Jornal do Commercio
BENEFÍCIO

Prazo para saques do Pis/Pasep segue até 30 de junho

Trabalhadores podem sacar entre R$ 78 e R$ 937, dependendo do período trabalhado em 2015

Publicado em 19/06/2017, às 17h19

Para empregados de todo o País estão disponíveis um total de R$ 1,28 bilhão / Foto: Agência Brasil
Para empregados de todo o País estão disponíveis um total de R$ 1,28 bilhão
Foto: Agência Brasil
Da editoria de Economia

Trabalhadores que têm direito a receber o abono salarial Pis/Pasep até o dia 30 de junho para sacar o benefício referente ao ano-base de 2015. Os valores podem variar de R$ 78 a R$ 937, dependendo do tempo dependendo do tempo de trabalho. Para empregados de todo o País estão disponíveis um total de R$ 1,28 bilhão.

Têm direito ao saque os trabalhadores que estão inscritos no PIS/Pasep há pelo menos cinco anos e trabalhou formalmente por pelo menos 30 dias em 2015 com remuneração mensal média de até dois salários mínimos. Também é necessário que seus dados estejam informados corretamente pelo empregador na Relação Anual de Informações Sociais (RAIS).



COMO SACAR

Os trabalhadores do setor privado devem realizar o saque em agências da Caixa Econômica Federal (CEF) e os do setor público no Banco do Brasil. Para retirar o abono, basta utilizar o Cartão Cidadão e senha cadastrada e retirar o valor em um caixa eletrônico da Caixa ou Casas Lotéricas. Quem não possui o cartão deve comparecer à agência bancária com um documento de identificação com foto.

O valor do abono depende do tempo de trabalho com carteira assinada no ano base. Se o beneficiário trabalhou durante os 12 meses, vai receber o valor integral do benefício, no valor de um salário mínimo, R$937 e assim sucessivamente.

Os trabalhadores podem consultar se têm direito ao abono salarial através do site criado pelo Ministério do Trabalho.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM