Jornal do Commercio
PRODUÇÃO

Intenção de investimentos da indústria cai 2,8 pontos no 3º trimestre

Indicador Intenção de Investimentos da FGV caiu para o patamar de 105,1 pontos

Publicado em 13/09/2017, às 08h53

Pelo segundo trimestre consecutivo, a proporção de empresas prevendo investir mais nos 12 meses seguintes superou a fatia das que projetam investir menos,  / Foto: Internet/Reprodução
Pelo segundo trimestre consecutivo, a proporção de empresas prevendo investir mais nos 12 meses seguintes superou a fatia das que projetam investir menos,
Foto: Internet/Reprodução
Estadão Conteúdo

O Indicador de Intenção de Investimentos da Indústria recuou 2,8 pontos no terceiro trimestre de 2017 em relação ao trimestre anterior, informou nesta quarta-feira, 13, a Fundação Getulio Vargas (FGV). Com a perda, o indicador caiu para o patamar de 105,1 pontos. O Indicador de Intenção de Investimentos mede a disseminação do ímpeto de investimento entre as empresas industriais. O objetivo é antecipar tendências econômicas.

"O arrefecimento da tendência da alta do Indicador de Intenção de Investimentos retrata bem a dificuldade de se acelerar investimentos em um ambiente de elevadas ociosidade e incerteza. O setor industrial coloca-se em compasso de espera por notícias que aumentem o grau de certeza quanto ao rumo da economia no horizonte de dois a três anos. Essa postura pode ser ilustrada pela ocorrência de um recorde de empresas prevendo estabilização do ritmo de crescimento dos investimentos nos próximos meses apesar de a economia apresentar uma inequívoca tendência de aceleração no momento", avaliou Aloisio Campelo Junior, superintendente de Estatísticas Públicas do Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV), em nota oficial.

Pelo segundo trimestre consecutivo, a proporção de empresas prevendo investir mais nos 12 meses seguintes superou a fatia das que projetam investir menos, movimento que não ocorria desde 2014.



Na passagem do segundo para o terceiro trimestre de 2017, houve redução tanto da parcela de empresas que preveem investir mais, passando de 25,6% para 21,1%, quanto das que preveem investir menos, de 17,7% para 16,0%.

Com a menor incidência de respostas extremas, a proporção de empresas prevendo estabilidade dos investimentos foi a maior já registrada na série histórica iniciada em 2012. Segundo a FGV, o resultado foi possivelmente afetado pelo aumento do grau de incerteza em relação à execução do plano de investimentos na comparação com a sondagem do segundo trimestre, que teve a apuração quase inteiramente realizada no período anterior à crise política agravada em 17 de maio, quando foi divulgada a delação do empresário Joesley Batista envolvendo o presidente Michel Temer.

Quanto ao grau de certeza em relação à execução do plano de investimentos nos 12 meses seguintes, a proporção de empresas que estão certas em relação à execução do plano de investimentos (28,2%) superou a proporção de empresas incertas (27,3%) pelo terceiro trimestre consecutivo. Nos dois trimestres anteriores, porém, as respostas denotavam um maior grau de certeza. No segundo trimestre, estas proporções tinham sido de 25,0% e 21,3%, respectivamente.

A coleta de dados para a sondagem agora divulgada ocorreu entre os dias 3 de julho e 31 de agosto, com informações de 723 empresas.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM