sua vez, continua sendo BB+.

Além disso, a Fitch manteve a perspectiva negativa dos ratings, devido a contínuas incertezas sobre a recuperação econômica do Brasil e sobre o progresso da agenda legislativa.

Alerta

Em comunicado, a Fitch também alertou que o rating brasileiro poderá ser rebaixado, se o governo não conseguir frear o avanço da dívida pública e apontou que recentes eventos políticos relacionados ao presidente Michel Temer podem prejudicar a confiança na recuperação econômica do Brasil. Já um fraco desempenho da economia afetaria as receitas do país.



Segundo a Fitch, o ressurgimento da volatilidade política que distrai a atenção do progresso das reformas econômicas, necessárias para a melhora da perspectiva de crescimento, é um fator de risco para a nota de crédito soberana.

Previsões

Na avaliação da Fitch, o Brasil irá superar a recessão dos dois últimos anos e crescer 0,5% em 2017, antes de garantir taxa de crescimento mais robusta no próximo ano, de 2,5%, em parte favorecido pelo impacto do afrouxamento na política monetária.

A Fitch prevê ainda que o déficit do setor público administrativo deve atingir cerca de 8% do Produto Interno Bruto (PIB) no período de 2017 e 2018, ante cerca de 9% do PIB em 2016 A carga da dívida do governo brasileiro chegou a 69,9% do PIB em 2016, ante média de 50% do PIB de outros países com rating BB

A agência estima que a dívida pública continuará subindo, chegando a cerca de 80% do PIB em 2018.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

O Mundo de Rafa O Mundo de Rafa
Rafael foi diagnosticado com síndrome de Asperger apenas aos 11 anos. Seus desenhos contam pedaços muito importantes da sua história. Exprimem momentos de alegria, de comemoração e também de desabafo, de dor
Gastos dos parlamentares pernambucanos Gastos dos parlamentares pernambucanos
Os deputados federais da bancada pernambucana gastaram, no 1º semestre deste ano, R$ 5,1 milhões em verbas de cotas parlamentares. Já os senadores gastaram R$ 692 mil. Os dados foram coletados com base no portal da transparência da Câmara e do Senado
Um metrô ainda renegado Um metrô ainda renegado
São 32 anos de operação e uma eterna luta por sobrevivência. Esse é o metrô do Recife

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM