Jornal do Commercio
JBS

Após renegociar tributos, JBS lucra R$ 323 milhões

Resultado representa uma retração de 64% do que foi obtido pela JBS em 2016

Publicado em 14/11/2017, às 07h29

JBS teve lucro de R$ 323 milhões / Foto: Reprodução
JBS teve lucro de R$ 323 milhões
Foto: Reprodução
Estadão Conteúdo

Imersa em profunda crise de reputação e com seus principais acionistas presos, a JBS reportou nesta segunda-feira, 13, ao mercado o que afirma ser o melhor resultado de sua história. Nessa conta, considera o lucro líquido recorde de R$ 1,9 bilhão, valor que teria obtido no terceiro trimestre caso não tivesse aderido ao Programa Especial de Regularização Tributária (Pert). Com os gastos do programa, o resultado caiu para R$ 323 milhões, retração de 64% sobre os R$ 887 milhões de igual período de 2016

O desempenho operacional foi decisivo para atenuar o que vinha sendo o principal ponto de preocupação dos investidores ao olhar os números da JBS: o alto endividamento. A empresa, que em julho precisou renegociar com bancos mais de R$ 20 bilhões sob risco de não conseguir honrar compromissos, anunciou corte de R$ 4,8 bilhões na dívida líquida. Mais da metade veio do dinheiro gerado na operação. A venda de ativos, como a operação em países do Mercosul, também ajudou.

Com isso, a JBS conseguiu reduzir o endividamento para 3,4 vezes sua capacidade de geração de caixa (Ebtida - lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização). A meta é levar para abaixo de 3 vezes o Ebtida. Mas agora a JBS já ostenta patamar de endividamento mais confortável do que o dos rivais brasileiros e em linha com os estrangeiros, diz a JBS.

"No meio de todo barulho que o grupo passou, tivemos o melhor resultado da história", afirmou ao jornal O Estado de S. Paulo o diretor de operações, Gilberto Tomazoni.

A expectativa da JBS é que não seja necessária nova renegociação da dívida e que a relação com os bancos volte ao normal no primeiro semestre de 2018.



O resultado foi reflexo da forte alta nas vendas do exterior, em especial da divisão americana. No Brasil, que responde por 12% do negócio, os números vieram abaixo do esperado. A receita da Seara ficou estável, mas as da operação de carne murcharam diante da queda de 31% nas vendas ao mercado interno. A principal razão, segundo a JBS, foi a necessidade de corte dos abates em 17% no trimestre.

Os números não foram acompanhados do relatório do auditor independente, que aguarda a apuração dos fatos relacionados ao acordo de leniência da J&F, afirmou a companhia.

Sob nova direção

A expectativa da JBS é manter o nível de geração de caixa nos próximos trimestres. "As perspectivas seguem positivas. Os mercados americano e canadense serão beneficiados pelo aumento de renda e queda do desemprego. Na Austrália, há perspectivas melhores após a seca que atingiu o país", disse André Nogueira, presidente da JBS nos EUA. "No Brasil, temos capacidade ociosa e podemos crescer ainda mais", afirmou Tomazoni.

O alto escalão da JBS tentou diminuir o impacto da saída de Wesley Batista do comando. Preso desde o dia 13 de setembro, ele foi substituído por seu pai e fundador da JBS, José Batista Sobrinho. "Uma empresa desse tamanho não pode ficar num único nome", afirmou Nogueira. "Cada camarada que roda uma operação da JBS age como dono. É esse o motivo de estarmos apresentando, mesmo com a saída do Wesley, um resultado recorde." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM