Jornal do Commercio
Bovespa

Bolsa fica pessimista com reforma da Previdência e cai 1,07%

O desânimo do investidor com o andamento da reforma da Previdência trouxe fortes perdas à Bovespa nesta quinta-feira (7)

Publicado em 07/12/2017, às 18h11

O Índice Bovespa chegou a registrar perda de até 2,61% pela manhã / Foto: HUGO ARCE/Fotos Públicas
O Índice Bovespa chegou a registrar perda de até 2,61% pela manhã
Foto: HUGO ARCE/Fotos Públicas
Estadão Conteúdo

O desânimo do investidor com o andamento da reforma da Previdência trouxe fortes perdas à Bovespa nesta quinta-feira (7). A constatação de que as chances de aprovação da reforma este ano são cada vez menores levou o Índice Bovespa a registrar perda de até 2,61% pela manhã. À tarde, a alta dos preços do petróleo e das bolsas de Nova York ajudou a bolsa a corrigir excessos e o índice terminou o dia em baixa mais moderada, de 1,07%, aos 72.487,45 pontos. Os negócios somaram R$ 9,2 bilhões, dentro da média das últimas semanas.

Não houve um motivo único para o mau humor dos investidores, mas um conjunto de fatores negativos confirmando a dificuldade do governo em reunir votos favoráveis à reforma da Previdência na Câmara este ano. Um dos principais gatilhos que acionaram o pessimismo teria sido a fala de Beto Mansur (PRB-SP), vice-líder do governo na Câmara, de que a reforma poderia "eventualmente" ficar para a última semana do ano legislativo - de 18 a 22 de dezembro. 

Reforma da Previdência

Os principais porta-vozes do governo pouco se manifestaram ao longo do dia. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que estaria disposto a trabalhar nos próximos dez dias no convencimento dos parlamentares para garantir que o governo tenha os 308 votos necessários para aprovação da reforma. "Por mais difícil que ainda seja, nosso papel é tentar até o último dia", afirmou. Já o ministro das Comunicações, Gilberto Kassab, disse que o seu partido, o PSD, não deve fechar questão na votação.



"A alta de 1% da bolsa na quarta-feira foi um pouco prematura, baseada em boa parte no fechamento de questão do PMDB em favor da reforma. Além das dissidências dentro do PMDB, que não garantem votação integral da legenda, ainda há diversos partidos da base que estão indecisos e que não vão fechar questão", disse Vitor Suzaki, analista da Lerosa Investimentos, para justificar a busca do investidor por uma postura defensiva. 

As quedas da bolsa atingiram praticamente todas as blue chips do mercado, com destaque para o setor financeiro, o mais importante na composição do Ibovespa. Banco do Brasil ON, ação bastante sensível ao risco político, terminou o dia em queda de 3,87%. As ações da Petrobras recuaram 0,88% (ON) e 1,68% (PN), apesar das altas do petróleo no mercado internacional.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC recall de marcas 2017 JC recall de marcas 2017
Conheça o ranking das marcas que têm conseguido se manter no topo da preferência dos pernambucanos. O rol é resultado de uma pesquisa realizada pelo Instituto Harrop, há duas décadas parceiro do Jornal do Commercio na realização da premiação
10 anos do IJCPM 10 anos do IJCPM
O Instituto João Carlos Paes Mendonça de Compromisso Social (IJCPM) comemora 10 anos de história, contribuindo para transformar a vida de jovens de comunidades com histórico de desigualdade social nas cidades de Recife, Salvador, Fortaleza e Aracaju
Chapecoense: um ano de saudade Chapecoense: um ano de saudade
Um ano de saudade. Foi isso que restou. A maior tragédia do esporte mundial, no dia 29 de novembro de 2016, quando houve o acidente aéreo com a delegação da Chapecoense, em Medellín, na Colômbia, fez 71 vítimas. Entre elas, dois pernambucanos

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM