Jornal do Commercio
Moeda americana

Após intervenção do BC, dólar cai 5,59% e fecha cotado a R$ 3,706

Queda do valor do dólar foi o maior desde 24 de novembro de 2008

Publicado em 08/06/2018, às 19h26

Na quinta-feira (7), o dólar chegou perto dos R$ 4 / Foto: AFP
Na quinta-feira (7), o dólar chegou perto dos R$ 4
Foto: AFP
Agência Brasil

A estratégia do Banco Central para acalmar o mercado de câmbio deu certo e o dólar fechou em forte queda nesta sexta-feira (8), de 5,35%, a maior desde 24 de novembro de 2008, ou seja, em meio à crise financeira mundial, período em que a autoridade monetária também atuou forte para conter a pressão no real.

Depois de encostar em quase R$ 4,00 na quinta-feira (7), o maior nível em mais de dois anos, a moeda norte-americana terminou o dia em R$ 3,7050 e zerou as perdas do mês. Na semana, a divisa recuou 1,48%. Mas a trégua desta sexta-feira pode não ser duradoura e especialistas em câmbio alertam que o nervosismo pode voltar na semana que vem, que tem dois eventos importantes: a nova pesquisa eleitoral do Datafolha, que será publicada domingo, e a reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), que começa na terça-feira, 12.

O dólar já abriu a sexta-feira em queda e seguiu assim o dia todo, refletindo a entrevista dada na noite de ontem pelo presidente do BC, Ilan Goldfajn, que voltou a falar hoje em evento em São Paulo. Na entrevista, ele anunciou que a instituição vai colocar mais US$ 24 bilhões no mercado de câmbio até o final da semana que vem por meio de contratos de swap. Além disso, desmentiu boatos de que deixaria o BC ou que haveria uma reunião extraordinária do Comitê de Política Monetária (Copom), além de descartar alta de juros para segurar o real.



Leilão

Hoje, o BC realizou o primeiro leilão extraordinário e injetou ao todo US$ 3,75 bilhões no mercado. "O BC mandou recado muito forte ao mercado. Ilan prometeu ontem e cumpriu hoje", disse o superintendente de câmbio da Correparti, Ricardo Gomes da Silva. Para ele, depois do silêncio nos últimos dias, o presidente da autoridade monetária mostrou "ação firme" e conseguiu, com isso, desmontar posições defensivas que os agentes estavam fazendo até quinta-feira. Com isso, aumentou a pressão vendedora do dólar. Ná máxima do dia, o dólar encostou em R$ 3,86 e na mínima em R$ 3,69. Além do Ilan, hoje à tarde o secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, convocou coletiva à imprensa também para acalmar os investidores, o que ajudou os juros a fecharem em queda.

Apesar da queda hoje do dólar, o analista da Correparti ressalta que a tensão vista nos últimos dias no mercado pode continuar. Mesmo com o discurso do BC, que só nesta semana injetou US$ 10 bilhões em dinheiro novo no mercado, o pano de fundo da cenário no Brasil não mudou. Na economia, bancos voltaram a rebaixar projeções para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do país este ano. Só hoje, Itaú Unibanco, Bradesco e Bank of America Merrill Lynch anunciaram novos cortes. No caso do BofA, a previsão caiu de 2,1% para 1,5%.


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por Cíntia,09/06/2018

Sim ! Sim ! O nosso país é muito poderoso! Conseguiu DOMAR o dólar.....Quá ...quá ..quá... Aguardem o rebote e fujam pras colinas.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM