Jornal do Commercio
Pró-cotista

Caixa suspende de novo linha de financiamento imobiliário que usa FGTS

O banco alega esgotamento de recursos

Publicado em 19/06/2017, às 19h11

Banco nega que esgotamento de recursos esteja ligado aos saques das contas inativas / Foto: Acervo/ JC Imagem
Banco nega que esgotamento de recursos esteja ligado aos saques das contas inativas
Foto: Acervo/ JC Imagem
Da editoria de economia

A Caixa Econômica Federal suspendeu novamente por falta de recursos a linha de financiamento imobiliário Pró-cotista, que utiliza recursos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) para subsidiar imóveis de até R$ 950 mil. De acordo com uma nota divulgada pelo banco, todo o orçamento disponibilizado para 2017, no valor de R$ 7,54 bilhões, foi comprometido.

Inicialmente, o Conselho Curador do FGTS aprovou, em outubro de 2016, um montante de R$ 5 bilhões para uso durante todo o ano. No início de maio, porém, mais de 60% do valor já estava contratado, enquanto o restante se encontrava em fase de análise. Posteriormente, o Ministério do Planejamento decidiu remanejar para a Pró-cotista  parte dos recursos que seriam direcionados para a faixa de renda mais alta do Minha Casa, Minha Vida, injetando mais R$ 2,54 bilhões. Agora, a Caixa afirma que os recursos estão esgotados novamente. 

"A Caixa Econômica Federal informa que estão suspensas as contratações de novas operações da linha de crédito PróCotista Recursos FGTS, em razão do comprometimento total do orçamento disponibilizado pelo Conselho Curador do FGTS para o exercício de 2017", afirmou o banco em nota.



Não há previsão de novos aportes para a linha. O banco negou que os saques de contas inativas do FGTS tenham influenciado no esgotamento de recursos, e afirma que o o orçamento da linha foi definido antes da MP

LINHA

A linha pró-cotista se destina a trabalhadores com pelo menos três anos de vínculo ao FGTS e que estejam trabalhando ou tenham saldo em conta de pelo menos 10% do valor do imóvel. Os juros podem chegar a até 8,85% ao ano. O valor máximo dos imóveis financiados é de R$ 950 mil para Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e Distrito Federal e de R$ 800 mil nas outras regiões do País. 


Recomendados para você


Comentários

Por Vilma Andrade,20/06/2017

Detentora de 70% dos financiamentos imobiliários feitos no Brasil nos últimos anos, a Caixa tornou-se também a maior portadora de créditos "podres". Se fosse um banco privado já teria "quebrado", pois está alavancada em 36 vezes o parimonio. Financiamentos foram concedidos a famílias sem renda. Advinha quem vai pagar esta conta ????

Por Marta Tavares,20/06/2017

.... Não há RENDA , POUPANÇA nem CRÉDITO .... Estouro da BOLHA IMOBILIÁRIA em 3...2...1... Segue o Féretro.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM