Jornal do Commercio
Infraestrutura

Entenda a importância da Hemobrás para Pernambuco

Empresa Brasileira de Hemoderivados, localizada em Goiana, Mata Norte de Pernambuco, voltou ao debate político e econômico

Publicado em 12/08/2017, às 16h35

Hemobrás voltou ao centro da polêmica: fica em Pernambuco ou vai para o Paraná? / Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Hemobrás voltou ao centro da polêmica: fica em Pernambuco ou vai para o Paraná?
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
JC Online

Vítima de planejamento falho, alvo de denúncias de corrupção e objeto de investimentos mal realizados durante os governos Luiz Inácio da Silva e Dilma Rousseff (PT), a Empresa Brasileira de Hemoderivados (Hemobrás), localizada em Goiana, voltou ao debate político e econômico. Prevalecendo-se dos erros no projeto da estatal, o atual ministro da Saúde, Ricardo Barros (PP), revelou o interesse de levar a parte mais rentável da empresa para seu reduto político, Maringá (PR). Lideranças de Pernambuco se mobilizaram contra a ideia. No meio desta polêmica, é importante frisar que a Hemobrás, concluída e bem comandada, é de fundamental importância para Pernambuco.

A estatal tem o desafio de gerenciar a rede brasileira de plasma, componente do sangue a partir do qual são produzidos hemoderivados e outros medicamentos importantes para o tratamento de doenças como hemofilia e aids. Permanecendo íntegra, a Hemobrás pode se tornar a âncora para desenvolver o setor no Estado. Daqui, seriam exportados vários medicamentos.

Atualmente, a companhia possui 259 colaboradores e tem folha de pagamento mensal de R$ 2 milhões. Com apenas 70% da fábrica concluída, não é capaz de produzir medicamentos, mas distribui, via SUS, para todo o País.

Após tantos erros na condução do projeto, a Hemobrás corre o risco de ser esvaziada por causa de disputa pela tecnologia e produção do fator VIII recombinante, produto sintético de alta tecnologia e valor agregado.

Atualmente, mesmo funcionando de forma incompleta, fornece albumina, imunoglobina, fatores VIII e XIX, e também do fator VIII sintético, chamado recombinante. Isso é possível por meio de contratos com o laboratório francês LFB e a empresa irlandesa Shire, responsáveis pelos produtos enquanto o repasse da tecnologia não está concluído.

Dentre os prédios já prontos, está o bloco B01. Lá, é armazenado a -35 graus toda bolsa de plasma coletada nos hemocentros do País para uso industrial. Depois, o líquido é enviado para a França, onde é fracionado para gerar os hemoderivados. Já o fator VIII recombinante é obtido por meio de acordo com a Shire, por um preço menor do que o mercado internacional. Atualmente, o Ministério da Saúde investe R$ 1,3 bilhão para obter esses medicamentos.



O projeto estancou por causa da tecnologia. Não fossem tantos obstáculos, a Hemobrás tornaria o País autossuficiente na produção de hemoderivados e demais medicamentos.

“O SUS economizaria profundamente com a produção em Pernambuco e poderia usar os recursos em outras atividades necessárias. O polo de biotecnologia é uma questão do futuro”, afirma o ex-secretário de Saúde do Estado Guilherme Robalinho.

Para terminar as obras, o Ministério da Saúde estima investimento necessário de R$ 600 milhões. Até agora, a planta já recebeu R$ 1 bilhão de recursos públicos. Políticos do PT e PSB foram responsáveis pela indicação dos diretores.

NOVO RISCO

Mas os planos de gerar um grande centro de biotecnologia no Estado podem ser adiados novamente se a Hemobrás optar pela proposta defendida pelo ministro. Ele quer que a suíça Octapharma e o Instituto de Tecnologia do Paraná (TecPar) produzam o fator VIII recombinante em uma nova fábrica no Paraná.

Antes de verbalizar seu desejo, o ministro suspendeu a Parceria para o Desenvolvimento Produtivo (PDP) com a Shire. Uma decisão judicial da 4ª vara do Distrito Federal, porém, anulou a suspensão. A Shire também lançou proposta de investir até US$ 290 milhões para concluir a fábrica em Pernambuco. A polêmica promete.


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por João Santos,13/08/2017

Menino Sérgio, por que não te calas?

Por JOÃO SANTOS,13/08/2017

Menino Sérgio, porque não te calas?

Por Wil,13/08/2017

Zé Pacheco e Savio. Quem apoia bandido é cúmplice da bandidagem.

Por Sávio,13/08/2017

Não voto no PT, mas concordo com Zé Pacheco, do PT só irei votar em Lula e os retantes voto NULO, e se Lula não entrar voto NULO para presidente. Atualmente sou apolítico

Por Sergio,13/08/2017

Se tirar a direção nomeada pelo PT , a maior organização criminosa da história universal, já se terá dado um grande passo para a consolidação dessa indústria !! Enquanto comunistas sebosos nomeados por Lula e Dilma estiverem na direção da empresa tudo que teremos será roubalheira e frustração do objetivo de termos esta indústria em Pernambuco !! Basta ver que a referência desses petralhas é a Venezuela e Cuba, dois países assaltados pela roubalheira dos comunistas, sempre avessos ao trabalho e chegados ao dinheiro alheio !!



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Prêmio ISS Recife Prêmio ISS Recife
Principal item da receita própria dos municípios, o Imposto Sobre Serviços (ISS) entra no cofre das prefeituras tanto para custear despesas quanto para viabilizar investimentos nas cidades.
#ConexãoPelaVida #ConexãoPelaVida
Há quase dois séculos, o Real Hospital Português mantém a sua atenção voltada para o bem-estar dos pacientes. Conheça um pouco mais sobre a instituição médica que aos 162 não para de se modernizar
Agreste Empreendedor Agreste Empreendedor
O Agreste pernambucano é a região que mais cresce em Pernambuco. E, por incrível que pareça, a força motriz que puxou esse desenvolvimento foi o empreendedorismo.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM