Jornal do Commercio
economia economia
  • Tamanho do texto:
  • A-
  • A+

Turismo

Reseva do Paiva agora com imóveis para a classe média

Terceira etapa do empreendimento tem apartamentos cujo metro quadrado custa, em média, R$ 5 mil

Publicado em 27/08/2011, às 10h20

Giovanni Sandes

A luxuosa Reserva do Paiva, conhecida como novo endereço da alta classe pernambucana, deixou de ser um espaço só para ricos. Não que tenha virado popular. Mas abriu espaço para a classe média alta e também para escritórios, lojas e serviços. Instalado no Cabo de Santo Agostinho, o Paiva tenta ganhar vida própria, com moradia, lazer e trabalho. Um dos grandes inconvenientes do complexo, hoje, é a distância de supermercados e serviços, por exemplo.


Os novos apartamentos são uma das frentes da terceira fase do Paiva, complexo turístico e imobiliário de R$ 2,5 bilhões da Odebrecht com os grupos Cornélio Brennand e Ricardo Brennand. Na nova fase, ele terá terá também um conjunto de shopping, empresariais, hotel e centro de convenções.


O primeiro condomínio do Paiva foi o Morada da Península, com 66 mansões e preços de até R$ 4 milhões. Para compensar a distância de lojas e serviços, essa primeira fase nasceu com facilidades como a figura do concierge, profissional que executa tarefas designadas pelos moradores, como fazer compras. Todas as mansões foram entregues ano passado.

A segunda fase do Paiva, o condomínio Vila dos Corais, ainda em obras, também teve preços milionários e serviços exclusivos. Mas a terceira etapa surpreendeu por não trazer apartamentos avaliados em milhões de reais. Na nova fase, o preço de entrada, R$ 533 mil, tem áreas a partir de 112 metros quadrados (m²), na média de endereços como a Avenida Beira-Rio, na Torre. Assim, o metro quadrado pode sair abaixo de R$ 5 mil.


“Os imóveis custam em média R$ 600 mil. Naturalmente, esse valor hoje abrange uma parcela interessante da população”, comenta o diretor de incorporação imobiliária da Odebrecht Realizações, Luís Henrique Valverde.
O novo residencial é o Terraço Laguna, com apartamentos de 112 a 198 m² e preços de até R$ 733 mil. Serão sete torres com oito pavimentos e 24 meses de obras. Segundo Valverde, mesmo na fase das mansões, 45% dos clientes optaram por financiamento. A expectativa é de que o percentual seja maior com os apartamentos.
Ao lado do residencial será erguido o Novo Mundo Empresarial, com hotel, centro de convenções, seis empresariais e o shopping a céu aberto, a grande novidade do Paiva.

“O Novo Mundo Empresarial será um marco de serviços para o morador”, comenta Valverde. Ao final de sua implantação, dentro de mais 13 ou 14 anos, o Paiva terá 48 mil pessoas, entre residentes e trabalhadores.
A terceira etapa é um investimento de R$ 450 milhões.

Palavras-chave

imprima
envie para um amigo
reportar erro

Comentários

Por Luiza,24/05/2012

O Paiva tem uma excelente infraestrutura, porem ao redor dele a pobreza reina, em Barra de Jangada e no resto do Cabo de Sao Agostinho. E so sair do Paiva, que o Terceiro Mundo e visivel. Terrivel, esses sao os nossos politicos, tudo bem que no Paiva o investimento e privado, mas deixar Candeias, Piedade e Barra de Jangada com infraestrutura de pais africano e um absurdo. As calcadas sao verdadeiras lixeiras e isso quando existe uma. Coco de cachorro pra dar e vender no inicio da Presidente Kennedy. Calcadas que sao verdadeiras crateras. Bares de favelados construidos nas calcadas. Mas, fazer o que o povo adora isso e votarmnos apedeutas da vida. Essa e a Sexta Potencia de Araque.

Por Flavio Rodrigues,28/08/2011

Esqueceram de um pequeno detalhe, imaginem quanto nao custa o pedagio(condominio) para se habitar neste pseudo pedaco do Paraiso, cercado de miseria que estao criando no ja desigual Brasil.

Por Joaquim M Guedes,28/08/2011

Enquanto so se fala em desenvolvimento nas Parias do Sul, os Governantes esquecem Maria Farinha em Paulista que só é lembrada no ano eleitoral.

Por Juvenal do PV,28/08/2011

Sem dúvida não e para classe média, mas mesmo assim os novos ricos e os clesse média "faca no pescoço" podem ajudar a desafogar o Recife, migrando para este que será o verdadeiro "MORUMBI" da região metroplitana, coisa que pela próximidade de Suape falicitará muito. Sinto que em mais de 40 anos o poder público não tenha investido em Aldeia um centavo se quer, onde no passado Aldeia era o local apontado para ser o futuro bairro nobre da área metropolitana. Mas Recife sempre cresceu para o alto, investimentos em infraestrutura só agora com toda cidade em estado caótico e mesmo assim as obras se arrastam feito tartaruga. Falam tanto em progresso, mas o viaduto de olinda precisou de mais de 4 anos, E FOI ENTREGUE COM FALHAS NO PISO, É UM ABSURDO!!!!!!!!

Por Arlindo Faria,27/08/2011

Acho ridículo, esse empreendimento, principalmente à natureza, infelizmente, como, afirma Caetano,PODRE PODERES.

Comentar


nome e-mail
comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

Fotos do dia

Sala Europa do Museu do Estado de Pernambuco, com quadros do Barão e Baronesa da Soledade
Foto: Edmar Melo/JC Imagem

> JC Imagem

Sala Europa do Museu do Estado de Pernambuco, com quadros do Barão e Baronesa da SoledadeHarpa de meados do século 19 compõe acervo da Sala Europa do Museu do Estado de PernambucoMuseu do Estado de Pernambuco reabre ao público nesta quinta-feira (18) com acervo do século 19Piano meia cauda de fabricação portuguesa, na Sala Europa do Museu do Estado de PernambucoMesa posta para o chá, remete ao costume inglês, na Sala Europa do Museu do Estado de Pernambuco

Ranking do dia

Especiais JC

Especial Novembro Azul Especial Novembro Azul
Site mostra os riscos do câncer de próstata e a importância da prevenção da doença.
Mapa das eleições 2014 Mapa das eleições 2014
Veja como foi a votação para presidente por Estado
Facebook Twitter RSS Youtube
Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM