Jornal do Commercio
Banco Central

BC continuará monitorando impacto de informações divulgadas, diz Ilan

O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn tratou das consequências para a economia brasileira das delações dos empresários da JBS

Publicado em 19/05/2017, às 15h09

De acordo com Goldfajn, o BC tem atuado em coordenação com o Ministério da Fazenda para dar liquidez aos mercados / Foto: Agência Brasil
De acordo com Goldfajn, o BC tem atuado em coordenação com o Ministério da Fazenda para dar liquidez aos mercados
Foto: Agência Brasil
Estadão Conteúdo

O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, tratou pela primeira vez nesta sexta-feira (19) com mais profundidade, das consequências para a economia brasileira das delações dos empresários da JBS, que atingem o governo Michel Temer. Em almoço do banco Santander, em São Paulo, Goldfajn afirmou que o BC continuará monitorando o impacto das informações recentemente divulgadas. Além disso, afirmou que o País está menos vulnerável a choques externos ou internos.

"O Brasil tem amortecedores robustos e, por isso, está menos vulnerável a choques, internos ou externos", afirmou Goldfajn, no evento. "O Banco Central continuará monitorando o impacto das informações recentemente divulgadas e atuará, sempre que necessário, para manter a plena funcionalidade dos mercados", acrescentou.

De acordo com Goldfajn, o BC tem atuado em coordenação com o Ministério da Fazenda para dar liquidez aos mercados. Esta atuação é traduzida pelos leilões de swap cambial realizados pelo BC e pelas operações de recompra de títulos públicos por parte do Tesouro Nacional. "O BC e o Tesouro Nacional têm vários instrumentos à disposição", disse Goldfajn. O presidente do BC afirmou ainda que a atuação "firme e serena" tem foco no "bom funcionamento dos mercados".



Ao mesmo tempo, Goldfajn retomou ideia já expressa na quinta pelo BC por meio de nota a jornalistas: a de que não há relação direta e mecânica entre as atuações a política monetária, que continuará focada nos seus objetivos tradicionais.

"Em outras palavras, as decisões sobre a taxa básica de juros serão tomadas pelo Copom, no curso de suas reuniões ordinárias, considerando o cenário básico, o balanço de riscos e o amplo conjunto de informações disponíveis", disse Goldfajn. Segundo ele, a política econômica brasileira mudou de direção há um ano. "E as reformas implementadas neste curto período mostraram resultados positivos, por isso, a importância de se continuar nesse caminho virtuoso."

A íntegra dos apontamentos de Goldfajn no evento pode ser consultada no link: http://www.bcb.gov br/conteudo/home-ptbr/TextosApresentacoes/apontamentos_presidente _ilan_goldfajn_santander_19_05_17.pdf.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva
Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção
Carga horária excessiva, más condições de trabalho, terminais sem estrutura apropriada e os riscos ocupacionais aos quais estão submetidos. O transporte rodoviário está em quarto lugar entre as profissões com mais com comunicações de acidentes de trabalh
#UmaPorUma #UmaPorUma
Existe uma história para contar por trás de cada assassinato de mulher em Pernambuco. Uma por uma, vamos contar todas. Mapear onde as mataram, as motivações do crime, acompanhar a investigação e cobrar a punição dos culpados. Um banco de dados virtual.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM