Jornal do Commercio
Tribunal

Após decisão do TST, trabalhadores dos Correios encerram greve

Segundo a federação da categoria, apenas dois estados ainda terão assembleias nos próximos dias para avaliar a continuidade da paralisação: Rio e SP

Publicado em 13/03/2018, às 20h10

A greve havia sido deflagrada na segunda-feira (12) / Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil
A greve havia sido deflagrada na segunda-feira (12)
Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil
ABr

Em assembleias realizadas nesta terça-feira (13), trabalhadores dos Correios de diversos estados aprovaram o fim da greve deflagrada na segunda-feira (12) e o retorno aos trabalhos a partir desta quarta-feira (14), inclusive em Pernambuco. Segundo a federação da categoria, apenas dois estados ainda terão assembleias nos próximos dias para avaliar a continuidade da paralisação: Rio de Janeiro e São Paulo.

A decisão foi tomada após o Tribunal Superior do Trabalho julgar na segunda-feira (12) o impasse sobre o plano de saúde dos empregados. A direção dos Correios defendia a cobrança de mensalidade dos funcionários e restrição do benefício apenas a estes. Os trabalhadores eram contrários a qualquer mudança no sistema, que garantia seguro-saúde a dependentes (incluindo pai e mãe) com pagamento por procedimento utilizado, e não por parcela fixa mensal.

O item foi o principal impasse da negociação do Acordo Coletivo de Trabalho, tendo sido encaminhado para análise do TST. O tribunal aprovou a proposta do relator do processo, ministro Aloysio Corrêa, prevendo o pagamento de mensalidades variando por idade e remuneração, na modalidade de co-participação na qual os trabalhadores passam a ter que arcar com 30% dos valores e a empresa, com 70%. Já pais e mães serão cobertos pelo plano até o encerramento do ACT em vigor, em julho de 2019.

Em nota, os Correios informaram que na tarde desta terça-feira (13) o TST determinou a manutenção de efetivo mínimo de 80% dos trabalhadores em cada unidade, enquanto durasse o movimento.

Em Pernambuco

Com a decisão, em Pernambuco, a categoria retorna às atividades às 22h desta terça e está, agora, em estado de greve, mantendo a luta pelas reivindicações, que incluem o plano de saúde (Postal Saúde) e a realização de novo concurso público para suprir o quantitativo da mão de obra.



"Entendemos que, nacionalmente, o movimento recuou, já que o julgamento do TST (Tribunal Superior do Trabalho) não foi favorável à categoria. Mantemos o estado de greve porque estamos na eminência da nossa data-base, em agosto, e vamos manter nosso objetivo de garantir nossos direitos, agora no acordo coletivo", explica o diretor de Comunicação do Sindicato dos Trabalhadores da Empresa de Correios e Telégrafos em Pernambuco (SINTECT-PE), Eliomar Macaxeira.

Grande avanço

A diretoria dos Correios classificou o julgamento do TST como um grande avanço. “A decisão ficou distante da nossa proposta inicial, mas é um reconhecimento de que o custeio tem que ser compartilhado e o primeiro passo importante para a sustentabilidade do plano e dos próprios Correios”, avalia o presidente da empresa, Guilherme Campos.

Jurisprudência rasgada

Já para a Federação Nacional dos Trabalhadores do Correios (Fentect), o tribunal rasgou sua jurisprudência e atingiu os trabalhadores, que terão dificuldades de arcar com os custos do plano de saúde. Com o fim da greve, os sindicatos de trabalhadores se manterão mobilizados para fazer a defesa da empresa contra as ameaças de privatização.

“Tenho 20 anos nos Correios e em nenhum momento a empresa precisou de recursos da União para se manter. A presença dela é papel do Estado brasileiro. Correios têm condição de dar lucro, mas passou por ataque do próprio governo violento, que deixou a empresa descapitalizada. É preciso melhorar a gestão e garantir investimentos para que a companhia passe por este momento de crise”, defende José Rivaldo da Silva, secretário-geral da federação.

Privatização

Hoje (13) pela manhã, o ministro de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, afirmou que mesmo com o desfecho dado pelo TST o governo não descarta privatizar a empresa. Ao dar entrevista ao programa Por Dentro do Governo, da TV NBR, Kassab disse: “Ou os Correios diminuem suas despesas ou vão passar por um processo de privatização”.


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por WELLINGTON,14/03/2018

tem que privatizar logo infelizmente essa empresa publica não funciona , não trabalham pra dar lucro e de toda forma vai cair pra cima da população, o bom é ter outras empresas oferecendo o mesmo serviço , a concorrencia sempre é bem vinda.

Por frederico beltrão,14/03/2018

O Brasil já suatenta tanta gente que não quer trabalhar . É uma minoria , mas , sustenta. A maioria realmente precisa dessa ajuda . Bolsa Família (agora vai Bolsa Dignidade - nãosei pra quem) , Bols Escola , etc. Mas os valentes funcionários dos Correios , principalmente os carteiros verdadeiros heróis não . Esses tem que ser penalizados pela roubalheira na Empresa . Ninguém fala mais dos anos e anos de corrupção la´dentro . E não fala também do plano pra entregar os serviços dos Correios para a Fedex e outras Empresas internacionais do ramo . Com querem fazer e vão fazer com a Embraer . Ainda mais com um louco psicopata na Presidência dos EUA .



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM