Jornal do Commercio
Economia Economia

Banco

Lotéricas reduzem valor máximo de boleto

A partir desta terça-feira, limite será de R$ 700 para pagamento que não for da Caixa

Publicado em 05/07/2011, às 10h25

Da Editoria de Economia

Os brasileiros que têm o hábito de pagar as contas nas casas lotéricas devem ficar atentos a uma nova regra anunciada pela Caixa Econômica Federal e que entra em vigor nesta terça-feira. As 11.700 lotéricas de todo o País vão reduzir em 30% o limite de recebimento de boletos emitidos por outras instituições financeiras. A partir de hoje, os estabelecimentos não vão mais aceitar faturas de outros bancos com valor superior a R$ 700. Antes da nova regulamentação, o teto máximo permitido pela Caixa Econômica era de R$ 1.000, valor que permanece para os boletos emitidos pela própria instituição, incluindo os de prestações habitacionais.


Em nota emitida à imprensa, a assessoria de comunicação da CEF diz que se trata-se de uma medida pontual, cujo objetivo é a melhoria do atendimento aos clientes nas casas lotéricas brasileiras. O comunicado diz ainda que a mudança não deverá causar maiores inconvenientes para a população, uma vez que menos de 5% dos pagamentos em boletos por este canal superam o valor máximo determinado. Segundo a assessoria, para informar ao usuário, todas as unidades foram sinalizadas, com avisos sobre o novo limite de pagamento das faturas de outros bancos e sobre o início da validade da nova regra. No entanto, apesar de a Caixa informar sobre a fixação dos cartazes alertando sobre a mudança, nenhuma das lotéricas visitadas ontem pela reportagem do, no Centro do Recife, possuía qualquer material visível, informando as novas regras.


A notícia da redução no valor máximo para pagamentos de boletos de outras instituições surpreendeu o consumidor pernambucano. Muitos não sabiam da mudança nem que as novas regras já entrariam em vigor hoje. Também não aprovaram a iniciativa. O professor George Demetrius declarou que o certo seria a Caixa ter elevado o valor, pois a redução só trará complicações ao usuário. Segundo ele, as lotéricas oferecem maior facilidade ao cidadão, não só por existirem em maior quantidade que as agências bancárias, mas porque têm um horário de funcionamento mais amplo. “Para mim, que tenho um dia corrido, a lotérica é uma ótima solução”, destaca.


A dona de casa Claudenice Ferreira foi outra usuária que não viu com bons olhos a nova regra imposta pela Caixa Econômica Federal. “Muitas vezes temos uma conta alta para pagar e vamos casa lotérica porque é mais perto de casa e mais rápido do que no banco. Agora, não poderemos mais ter essa comodidade. Achei errado”, sentencia Claudenice.
As mudanças, segundo a assessoria da Caixa, não vão significar perda de receitas para os empresários lotéricos, pois a tabela de remuneração de serviços prestados foi reajustada em 14%, justamente para contemplar essas mudanças operacionais. Até ontem, os empresários recebiam R$ 0,44 por boleto de outro banco pago na lotérica, independente de valor. A partir de hoje, o valor repassado será de R$ 0,50. A assessoria informa, ainda, que as novas regras e o aumento foram discutidos com as entidades de representantes do empresariado lotérico.

Palavras-chave


Comentar


nome e-mail
comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

Últimas notícias

Anteriores
Próximos

Fotos do dia

Arrastão do frevo para os resistentes no Bairro do Recife
Foto: Guga Matos/JC Imagem

> JC Imagem

Arrastão do frevo para os resistentes no Bairro do RecifeArrastão do frevo para os resistentes no Bairro do RecifeArrastão do frevo para os resistentes no Bairro do RecifeArrastão do frevo para os resistentes no Bairro do RecifeArrastão do frevo para os resistentes no Bairro do Recife

Ranking do dia

OFERTAS

Especiais JC

100 anos da Medicina 100 anos da Medicina
Especial 100 anos da Medicina aborda o surgimento das escolas médicas em Pernambuco
Novos mercados Novos mercados
Novas exigências do mercado de trabalho sob o impacto das tecnologias da informação
Facebook Twitter RSS Youtube
Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM