Jornal do Commercio
Reforma da Previdência

Reforma da Previdência é questão de Estado, não de governos, diz Caetano

O secretário de Previdência do Ministério da Fazenda, Marcelo Caetano, defendeu a reforma da Previdência proposta pelo governo Temer

Publicado em 19/05/2017, às 15h01

Caetano disse ainda que a proposta atual
Caetano disse ainda que a proposta atual "tem um foco de afetar menos as pessoas que são mais pobres"
Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado
Estadão Conteúdo

O secretário de Previdência do Ministério da Fazenda, Marcelo Caetano, defendeu nesta sexta-feira (19) a reforma da Previdência proposta pelo governo do presidente Michel Temer, sem fazer qualquer referência à crise política gerada pela revelação da delação premiada dos executivos do frigorífico JBS.

"A reforma da Previdência é uma questão de Estado, não de governos", afirmou Caetano, em palestra no segundo dia do XXIX Fórum Nacional, no Rio.

O secretário citou a questão demográfica. "As gerações que agora nascem sequer repõem a dos seus pais", disse Caetano, lembrando que o ritmo de envelhecimento da população brasileira se dá num movimento mais acelerado do que o verificado na Europa.

O problema no Brasil é mais grave também porque o País "já parte de uma despesa previdenciária que é elevada". Segundo Caetano, os gastos com Previdência dos setores público e privado no Brasil equivalem a 13% do Produto Interno Bruto (PIB), e tendem a subir por causa do envelhecimento da população.



'Rito democrático'

Citando a importância de seguir o rito democrático para a aprovação da reforma, com discussão no Congresso Nacional, Caetano defendeu a proposta conforme saiu da comissão especial da Câmara dos Deputados.

"É, sim, uma reforma abrangente", disse o secretário, defendendo a "harmonização" de regras entre os setores público e privado e a idade mínima de aposentadoria. "Idade mínima de 65 anos já existe para muita gente", disse Caetano, referindo-se ao mínimo necessário para a aposentadoria por idade, conforme as regras atuais.

Caetano disse ainda que a proposta atual "tem um foco de afetar menos as pessoas que são mais pobres" e concluiu a palestra dizendo que a reforma da Previdência é necessária. "Assim como o sol nasce a cada dia, a gente observa que a cada ano a população envelhece e o debate da reforma da previdência permanece", afirmou o secretário.


Recomendados para você


Comentários

Por Carlos valle,20/05/2017

Ministro, pega essa vontade sua e de seus parceiros ai no poder, e começa a cobrar os que devem milhões a previdência que o problema está solucionado. Mas para fazer isso as mãos tem que estar livre do lamaçal da corrupção que, como sabemos, já atingiu todos os segmentos políticos deste pais.

Por MAURO ZAIA,19/05/2017

Você deveria pedir demissão do cargo ao invés de ficar defendendo um Governo corrupto desses. Se parassem de roubar um pouco não precisaria de reforma nenhuma.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM