Jornal do Commercio
Turismo

Reseva do Paiva agora com imóveis para a classe média

Terceira etapa do empreendimento tem apartamentos cujo metro quadrado custa, em média, R$ 5 mil

Publicado em 27/08/2011, às 10h20

Giovanni Sandes

A luxuosa Reserva do Paiva, conhecida como novo endereço da alta classe pernambucana, deixou de ser um espaço só para ricos. Não que tenha virado popular. Mas abriu espaço para a classe média alta e também para escritórios, lojas e serviços. Instalado no Cabo de Santo Agostinho, o Paiva tenta ganhar vida própria, com moradia, lazer e trabalho. Um dos grandes inconvenientes do complexo, hoje, é a distância de supermercados e serviços, por exemplo.


Os novos apartamentos são uma das frentes da terceira fase do Paiva, complexo turístico e imobiliário de R$ 2,5 bilhões da Odebrecht com os grupos Cornélio Brennand e Ricardo Brennand. Na nova fase, ele terá terá também um conjunto de shopping, empresariais, hotel e centro de convenções.


O primeiro condomínio do Paiva foi o Morada da Península, com 66 mansões e preços de até R$ 4 milhões. Para compensar a distância de lojas e serviços, essa primeira fase nasceu com facilidades como a figura do concierge, profissional que executa tarefas designadas pelos moradores, como fazer compras. Todas as mansões foram entregues ano passado.

A segunda fase do Paiva, o condomínio Vila dos Corais, ainda em obras, também teve preços milionários e serviços exclusivos. Mas a terceira etapa surpreendeu por não trazer apartamentos avaliados em milhões de reais. Na nova fase, o preço de entrada, R$ 533 mil, tem áreas a partir de 112 metros quadrados (m²), na média de endereços como a Avenida Beira-Rio, na Torre. Assim, o metro quadrado pode sair abaixo de R$ 5 mil.


“Os imóveis custam em média R$ 600 mil. Naturalmente, esse valor hoje abrange uma parcela interessante da população”, comenta o diretor de incorporação imobiliária da Odebrecht Realizações, Luís Henrique Valverde.
O novo residencial é o Terraço Laguna, com apartamentos de 112 a 198 m² e preços de até R$ 733 mil. Serão sete torres com oito pavimentos e 24 meses de obras. Segundo Valverde, mesmo na fase das mansões, 45% dos clientes optaram por financiamento. A expectativa é de que o percentual seja maior com os apartamentos.
Ao lado do residencial será erguido o Novo Mundo Empresarial, com hotel, centro de convenções, seis empresariais e o shopping a céu aberto, a grande novidade do Paiva.

“O Novo Mundo Empresarial será um marco de serviços para o morador”, comenta Valverde. Ao final de sua implantação, dentro de mais 13 ou 14 anos, o Paiva terá 48 mil pessoas, entre residentes e trabalhadores.
A terceira etapa é um investimento de R$ 450 milhões.

Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Fascinante África do Sul Fascinante África do Sul
Reportagem especial aborda os atrativos turísticos da África do Sul e as relações econômicas do país com o Brasil
Dossiê das torcidas organizadas Dossiê das torcidas organizadas
Série de reportagens mostra a atuação das torcidas organizadas em Pernambuco a partir de 2001, ano da primeira morte em consequência dos confrontos
Fora dos trilhos Fora dos trilhos
Dez anos depois do início das obras da Transnordestina, o pouco que foi construído está abandonado. Era 'o sonho' de uma ligação férrea entre o litoral e o interior do Nordeste

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2016 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM