Jornal do Commercio
CRISE

Construção civil: Meirelles se preocupa com maior empregadora do país

De acordo com Meirelles, a ideia é que as pessoas continuem tendo o direito de devolver imóveis, o chamado distrato

Publicado em 07/12/2017, às 21h03

'Estamos finalizando projeto que equilibra direitos do consumidor e das construtoras', comentou o titular da Fazenda / Foto: Agência Brasil
'Estamos finalizando projeto que equilibra direitos do consumidor e das construtoras', comentou o titular da Fazenda
Foto: Agência Brasil
Estadão Conteúdo

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse nesta quinta-feira, 7, que está preocupado com a crise na construção civil, atividade que mais emprega no País, e ressaltou que o governo está perto de concluir o projeto de regulamentação dos distratos - segundo ele, o maior problema vivido por esse setor. "Estamos finalizando projeto que equilibra direitos do consumidor e das construtoras", comentou o titular da Fazenda durante palestra a empresários em Manaus.

A ideia, disse Meirelles, é que as pessoas continuem tendo o direito de devolver imóveis - o chamado distrato -, mas que as construtoras que retomam o bem possam vendê-lo sem o risco de enfrentar impasses judiciais e sem prejudicar os demais compradores, que não rescindiram contratos, mas que ficam com a conclusão da obra ameaçada.

Em outra frente crítica, a dos financiamentos, Meirelles lembrou a criação das Letras Imobiliárias Garantidas (LIGs) para permitir que os bancos consigam captar a longo prazo para financiar o crédito imobiliário.



Num discurso permeado por citações a conquistas do governo - como a reversão de um Produto Interno Bruto (PIB) que, em taxa acumulada em 12 meses, caía 5,4%, até maio de 2016, e passou para uma alta de 1,1% em novembro -, Meirelles lembrou que o Brasil exibe sua menor taxa de juros da história e voltou a defender as reformas estruturais. Mas também destacou as medidas de natureza microeconômica que estão sendo elaboradas para melhorar a produtividade da economia.

Nesse ponto, fez referências ao projeto conduzido com o apoio do Banco Mundial que pretende reduzir para três dias o prazo médio de abertura de empresas no Brasil, hoje em 101 dias.

Palestra

O auditório da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (Fieam) lotou para acompanhar a palestra do ministro e ouviu dele que o País deve acelerar o ritmo de crescimento nos próximos três anos. Antes disso, ele ressaltou a necessidade de aprovação da reforma da Previdência porque o déficit previdenciário - de R$ 200 bilhões no INSS e de R$ 80 bilhões no funcionalismo público - é, segundo Meirelles, insustentável.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva
Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção
Carga horária excessiva, más condições de trabalho, terminais sem estrutura apropriada e os riscos ocupacionais aos quais estão submetidos. O transporte rodoviário está em quarto lugar entre as profissões com mais com comunicações de acidentes de trabalh
#UmaPorUma #UmaPorUma
Existe uma história para contar por trás de cada assassinato de mulher em Pernambuco. Uma por uma, vamos contar todas. Mapear onde as mataram, as motivações do crime, acompanhar a investigação e cobrar a punição dos culpados. Um banco de dados virtual.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM