Jornal do Commercio
ÍNDICE GERAL DE PREÇOS

IGP-10 de setembro fica em 0,39% ante queda de 0,17% em agosto

Os preços no atacado tiveram alta, puxando para cima o IGP-10, após queda em agosto

Publicado em 14/09/2017, às 09h04

IGP é composto por índices que medem preço ao consumidor, preço do atacado e índice da construção civil / Foto: Rafael Neddermeyer/Fotos Públicas
IGP é composto por índices que medem preço ao consumidor, preço do atacado e índice da construção civil
Foto: Rafael Neddermeyer/Fotos Públicas
Estadão Conteúdo

O Índice Geral de Preços - 10 (IGP-10) avançou 0,39% em setembro, após o recuo de 0,17% registrado em agosto, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta quinta-feira (14). O resultado agora anunciado ficou dentro das projeções dos analistas do mercado financeiro ouvidos pelo Projeções Broadcast, que esperavam um avanço de 0,18% a 0,55%, com mediana positiva de 0,35%.

No caso dos três indicadores que compõem o IGP-10 de setembro, os preços no atacado medidos pelo IPA-10 tiveram alta de 0,55% no mês, ante uma queda de 0,42% em agosto. Os preços ao consumidor verificados pelo IPC-10 apresentaram estabilidade (0,0%) em setembro, após a alta de 0,34% no mês anterior. Já o INCC-10, que mede os preços da construção civil, teve elevação de 0,35% em setembro, depois de um aumento de 0,27% em agosto.

O IGP-10 acumula deflação de 2,03% no ano. Em 12 meses, a taxa acumulada ficou negativa em 1,66%. O período de coleta de preços para o indicador de setembro foi do dia 11 de agosto ao 10 deste mês. O IGP-DI, que apurou preços do dia 1º a 31 do mês passado, subiu 0,24%.

GRUPOS

A redução nos preços dos alimentos e na conta de luz freou a inflação ao consumidor no IGP-10 de setembro. O IPC-10 registrou estabilidade no mês, após a elevação de 0,34% registrada em agosto. Seis das oito classes de despesa tiveram taxas de variação menores, com destaque para o grupo Habitação, que saiu de um avanço de 0,78% em agosto para recuo de 0,06% em setembro, sob influência do item tarifa de eletricidade residencial, que passou de alta de 4,45% para queda de 0,28%.

As demais reduções ocorreram nas taxas dos grupos Alimentação (de -0,41% para -0,91%), Transportes (de 1,19% para 0,84%), Comunicação (de 0,51% para -0,06%), Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,36% para 0,28%) e Despesas Diversas (de 0,08% para 0,02%). Houve impacto dos itens hortaliças e legumes (de -0,06% para -10,52%), tarifa de ônibus urbano (de 0,42% para -0,72%), tarifa de telefone móvel (de 0,70% para -0,11%), artigos de higiene e cuidado pessoal (de 0,34% para -0,41%) e alimentos para animais domésticos (de 0,82% para -0,21%), respectivamente.



Na direção oposta, aumentaram as variações dos grupos Educação, Leitura e Recreação (de 0,14% para 0,82%) e Vestuário (de -0,47% para 0,12%), com contribuições da passagem aérea (de -1,73% para 25,10%) e roupas (de -0,60% para -0,13%).

IPAS

Os preços agropecuários medidos pelo IPA Agrícola diminuíram 0,94% no atacado em setembro, ante uma queda de 1,56% em agosto, dentro do IGP-10. Já os preços dos produtos industriais mensurados pelo IPA Industrial tiveram alta de 1,05% este mês, após o recuo de 0,04% no atacado em agosto.

Dentro do Índice de Preços por Atacado segundo Estágios de Processamento (IPA-EP), que permite visualizar a transmissão de preços ao longo da cadeia produtiva, os preços dos bens finais tiveram redução de 0,22% em setembro, ante diminuição de 1,22% em agosto.

Os preços dos bens intermediários tiveram avanço de 0,43% em setembro, após a queda de 0,51% no mês anterior. Já os preços das matérias-primas brutas apresentaram elevação de 1,67%, depois do aumento de 0,72% em agosto.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM