Jornal do Commercio
Operação Lava-Jato

Vale à pena parar de consumir os produtos da JBS?

Empresa está no centro dos escândalos de corrupção

Publicado em 03/06/2017, às 09h50

Devido a escândalos, a empresa já perdeu mais de R$ 15 bilhões em valor de mercado no ano de 2017 / Foto: Facebook/Reprodução
Devido a escândalos, a empresa já perdeu mais de R$ 15 bilhões em valor de mercado no ano de 2017
Foto: Facebook/Reprodução
Da editoria de economia

O dia 18 de maio de 2017 não será esquecido com facilidade pelos brasileiros, tampouco pelo mercado financeiro. Na manhã seguinte após a notícia de que Joesley Batista, um dos proprietários da JBS – uma das maiores indústrias de carne do mundo – teria gravado um áudio em que o presidente Michel Temer teria autorizado a compra do silêncio do ex-deputado federal e ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, a palavra de ordem era instabilidade. O valor do real teve queda frente ao dólar, diversas ações apresentaram baixa e a bolsa de valores entrou em circuit breaker – fenômeno responsável pela paralisação das atividades após resultados negativos bruscos com objetivo de rebalancear as operações.


A mancha negativa que acompanha o País desde o início das investigações da Operação Lava Jato também tomou proporções gigantescas para a JBS, no centro dos escândalos principalmente a partir da Carne Fraca, que investiga a comercialização de mercadorias adulteradas no mercado brasileiro e no exterior. Os impactos foram tantos que, neste ano, a empresa já perdeu mais de R$ 15 bilhões em valor de mercado e suas ações chegaram a cair mais de 25%.

Com sua postura ética posta em xeque perante toda a sociedade, não é de se estranhar que muitos consumidores desejem fortalecer um movimento de boicote a todas as marcas da Holding J&F, que incluem Friboi, Seara, Havaianas, o Banco Original, Vigor e um canal de televisão (Canal Rural), além da própria JBS. Mas será que o boicote é um instrumento efetivo de posicionamento político e cobrança por punição?


“As pessoas sentem uma carência muito grande de atuação do poder público. A impressão é que, em todas as esferas, existe uma conivência com as grandes corporações, e a Lava Jato está aí para mostrar isso. Como os consumidores se sentem desassistidos, boicotar os produtos é a forma que encontram de manifestar indignação”, explica o professor do MBA de marketing e gestão comercial da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Roberto Kanter. Em uma pesquisa realizada pela consultoria nas áreas de varejo e atacado Dunnhumby, 59% dos consumidores de carne bovina diminuíram a compra e o consumo do produto por causa da Operação Carne Fraca.


Na opinião da coordenadora executiva do Instituto de Defesa do Consumidor (Idec), Elici Bueno Checchin, o boicote é uma forma legítima e eficiente para pressionar o poder público e as grandes empresas por questões éticas.

“Apoiamos este e outros boicotes por entender que são um dos importantes instrumentos de pressão da sociedade para que empresas e governantes passem a dar importância à preocupação dos consumidores e criem regulamentos para melhorar a qualidade e a segurança de produtos, condições de trabalho adequadas e postura ética”, aponta, destacando que boicotar materializa as duas maiores armas do consumidor, seu poder de compra e sua liberdade de escolha.




Por outro lado, a JBS há muito deixou de ser apenas uma empresa brasileira. Graças à política das Campeãs Nacionais, implantada pelo Governo Federal ainda na época do presidente Lula, com objetivo de reverter a crise de 2008 e internacionalizar organizações nacionais fortes, a JBS, uma das privilegiadas, adquiriu status de gigante mundial. Atualmente, gera mais de 237 mil empregos, atua em mais de 20 países nos cinco continentes do mundo e impacta toda uma cadeia produtiva, abastecendo varejo e atacado.

Além disso, a Caixa Econômica Federal e o BNDES detém, juntos, 26,24% da empresa. Na prática, significa dizer que uma grande crise da JBS afeta também os cofres dos bancos públicos.


“Este boicote é uma bobagem. A empresa está sendo punida e vai pagar bilhões pelos crimes que cometeu. Deixar de comprar não vai compensar os erros cometidos, ao contrário, só vai prejudicar toda uma cadeia produtiva e a geração de empregos”, diz o pesquisador associado do Instituto Brasileiro de Economia (IBRE) e professor aposentado do departamento de economia da Universidade Federal Fluminense (UFF), Cláudio Considera.

Outros impactos do sucesso do boicote seriam o fechamento de unidades da empresa, diminuição de arrecadação de impostos e aumento dos problemas de credibilidade do País como um todo.


Quem concorda que há outras formas de se manifestar politicamente além do boicote é o professor de finanças da Faculdade de Economia e Finanças (Ibmec) e consultor de empresas da Valorum Gestão Empresarial, Marcos Melo. “As pessoas devem cobrar das autoridades competentes uma punição severa para estes casos, e é necessário que se vote melhor. A chance do boicote dar certo é pequena, porque a sociedade está atacando o problema errado. A empresa é composta de milhares de trabalhadores e foram seus dirigentes e diretores, uma cúpula pequena, os responsáveis pelas decisões”, aponta.


LENIÊNCIA

A holding J&F fechou, no último dia 31 de maio, um acordo de leniência com o Ministério Público Federal (MPF) para o pagamento de uma multa de R$ 10,3 bilhões ao longo dos próximos 25 anos pelos crimes cometidos. Ao fim do período, o valor futuro deve alcançar a casa dos R$ 20 bilhões. O valor será dividido entre o Funcef (Fundação dos Economiários Federais), Petros (fundo de pensão dos trabalhadores da Petrobras), BNDES, União, FGTS e Caixa Econômica Federal. Haverá, ainda, uma parte dos valores destinadas a instituições sociais. Hoje, o valor de mercado da JBS é de aproximadamente R$ 18 bilhões.


Recomendados para você


Comentários

Por LYRA,03/06/2017

Para mim é um ponto de honra, se deixar de consumir todo e qualquer tipo de produto fabricado e comercializado pelas empresas do grupo J&F mas, ainda é a necessidade de se prender todos os envolvidos na roubalheira, principalmente o meliante Michel Temer, que antes dessa delação era somente conhecido como GOLPISTA e depois da mesma ganhou mais fama como TRAIDOR DA PÁTRIA, por ser conivente com os ladrões donos das empresas.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM