Jornal do Commercio
Infraestrutura

Entenda a importância da Hemobrás para Pernambuco

Empresa Brasileira de Hemoderivados, localizada em Goiana, Mata Norte de Pernambuco, voltou ao debate político e econômico

Publicado em 12/08/2017, às 16h35

Hemobrás voltou ao centro da polêmica: fica em Pernambuco ou vai para o Paraná? / Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Hemobrás voltou ao centro da polêmica: fica em Pernambuco ou vai para o Paraná?
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
JC Online

Vítima de planejamento falho, alvo de denúncias de corrupção e objeto de investimentos mal realizados durante os governos Luiz Inácio da Silva e Dilma Rousseff (PT), a Empresa Brasileira de Hemoderivados (Hemobrás), localizada em Goiana, voltou ao debate político e econômico. Prevalecendo-se dos erros no projeto da estatal, o atual ministro da Saúde, Ricardo Barros (PP), revelou o interesse de levar a parte mais rentável da empresa para seu reduto político, Maringá (PR). Lideranças de Pernambuco se mobilizaram contra a ideia. No meio desta polêmica, é importante frisar que a Hemobrás, concluída e bem comandada, é de fundamental importância para Pernambuco.

A estatal tem o desafio de gerenciar a rede brasileira de plasma, componente do sangue a partir do qual são produzidos hemoderivados e outros medicamentos importantes para o tratamento de doenças como hemofilia e aids. Permanecendo íntegra, a Hemobrás pode se tornar a âncora para desenvolver o setor no Estado. Daqui, seriam exportados vários medicamentos.

Atualmente, a companhia possui 259 colaboradores e tem folha de pagamento mensal de R$ 2 milhões. Com apenas 70% da fábrica concluída, não é capaz de produzir medicamentos, mas distribui, via SUS, para todo o País.

Após tantos erros na condução do projeto, a Hemobrás corre o risco de ser esvaziada por causa de disputa pela tecnologia e produção do fator VIII recombinante, produto sintético de alta tecnologia e valor agregado.

Atualmente, mesmo funcionando de forma incompleta, fornece albumina, imunoglobina, fatores VIII e XIX, e também do fator VIII sintético, chamado recombinante. Isso é possível por meio de contratos com o laboratório francês LFB e a empresa irlandesa Shire, responsáveis pelos produtos enquanto o repasse da tecnologia não está concluído.

Dentre os prédios já prontos, está o bloco B01. Lá, é armazenado a -35 graus toda bolsa de plasma coletada nos hemocentros do País para uso industrial. Depois, o líquido é enviado para a França, onde é fracionado para gerar os hemoderivados. Já o fator VIII recombinante é obtido por meio de acordo com a Shire, por um preço menor do que o mercado internacional. Atualmente, o Ministério da Saúde investe R$ 1,3 bilhão para obter esses medicamentos.



O projeto estancou por causa da tecnologia. Não fossem tantos obstáculos, a Hemobrás tornaria o País autossuficiente na produção de hemoderivados e demais medicamentos.

“O SUS economizaria profundamente com a produção em Pernambuco e poderia usar os recursos em outras atividades necessárias. O polo de biotecnologia é uma questão do futuro”, afirma o ex-secretário de Saúde do Estado Guilherme Robalinho.

Para terminar as obras, o Ministério da Saúde estima investimento necessário de R$ 600 milhões. Até agora, a planta já recebeu R$ 1 bilhão de recursos públicos. Políticos do PT e PSB foram responsáveis pela indicação dos diretores.

NOVO RISCO

Mas os planos de gerar um grande centro de biotecnologia no Estado podem ser adiados novamente se a Hemobrás optar pela proposta defendida pelo ministro. Ele quer que a suíça Octapharma e o Instituto de Tecnologia do Paraná (TecPar) produzam o fator VIII recombinante em uma nova fábrica no Paraná.

Antes de verbalizar seu desejo, o ministro suspendeu a Parceria para o Desenvolvimento Produtivo (PDP) com a Shire. Uma decisão judicial da 4ª vara do Distrito Federal, porém, anulou a suspensão. A Shire também lançou proposta de investir até US$ 290 milhões para concluir a fábrica em Pernambuco. A polêmica promete.


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por João Santos,13/08/2017

Menino Sérgio, por que não te calas?

Por JOÃO SANTOS,13/08/2017

Menino Sérgio, porque não te calas?

Por Wil,13/08/2017

Zé Pacheco e Savio. Quem apoia bandido é cúmplice da bandidagem.

Por Sávio,13/08/2017

Não voto no PT, mas concordo com Zé Pacheco, do PT só irei votar em Lula e os retantes voto NULO, e se Lula não entrar voto NULO para presidente. Atualmente sou apolítico

Por Sergio,13/08/2017

Se tirar a direção nomeada pelo PT , a maior organização criminosa da história universal, já se terá dado um grande passo para a consolidação dessa indústria !! Enquanto comunistas sebosos nomeados por Lula e Dilma estiverem na direção da empresa tudo que teremos será roubalheira e frustração do objetivo de termos esta indústria em Pernambuco !! Basta ver que a referência desses petralhas é a Venezuela e Cuba, dois países assaltados pela roubalheira dos comunistas, sempre avessos ao trabalho e chegados ao dinheiro alheio !!



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM