Jornal do Commercio
ESTATAL BRASILEIRA

Petrobras passou a ser a empresa de petróleo mais endividada do mundo, alerta OMC

A companhia, que tem uma dívida de cerca de US$ 125 bilhões, tem a previsão de que sua produção seja reduzida a 2,1 milhões de barris por dia

Publicado em 17/07/2017, às 17h00

A companhia tem uma dívida de cerca de US$ 125 bilhões / Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil
A companhia tem uma dívida de cerca de US$ 125 bilhões
Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil
Estadão Conteúdo

Os escândalos de corrupção na Petrobras e sua política de preços levaram a estatal brasileira a ser a empresa de petróleo mais endividada do mundo. A constatação faz parte do informe produzido pela OMC, que avalia a situação da política comercial do Brasil.

"Depois que durante anos a empresa se utilizou de generosa renda como instrumento de política social, desde 2016 a Petrobras corta gastos e vende ativos, além de ter enfrentando um grande escândalo de corrupção", apontou o informe.

A companhia, que tem uma dívida de cerca de US$ 125 bilhões, tem a previsão de que sua produção seja reduzida a 2,1 milhões de barris por dia, ainda que espere alcançar 2,7 milhões em 2020", apontou. "Os fatos que ocorreram no país, em combinação com um contexto de preços baixo de petróleo, contribuíram para que a Petrobras passasse de obter lucros para sofrer grandes perdas entre 2014 e 2015", disse.



Um dos responsáveis por essa dívida teria sido a política de preços da Petrobras. A empresa, de acordo com a OMC, foi "cobrindo a diferença entre os preços do mercado mundial e o preço nacional (de combustíveis)". "Essa política custou à empresa bilhões de dólares e contribuiu para convertê-la na empresa petroleira mais endividada do mundo", constatou a OMC.

Provocação

De acordo com o informe, a "política parece ter provocado nos últimos anos uma perda nas vendas de petróleo de cerca de R$ 60 bilhões (US$ 17,4 bilhões)".

A OMC admite que, em 2016, a estatal anunciou uma nova política para determinar os preços da gasolina e diesel nas refinarias. "De acordo com a nova política, os preços de petróleo se atualizam a cada mês, sobre a base das variações dos preços internacionais, da taxa de juros, as margens de transporte e condições do mercado nacional, além de não se permitir que caiam abaixo da paridade internacional", completou.

 


Recomendados para você


Comentários

Por Lopes,18/07/2017

Povo trouxa só serve pra isso : ser roubado pelos políticos, enganado, ouvir lorotas mirabolantes , gostar e pedir bis.

Por frederico beltrão,18/07/2017

Este é o resultado da política populista do PT , da DIlma e do Lula . Então vamos votar no Lula e novo sele conseguir se livrar da ficha limpa . Pra acabar de vez com o país . Alguém deveria fazer um levantamento rápido do patrimônio dos Petistas deste país . Vamos ter ter uma grnade surpresa. A maioria deles está simplesmente rico , com casa na beira-mar de grandes cidades litorâneas , em prais paradisíacas . E dizer que foi só pelo próprio salário é balela ........ Realmente vivemos em uma soiedade do século XVIII ou XIX ....



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM