Jornal do Commercio
COPA DO MUNDO

Copa: estudo diz que Brasil é favorito, com 28,1% de chance de ganhar mundial

Espanha e Alemanha têm, respectivamente, 26,9% e 15,5% de chance de se sagrarem vitoriosas ao fim da Copa

Publicado em 14/06/2018, às 07h00

Para o mundial de 2018, o modelo utilizado pelos economistas foi estimado a partir de uma amostra de cerca de 3.000 jogos entre seleções desde o último mundial / Divulgação/CBF
Para o mundial de 2018, o modelo utilizado pelos economistas foi estimado a partir de uma amostra de cerca de 3.000 jogos entre seleções desde o último mundial
Divulgação/CBF
Da Editoria de Economia

Não se trata de sorte, fé, tampouco uma ‘ajudinha’ do árbitro. O Brasil é o time favorito a levantar o troféu da Copa do Mundo da Rússia, pelo menos de acordo com a análise estatística da consultoria LCA, que desde 2010 reúne uma série de variáveis para analisar o trajeto das possíveis seleções campeãs, desde a primeira fase até o jogo final do mundial. O Brasil está com 71% de chance de vitória num jogo típico contra os chamados “times médios” - que deve acontecer ainda nas primeiras fases - e 28,17% de chance de ser campeão, à frente das seleções da Espanha e Alemanha, que têm, respectivamente, 26,9% e 15,5% de chance de se sagrarem vitoriosas ao fim da Copa.

Para o mundial de 2018, o modelo utilizado pelos economistas foi estimado a partir de uma amostra de cerca de 3.000 jogos entre seleções desde o último mundial, extraída de um universo de aproximadamente 4.500 partidas. A escolha obedeceu à inclusão de todos os jogos oficiais (torneios continentais e partidas eliminatórias) e exclusão dos amistosos que envolveram seleções com menos de 10 jogos, com diferença entre as posições no ranking FIFA superior a 100 pontos, e os jogos que resultaram goleadas com mais de cinco gols. Um indicador chamado ‘Elo Rating’, desenvolvido por um físico húngaro e considerado melhor do que o Ranking FIFA pelo fato de inferir a cada jogo a habilidade de jogadores, ter a parametrização feita agregando pontos aos vitoriosos e subtraindo dos perdedores e ter métrica que define a probabilidade de vitória comparando a diferença entre os escores, também foi utilizado.

“Nos Estados Unidos e na Europa, as análises de jogos já são feitas muito em cima de dados. As estatísticas, para além de descrever o que ocorre nos jogos, são importantes porque nos faz entender coisas que não são óbvias, como o sucesso em termo de vitória com base na qualidade de passes de um um time, por exemplo. Quando a gente diz que o Brasil é o favorito, queremos dizer que num aposta seca, o Brasil é a melhor aposta contra qualquer outro time. Agora, quando levamos em conta todas as outras hipóteses imprevisíveis, como uma ‘zebra’, não dá para dimensionar o que é mais provável. O que a gente faz é separar o que dá para prever do que é imprevisível”, diz o diretor da LCA, Celso Toledo. Nos mundiais de 2010 e 2014 a consultoria conseguiu cravar três dos quatro semifinalistas além do campeão da Copa na África do Sul.



No trajeto até a final, as simulações feitas indicam que as seleções com maior probabilidade de vitória em um confronto hipotético contra o “time médio” ou “representativo” do mundial são Brasil, Alemanha e Espanha, com chance de sucesso de cerca de dois terços. Inglaterra e México são as equipes que mais se aproximam do que o modelo considera ser o time representativo, com chances de vitória próximas de 50%. Ainda na fase de grupo, segundo o estudo, o Brasil está no terceiro conjunto mais difícil. Suíça, Sérvia e Costa Rica, considerados os times médios do grupo, têm 31% de chance de vencerem confrontos contra os demais times médios do campeonato, excluindo as equipes cabeças de chave (Uruguai, Espanha, França, Argentina, Brasil, Alemanha, Inglaterra e Colômbia). As semifinais mais prováveis são Espanha x Alemanha (em 23,5% das simulações) e Brasil x França (em 18,4% das simulações). Se der a lógica, a campanha do Brasil será: México nas oitavas, Bélgica nas quartas, França na semifinal e Espanha na final.

ITAÚ

Considerando a qualidade da equipe, tradição no futebol e o apoio recebido pelo torcedor, a análise do banco Itaú também aponta o Brasil como favorito. A seleção canarinho, segundo estudo, chegará à final para um jogo contra a Alemanha, e  tem 52% de chance de se sagrar campeão.


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por sergio,14/06/2018

Na página principal fala do meme devido a Robbie Williams e quando você clica vem pra essa página, por favor ajeitem isso

Por Maria Isabella Reis,14/06/2018

Desculpa, meu caro, mas O MUNDO ainda liga pra Copa do Mundo sim, afinal em 2026 vão ser três sedes na América do Norte (48 seleções), só pra começar. Em 2022, já tá tudo pronto no Catar pro torneio. Só você que não liga, um grão de areia da praia! aliás, nunca vi tanto mau humor na terra do Futebol, AFFF!!!

Por Higor,14/06/2018

CAIAM NA REAL, NINGUEM LIGA MAIS PRA COPA DO MUNDO, A POLITICA NACIONAL E A SITUAÇÃO DO NOSSO PAIS ESTÁ EM PRIMEIRO LUGAR. O POVO ESTÁ ABRINDO OS OLHOS.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

As Paixões de José Pimentel, o eterno Jesus As Paixões de José Pimentel, o eterno Jesus
O JC preparou um hotsite especial em homenagem ao ator e diretor Jose Pimentel, o eterno Jesus Cristo do teatro pernambucano
Nordeste Renovável Nordeste Renovável
Com a força dos ventos e a incidência solar, o Nordeste desponta como oásis. Não só para o turismo, nem apenas no Litoral. Na geração de energia sustentável está a nova fonte de riqueza da Região, principalmente no interior
Vidas Compartilhadas Vidas Compartilhadas
O JC apresenta o mundo da doação e dos transplantes de órgãos pelas vozes de pessoas que ensinam, mesmo diante das adversidades, a recomeçar a vida quantas vezes for preciso.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM