Jornal do Commercio
DELAÇÃO

Empresas querem uma solução rápida para crise

Para evitar que uma nova crise econômica se instale no País, empresários defendem a apuração das denúncias e a manutenção da agenda de reformas

Publicado em 19/05/2017, às 09h49

Após a economia dar os sinais de recuperação, delação da JBS atinge Temer / Foto: Lula Marques / AGPT
Após a economia dar os sinais de recuperação, delação da JBS atinge Temer
Foto: Lula Marques / AGPT
Estadão Conteúdo

Em um momento em que as empresas vislumbravam melhores resultados, após a economia dar os sinais de recuperação, a citação do presidente Michel Temer na delação dos donos da JBS pode pôr tudo a perder, na opinião de executivos e empresários ouvidos pela reportagem. Para evitar que uma nova crise econômica se instale no País, eles defendem a apuração das denúncias e a manutenção da agenda de reformas.

O presidente da Suzano, Walter Schalka, que falou à reportagem por telefone, participou esta semana de um evento do Itaú em Nova York, e disse ter notado a rápida virada do humor do investidor internacional sobre o Brasil. "Ontem (quarta-feira, 17), a visão sobre o País era muito positiva. Hoje (quinta, 18), todo mundo passou a vender o Brasil", disse o executivo, referindo-se ao impacto da delação da JBS.

Renúncia

Schalka afirmou que a melhor solução para o País é a renúncia imediata do presidente. "Acho que a melhor alternativa para o Brasil agora é a renúncia. A segunda melhor é a chapa Dilma-Temer ser cassada. A terceira é o impeachment. E a quarta e pior alternativa é a permanência de Temer sem legitimidade e credibilidade."



O presidente da multinacional americana Cargill no Brasil, Luiz Pretti, afirmou que a economia parecia no caminho de uma retomada, ainda que lenta, baseada na queda dos juros, na recuperação do emprego e nas reformas previdenciária e trabalhista. De repente, frisou ele, a maré mudou. "Passei a manhã explicando a nossos acionistas nos Estados Unidos o que estava acontecendo. É difícil explicar, pois, até a semana passada, o Brasil estava indo pelo caminho certo, tinha um projeto de governo."

Outros dois empresários - Pedro Passos, sócio-fundador da Natura, e Luiza Trajano, presidente do conselho do Magazine Luiza - lamentaram o fato de que a nova crise política pode atrapalhar as reformas econômicas no Brasil. "Adiar esse projeto (de reformas) prejudica o País e é uma involução. Essa descontinuidade do poder gerar incertezas, e não é bom para o País. Temos de ter calma", ressaltou o fundador da Natura. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

O Hobbit - 80 anos O Hobbit - 80 anos
Como a maioria dos hobbits, Bilbo Bolseiro leva uma vida tranquila até o dia em que recebe uma missão do mago Gandalf. Acompanhado por um grupo de anões, ele parte numa jornada até a Montanha Solitária para libertar o Reino de Erebor do dragão Smaug
Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM