Jornal do Commercio
COMPETITIVIDADE

Empreiteiras dão descontos e entram no radar dos tribunais de conta

As empreiteiras envolvidas nos escândalos da Laja Jato são as mais afetadas no período de crise

Publicado em 13/06/2018, às 12h37

Muitas empresas preferem sacrificar os lucros e deixar que as obras cubram apenas os custos fixos, que caíram muito desde o início da crise e da Lava Jato / Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil
Muitas empresas preferem sacrificar os lucros e deixar que as obras cubram apenas os custos fixos, que caíram muito desde o início da crise e da Lava Jato
Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil
Estadão Conteúdo

Sem novos projetos em carteira e caixa limitado para honrar os compromissos assumidos nos tempos de bonança da economia, as empreiteiras adotaram uma estratégia agressiva e arriscada para se manter de pé. Do ano passado para cá, os deságios oferecidos nas licitações de obras públicas têm beirado os 50% - movimento que já acendeu um sinal de alerta nos tribunais de contas da União e dos Estados. A preocupação é que a aparente vantagem competitiva se transforme num amontoado de problemas no futuro, com a paralisação das obras por falta de dinheiro.

A redução dos preços tem sido uma tática tanto das pequenas como das grandes construtoras, que surfaram na onda dos megaempreendimentos de infraestrutura construídos no início da década. Com a crise econômica e aperto fiscal dos governos, os investimentos despencaram e as obras diminuíram, pegando muitas empresas no contrapé, uma vez que elas tinham inchado suas estruturas e se endividado no mercado.

Para as companhias envolvidas na Operação Lava Jato, da Polícia Federal, a situação foi pior. Além da falta de obras, elas tiveram de lidar com a perda de reputação no mercado. Agora, para honrar compromissos, estão tendo de disputar com as empreiteiras menores obras que no passado eram ignoradas pelo tamanho e pelo valor. "Quando uma construtora de grande porte disputa concorrências de menor valor, ela tem a seu favor a capacidade logística já instalada, expertise de trabalho e tecnologias adequadas aos serviços", explica a Camargo Corrêa, que deu lances ousados nas últimas licitações.

A empresa deu desconto de quase 40% para construir a Estação Morumbi do Metrô de São Paulo, com proposta de R$ 107 milhões; 30% nas obras do Sistema de Saneamento Billings, da Sabesp, de R$ 89 milhões; e 44% no corredor de ônibus de Salvador, de R$ 212 milhões. Nesse caso, a construtora justifica que foi responsável pelo projeto básico da obra, o que possibilitou a redução dos custos e melhora da eficiência.

A construtora OAS, em recuperação judicial, também derrubou os preços nas últimas licitações. Na Barragem de Pedreiras, do Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE-SP), a empresa - que não quis comentar o assunto - ofereceu um deságio de 45% e na Barragem Duas Pontes, 38%. O valor das duas obras caiu de R$ 740 milhões para R$ 427 milhões. Na Bacia do Rio Itapanhaú, a proposta da empresa foi 46% inferior ao orçado pela Sabesp, responsável pela obra, que agora custará R$ 90 milhões.

Os exemplos acima são apenas uma amostra do que tem ocorrido no mercado de construção, uma vez que as empreiteiras menores estão no mesmo ritmo das grandes empresas. Mas o que poderia significar elevado grau de competitividade também pode ser um alerta, um risco maior para o empreendimento. "Um desconto de 50% numa obra acende a luz amarela para a fiscalização. Essa obra vai exigir um grau maior de atenção (para que o contrato seja cumprido)", afirma o coordenador geral de Fiscalização de Infraestrutura do Tribunal de Contas da União (TCU), Nicola da Costa.



Com base em auditorias, ele diz que há vários riscos para o Poder Público. Um deles é o chamado superfaturamento de qualidade, em que o contrato prevê materiais de uma determinada qualidade e a empresa vencedora usa outros produtos com qualidade inferior.

"Há também aqueles que apostam nos aditivos para recompor o valor dos contratos", diz o presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE) de São Paulo, Renato Martins Costa. Segundo ele, esse é um mecanismo legal, limitado a 25% do valor do contrato, mas que nos últimos anos foi usado de forma inapropriada. A Camargo Corrêa, em nota, frisou que é contra os aditivos, mas, caso ocorram, precisam ser tecnicamente detalhados e justificados.

Executivos ouvidos pelo jornal O Estado de S. Paulo afirmam que os deságios altos têm surpreendido o setor e tirado muita gente do páreo nas disputas. Antes desse movimento atual, os descontos ficavam na casa entre 10% e 20%, afirma o presidente da Associação dos Empresários de Obras Públicas (Apeop), Carlos Eduardo Lima Jorge.

Reação

Muitas empresas preferem sacrificar os lucros e deixar que as obras cubram apenas os custos fixos, que caíram muito desde o início da crise e da Lava Jato, destacam os advogados Fabio Gil e Daniel Stein, do escritório Barros Pimentel, Alcantara Gil e Rodriguez Advogados. As construtoras também precisam mostrar reação aos bancos para conseguir refinanciar suas dívidas. "Estamos vivendo um período atípico, de ajuste", diz Gil.

Procurados, Sabesp, DER, DAEE e Secretaria de Estado dos Transportes Metropolitanos (STM) afirmaram que seguiram todos os critérios da legislação para declarar os vencedores das licitações. Disseram ainda que acompanham e fiscalizam com rigor as obras. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

 


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM