Jornal do Commercio
RECEITA

Entenda como o WhatsApp se mantém

Sem anúncios e sem assinatura paga, saiba como o app que conta com 1 bilhão de usuários continua funcionando

Publicado em 28/08/2017, às 12h33

Com mais de 1 bilhão de usuários atualmente, o app, na verdade, não gera lucros / Foto: Sérgio Bernardo/ JC Imagem
Com mais de 1 bilhão de usuários atualmente, o app, na verdade, não gera lucros
Foto: Sérgio Bernardo/ JC Imagem
Da editoria de Economia

Sem assinatura paga e sem anúncios... como o WhatsApp se mantém financeiramente como uma das mais importantes plataformas de troca de mensagens do mundo? Com mais de 1 bilhão de usuários atualmente, o app, na verdade, não gera lucros. Sua compra pelo Facebook, em 2014, foi uma decisão estratégica da rede social, que estava de olho na imensa base de dados do aplicativo.

Até janeiro do ano passado, o app cobrava uma assinatura anual de US$ 0,99 para usuários que passassem de um ano experimentando o aplicativo gratuitamente. Mesmo com a cobrança, a receita gerada não era muito alta se comparada à abrangência do serviço, chegando a apenas US$ 1,28 milhões nos primeiros nove meses de 2016.

Diante da dificuldade de muitos usuários que não possuíam cartão de crédito para efetuar o pagamento da assinatura, o Facebook decidiu, então, suspender a cobrança. A possibilidade do pagamento pelo serviço, no entanto, não foi totalmente descartada. No site do WhatsApp, ao apresentar o aplicativo, o que afirma sua gratuidade é seguido da obervação "Cobrança de dados podem ser aplicadas".



Apesar de deixar essa brecha para a cobrança, os responsáveis pelo app parecem se manter firmes quanto à decisão de manter a plataforma longe de anúncios. Um eventual caminho para gerar receita, sugerido pela própria empresa, seria a inclusão de um serviço de comunicação direta entre empresas e seus clientes, opção que seria custeada pelas empresas.

BASE DE DADOS

Enquanto nada disso acontece, o Facebook se concentra em se beneficiar da base de dados fornecida pelo WhatsApp, que permite um melhor direcionamento das publicidades exibidas na rede social, por exemplo. O cruzamento de dados pode ser testado na prática: adicione um novo contato no seu telefone, que tenha WhatsApp. Se a pessoa estiver também no Facebook, muito provavelmente ela aparecerá em breve como sugestão de nova amizade. Para você isso pode parecer uma bobagem, mas para grandes corporações, dados valem mais que ouro.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC recall de marcas 2017 JC recall de marcas 2017
Conheça o ranking das marcas que têm conseguido se manter no topo da preferência dos pernambucanos. O rol é resultado de uma pesquisa realizada pelo Instituto Harrop, há duas décadas parceiro do Jornal do Commercio na realização da premiação
10 anos do IJCPM 10 anos do IJCPM
O Instituto João Carlos Paes Mendonça de Compromisso Social (IJCPM) comemora 10 anos de história, contribuindo para transformar a vida de jovens de comunidades com histórico de desigualdade social nas cidades de Recife, Salvador, Fortaleza e Aracaju
Chapecoense: um ano de saudade Chapecoense: um ano de saudade
Um ano de saudade. Foi isso que restou. A maior tragédia do esporte mundial, no dia 29 de novembro de 2016, quando houve o acidente aéreo com a delegação da Chapecoense, em Medellín, na Colômbia, fez 71 vítimas. Entre elas, dois pernambucanos

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM