Jornal do Commercio
Consumo

Copa 2014 turbina venda de vinhos

Exposição brasileira e ação de marketing ajudam mercado. Destaque é a Lidio Carraro

Publicado em 14/09/2014, às 08h32

Juliano acredita em espaço para crescer. Mas imposto é impeditivo / Sérgio Bernardo/ JC Imagem

Juliano acredita em espaço para crescer. Mas imposto é impeditivo

Sérgio Bernardo/ JC Imagem

Do JC Online

O Mundial 2014, quem diria, turbinou o mercado de vinhos. Especialmente para a vinícola Lidio Carraro, do Rio Grande do Sul, que emplacou o rótulo Faces como vinho oficial da Copa. Como resultado, as vendas cresceram 300% no mercado interno e 400% para o exterior. A Lidio tem um portfólio grande, de 20 rótulos. E o desafio é o mesmo de todo o setor: a elevada carga tributária, que chega a 52% do preço final da bebida.

Diretor comercial da Lidio Carraro, Juliano Carraro conta que em 2007 a empresa foi escolhida para representar o vinho brasileiro nos jogos Pan-Americanos. “Triplicamos as vendas até 2009, quando voltamos ao normal. A Copa teve um efeito maior”, diz. Em 2011, eram 300 mil garrafas. Ano passado, foram 700 mil.

O “sonho” de criar a empresa vem de 1998. Mas a primeira safra da Lidio é de 2002, com a chegada efetiva da marca ao mercado em 2004. Ou seja, são 10 anos de vendas, marcados com o sucesso de marketing do Faces. Juliano avalia que o mercado brasileiro tem muito espaço para crescer. “Mas a carga tributária é um impeditivo”, conta.

Justamente para estimular o consumo da bebida, o Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin), em parceria com a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), promoveu na última terça-feira a terceira etapa do Circuito Brasileiro de Degustação 2014. 

Moacir Mazzarollo, presidente do Ibravin, explica que o Brasil já está entre os melhores produtores de espumante do mundo. Por outro lado, diz, os vinhos nacionais, que eram simples, hoje são bebidas sofisticadas e apreciadas dentro e fora do Brasil. “Há uma imagem histórica do País como importador, mas nosso a qualidade de nosso produto se equipara a qualquer bom vinho do mundo”, afirma.

Em 2013, a venda de vinhos subiu 7% e a de espumantes, 10%. Para 2014, a previsão é de alta de 10% para os vinhos e de 20% para os espumantes.

A média de consumo por pessoa, em um ano, é de 1,8 a 2 litros no Brasil, contra 27 na Argentina, conta Moacir. A questão é a carga tributária, de até 52%, dependendo do produto. Na Europa, é 17% e há países que até subsidiam a produção.

Abaixo, Juliano dá dicas sobre a forma ideal de conservar e consumir a bebida.

 

Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

O Hobbit - 80 anos O Hobbit - 80 anos
Como a maioria dos hobbits, Bilbo Bolseiro leva uma vida tranquila até o dia em que recebe uma missão do mago Gandalf. Acompanhado por um grupo de anões, ele parte numa jornada até a Montanha Solitária para libertar o Reino de Erebor do dragão Smaug
Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM