Jornal do Commercio
Tecnologia

Centro de pesquisa desenvolve projetos de inovação para a indústria

Governo de Pernambuco quer captar uma unidade do Csem para o Estado

Publicado em 30/01/2015, às 10h17

 / Heudes Regis/JC Imagem

Heudes Regis/JC Imagem

Adriana Guarda

BELO HORIZONTE - Na entrada do Centro de Suíço de Eletrônica e Microssistemas (Csem), na capital mineira, um painel com a imagem de uma criança e uma frase curta resumem o trabalho por ali: “Imagine o futuro... Hoje”. No local, uma equipe multidisciplinar e com sotaque de 12 nacionalidades pensa “fora da caixa” para construir as indústrias do futuro. Criado em 2007 em parceria com o Csem suíço, o centro brasileiro é comandado pela gestora de investimentos FIR Capital, com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig). A missão é desenvolver soluções inovadoras para a indústria.

O Csem recebeu R$ 70 milhões na sua implantação, com investimento do governo de Minas Gerais, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e de fundos de investimento. O centro chegou ao Brasil pelas mãos da FIR Capital, precursora em investimento em capital de risco com inovação (venture capital) no Brasil. “Na prática são empresas que vislumbram oportunidades no mercado de tecnologia. Inovações que só vão se concretizar a longo prazo. O Vale do Silício, por exemplo, só se viabilizou graças ao venture capital”, explica o empresário pernambucano e sócio da FIR, Paulo Dalla Nora.

A FIR já tinha atuação no Brasil desde 1999 e seu primeiro grande empreendimento foi a implantação da Biobrás, primeira fábrica de insulina no Brasil e segunda do mundo. Até então, a empresa era comandada pelo fundador Guilherme Emrich. Depois, a FIR decidiu ampliar o espectro de inovação para outros setores, além da tecnologia da saúde e outros sócios encamparam a iniciativa: Andre Emrich, David Travesso Neto, Marcus Regueira, Paulo Dalla Nora Macedo e Tiago Maranhão Alves. Na missão de investir em projetos inovadores, a FIR apostou no Csem.

O site está encravado no bairro Horto, onde está localizada a chamada Cidade da Ciência e do Conhecimento, ancorada pela Fapemig e onde funcionam várias instituições de pesquisa. “Costumo dizer que sofremos uma espécie de ‘acorda neném industrial’, quando os Estados Unidos conseguiu embargar uma venda de supertucanos da Embraer, porque tinha uma tecnologia norte-americana embarcada. Foi aí que o governo de Minas percebeu a importância de desenvolver tecnologia industrial”, lembra o presidente do Csem, Tiago Maranhão Alves (também pernambucano). “Era preciso pensar como business para garantir que os projetos fossem sustentáveis e tivessem impacto econômico”, reforça.

PRODUTOS


Atualmente, a atuação do Csem se divide entre a produção de pacotes de sistemas (nanotecnologia) e de eletrônica orgânica. Trocando em miúdos, o centro entrou numa briga de gente grande, desenvolvendo no Brasil produtos fabricados apenas nos grandes centros tecnológicos mundiais.

Na área de eletrônica orgânica, um projeto-piloto prestes a entrar em escala industrial é a produção de painéis fotovoltaicos a base de polímeros. Um filme impresso muito leve (veja foto) vai revolucionar a geração de energia solar e fazer concorrência às pesadas placas de silício. O produto pode ser usado em fachadas de prédios, em tetos de carros, em mochilas para carregar baterias de notebooks e celulares, em telhados.

Para efeito de comparação, uma placa de silício com três quilos gera um quilowatt de energia solar, enquanto o filme pesa 150 gramas e gera a mesma energia. Isso significa ganho logístico e facilidade na implantação. Interessadas nas inovações tecnológicas, Fiat Chrysler, Votorantim e Medabil estão investindo no projeto do painel orgânico fotovoltaico, cada uma voltada para aplicação em seus negócios.

* A repórter viajou a convite da FIR Capital


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM