Jornal do Commercio
MERCADO FINANCEIRO

Ibovespa tem recuperação discreta e fecha em alta de 0,62%

O desalento dos investidores com o cenário doméstico seguiu como principal fator de fraqueza das ações

Publicado em 12/06/2018, às 18h33

Em junho, até essa data, o saldo líquido dos investimentos externos era negativo em R$ 3,155 bilhões. / Foto: PIX1861/ Pixabay
Em junho, até essa data, o saldo líquido dos investimentos externos era negativo em R$ 3,155 bilhões.
Foto: PIX1861/ Pixabay
Estadão Conteúdo
Paula Dias

Depois de cinco quedas consecutivas, com as quais acumulou perda de 8%, o Índice Bovespa exibiu uma discreta melhora e terminou o pregão desta terça-feira, 12, aos 72.754,12 pontos, com alta de 0,62%. O desalento dos investidores com o cenário doméstico seguiu como principal fator de fraqueza das ações, em meio à falta de perspectivas positivas para os cenários econômico e eleitoral. Os negócios somaram R$ 9,6 bilhões, novamente abaixo da média dos últimos dias.

Pela manhã, o Ibovespa pegou carona com a alta das bolsas de Nova York e chegou a registrar máxima de 73.322 pontos (+1,40%). O índice passou a perder fôlego gradativamente e à tarde tocou pontualmente o terreno negativo, quando chegou a cair 0,25% (mínima de 72.124 pontos).

"A Bolsa não anda em boa parte porque o momento é de revisões do cenário econômico, com a possibilidade de as companhias listadas na Bolsa entregarem resultados piores nos próximos trimestres", disse Glauco Legat, analista da Spinelli Corretora. "Com o cenário de incerteza, a aposta do investidor está mais direcionada ao dólar, que hoje voltou a subir, apesar dos leilões do Banco Central", completou o profissional.

Segundo Legat, o investidor começou a colocar na conta o atual quadro de indefinição econômica e eleitoral e se questiona se vale a pena correr o risco de um cenário em que nem mesmo os analistas políticos conseguem avaliar. "Tudo está apontando para um cenário ainda mais difícil, com muitas coisas para acontecer. A Bolsa precisa de um 'trigger' que não estamos vendo", disse.



Ações da Vale

A alta do dia foi garantida em boa parte pelo bom desempenho das ações da Vale, que terminaram o dia com ganho de 1,67%. O papel acompanhou a alta do minério de ferro no mercado à vista chinês e também a notícia de que a empresa concluiu acordos com a Wheaton Precious Metals Corp e com a Cobalt 27 Capital Corp. para a venda de cobalto. Por outro lado, Petrobras ON caiu 0,82% As ações do setor financeiro também operaram em queda, à exceção de Banco do Brasil ON, que subiu 3,85%.

Na última sexta-feira, 8, os investidores estrangeiros retiraram R$ 1,108 bilhão da B3. Em junho, até essa data, o saldo líquido dos investimentos externos era negativo em R$ 3,155 bilhões. Em maio, essas saídas somaram R$ 8,43 bilhões.

"Enquanto o fluxo de investidores estrangeiros não se restabelecer, a Bolsa vai continuar sem defesa. E eles não estão vendo motivo para comprar as ações brasileiras em um momento tão negativo do País, com tantas dificuldades de se prever o que vem à frente", disse um operador de renda variável.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM