Jornal do Commercio
Tribunal

Após decisão do TST, trabalhadores dos Correios encerram greve

Segundo a federação da categoria, apenas dois estados ainda terão assembleias nos próximos dias para avaliar a continuidade da paralisação: Rio e SP

Publicado em 13/03/2018, às 20h10

A greve havia sido deflagrada na segunda-feira (12) / Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil
A greve havia sido deflagrada na segunda-feira (12)
Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil
ABr

Em assembleias realizadas nesta terça-feira (13), trabalhadores dos Correios de diversos estados aprovaram o fim da greve deflagrada na segunda-feira (12) e o retorno aos trabalhos a partir desta quarta-feira (14), inclusive em Pernambuco. Segundo a federação da categoria, apenas dois estados ainda terão assembleias nos próximos dias para avaliar a continuidade da paralisação: Rio de Janeiro e São Paulo.

A decisão foi tomada após o Tribunal Superior do Trabalho julgar na segunda-feira (12) o impasse sobre o plano de saúde dos empregados. A direção dos Correios defendia a cobrança de mensalidade dos funcionários e restrição do benefício apenas a estes. Os trabalhadores eram contrários a qualquer mudança no sistema, que garantia seguro-saúde a dependentes (incluindo pai e mãe) com pagamento por procedimento utilizado, e não por parcela fixa mensal.

O item foi o principal impasse da negociação do Acordo Coletivo de Trabalho, tendo sido encaminhado para análise do TST. O tribunal aprovou a proposta do relator do processo, ministro Aloysio Corrêa, prevendo o pagamento de mensalidades variando por idade e remuneração, na modalidade de co-participação na qual os trabalhadores passam a ter que arcar com 30% dos valores e a empresa, com 70%. Já pais e mães serão cobertos pelo plano até o encerramento do ACT em vigor, em julho de 2019.

Em nota, os Correios informaram que na tarde desta terça-feira (13) o TST determinou a manutenção de efetivo mínimo de 80% dos trabalhadores em cada unidade, enquanto durasse o movimento.

Em Pernambuco

Com a decisão, em Pernambuco, a categoria retorna às atividades às 22h desta terça e está, agora, em estado de greve, mantendo a luta pelas reivindicações, que incluem o plano de saúde (Postal Saúde) e a realização de novo concurso público para suprir o quantitativo da mão de obra.



"Entendemos que, nacionalmente, o movimento recuou, já que o julgamento do TST (Tribunal Superior do Trabalho) não foi favorável à categoria. Mantemos o estado de greve porque estamos na eminência da nossa data-base, em agosto, e vamos manter nosso objetivo de garantir nossos direitos, agora no acordo coletivo", explica o diretor de Comunicação do Sindicato dos Trabalhadores da Empresa de Correios e Telégrafos em Pernambuco (SINTECT-PE), Eliomar Macaxeira.

Grande avanço

A diretoria dos Correios classificou o julgamento do TST como um grande avanço. “A decisão ficou distante da nossa proposta inicial, mas é um reconhecimento de que o custeio tem que ser compartilhado e o primeiro passo importante para a sustentabilidade do plano e dos próprios Correios”, avalia o presidente da empresa, Guilherme Campos.

Jurisprudência rasgada

Já para a Federação Nacional dos Trabalhadores do Correios (Fentect), o tribunal rasgou sua jurisprudência e atingiu os trabalhadores, que terão dificuldades de arcar com os custos do plano de saúde. Com o fim da greve, os sindicatos de trabalhadores se manterão mobilizados para fazer a defesa da empresa contra as ameaças de privatização.

“Tenho 20 anos nos Correios e em nenhum momento a empresa precisou de recursos da União para se manter. A presença dela é papel do Estado brasileiro. Correios têm condição de dar lucro, mas passou por ataque do próprio governo violento, que deixou a empresa descapitalizada. É preciso melhorar a gestão e garantir investimentos para que a companhia passe por este momento de crise”, defende José Rivaldo da Silva, secretário-geral da federação.

Privatização

Hoje (13) pela manhã, o ministro de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, afirmou que mesmo com o desfecho dado pelo TST o governo não descarta privatizar a empresa. Ao dar entrevista ao programa Por Dentro do Governo, da TV NBR, Kassab disse: “Ou os Correios diminuem suas despesas ou vão passar por um processo de privatização”.


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por WELLINGTON,14/03/2018

tem que privatizar logo infelizmente essa empresa publica não funciona , não trabalham pra dar lucro e de toda forma vai cair pra cima da população, o bom é ter outras empresas oferecendo o mesmo serviço , a concorrencia sempre é bem vinda.

Por frederico beltrão,14/03/2018

O Brasil já suatenta tanta gente que não quer trabalhar . É uma minoria , mas , sustenta. A maioria realmente precisa dessa ajuda . Bolsa Família (agora vai Bolsa Dignidade - nãosei pra quem) , Bols Escola , etc. Mas os valentes funcionários dos Correios , principalmente os carteiros verdadeiros heróis não . Esses tem que ser penalizados pela roubalheira na Empresa . Ninguém fala mais dos anos e anos de corrupção la´dentro . E não fala também do plano pra entregar os serviços dos Correios para a Fedex e outras Empresas internacionais do ramo . Com querem fazer e vão fazer com a Embraer . Ainda mais com um louco psicopata na Presidência dos EUA .



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva
Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção
Carga horária excessiva, más condições de trabalho, terminais sem estrutura apropriada e os riscos ocupacionais aos quais estão submetidos. O transporte rodoviário está em quarto lugar entre as profissões com mais com comunicações de acidentes de trabalh
#UmaPorUma #UmaPorUma
Existe uma história para contar por trás de cada assassinato de mulher em Pernambuco. Uma por uma, vamos contar todas. Mapear onde as mataram, as motivações do crime, acompanhar a investigação e cobrar a punição dos culpados. Um banco de dados virtual.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM