Jornal do Commercio
EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO

Brasil cai no ranking do comércio global

Brasil foi superado por países como a Malásia, Arábia Saudita e outras economias

Publicado em 13/04/2018, às 09h00

O Brasil é um forte exportador de carnes para outros países / Foto: Agência Brasil
O Brasil é um forte exportador de carnes para outros países
Foto: Agência Brasil
Estadão Conteúdo

O Brasil continua a perder espaço entre os maiores exportadores e importadores do mundo. Dados da Organização Mundial do Comércio (OMC) revelam que, mesmo com um aumento importante de vendas gerado pela recuperação dos preços de commodities, o Brasil caiu da 25.ª para a 26.ª posição em 2017 entre os maiores exportadores do mundo.

Entre os importadores, o País ocupa a 29.ª posição. Em 2016, o Brasil era o 28.º maior comprador e chegou a ser o 21.º em 2013. Agora, a nova posição é a pior desde 2003, quando o Brasil chegou a ser o 30.º maior importador do mundo e com apenas 0,7% do mercado.

Os números revelam que houve uma expansão das exportações nacionais, beneficiadas amplamente pela alta nos preços de commodities. Em volumes, a alta foi de 6,8%. Mas em valores, ele atingiu mais de 17,5%.

A taxa de crescimento das vendas do País ficou bem acima da média mundial, que registrou uma expansão de 10,6% em 2017. No total, o Brasil exportou US$ 218 bilhões. Mas outros cresceram de forma mais intensa e, mesmo com os bons resultados, o Brasil foi superado por Malásia, Arábia Saudita e outras economias. O resultado foi a queda de um posto no ranking dos maiores exportadores.

Em termos de participação no mercado internacional, o Brasil manteve uma fatia de 1,2%, mesma taxa de 2016. Hoje, Polônia, Austrália ou Tailândia exportam mais que o Brasil ao mundo.



O Brasil, que chegou a ser o 22º maior exportador do mundo, previa estar entre os 20 primeiros se a crise não tivesse atingido os preços de sua pauta exportadora a partir de 2011.

Líder

Nesse ranking, a líder é a China, com US$ 2,2 trilhões em vendas em 2017. Os americanos aparecem com US$ 1,54 trilhão, em segundo lugar.

Para 2018 e 2019, as previsões extraoficiais sobre o Brasil apontam que a expansão no volume de bens exportados também perderá força. Para este ano, as estimativas sugerem um crescimento de 5,7%, contra 4,3% em 2019.

O fim da recessão no Brasil permitiu, de fato, que as importações voltassem a aumentar em 2017, depois de três anos de contração nas compras de bens estrangeiros. No ano passado, elas aumentaram em 9,7% em valores, atingindo US$ 157 bilhões. Mas ainda abaixo da pequena economia da República Checa. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


Recomendados para você


Comentários

Por Sávio,13/04/2018

Em breve será o pior país do mundo para viver, em breve até quem recebe bolsa esmola irar pagar imposto de renda. Brasil é um país que cobra taxa de juros mais alta do mundo, é um país que cobra o imposto mais caro do mundo, é um país que tem os maiores corruptos do mundo, é o país que tem mais homicídios do mundo. Está uma beleza o nosso ranking



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Recife em Transformação Recife em Transformação
A cidade e o desafio de traçar o seu futuro
Zika em mil dias Zika em mil dias
Já se passaram quase 2 anos e meio desde que o JC anunciou a explosão de casos de recém-nascidos com microcefalia. Muitas dessas crianças já completaram os seus primeiros mil dias de vida. Famílias e especialistas revelam o que aconteceu nesse período
Logística e inovação Logística e inovação
Você sabe o que é logística? Ela parece invisível, mas está presente no nosso dia a dia, encurtando distâncias. Quando compramos uma maçã no supermercado, muitas vezes não nos damos conta do caminho que percorreu até chegar a nossas mãos

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM