Jornal do Commercio
INFRAESTRUTURA

Obras da Ferrovia Transnordestina avançam no sentido do Ceará

Empreendimento deveria ter dois ramais que chegariam, ao mesmo tempo, nos Portos de Suape e de Pecém, próximo a Fortaleza

Publicado em 02/09/2015, às 08h00

As obras da Ferrovia Transnordestina estão avançando mais no lado cearense / Diego Nigro/JC Imagem

As obras da Ferrovia Transnordestina estão avançando mais no lado cearense

Diego Nigro/JC Imagem

Da Editoria de Economia

A crise é a mesma em todo lugar, mas na última sexta-feira, a presidente Dilma Rousseff (PT) começou uma reunião com empresários em Fortaleza, no Ceará, assinando uma ordem de serviço para a construção de 51 quilômetros da Transnordestina que se inserem no trecho Missão Velha-Pecém da Ferrovia, ligando o sertão do Ceará ao litoral daquele Estado. No traçado original, a Transnordestina deveria seguir, simultaneamente, para os portos de Pecém, próximo a capital cearense, e o Porto de Suape. Serão gastos R$ 292 milhões para a implantação dessa parte do empreendimento, segundo informações do Ministério dos Transportes. “As obras estão caminhando mais para o Ceará. Isso é preocupante, porque uma ferrovia interligada à Suape daria um novo ar de esperança ao povo de Pernambuco”, lamenta o secretário estadual da Fazenda, Marcio Stefanni, numa entrevista ao radialista Geraldo Freire da Rádio Jornal. 

O secretário estadual de Desenvolvimento Econômico também argumenta que “é preocupante” as obras estarem avançando mais no trecho cearense e que os relatórios de acompanhamento da obra mostram isso, embora elas estivessem mais adiantadas em Pernambuco até o ano passado. Na eleição presidencial de 2014 algo mudou no cenário político. O então governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), passou para a oposição e o atual governador Paulo Câmara está do mesmo lado. Em fevereiro deste ano, assumiu a presidência da Transnordestina Logística S.A. (TLSA) o ex-governador do Ceará e ex-ministro, Ciro Gomes.

 

JC-ECO0902_TRA01_TRANSNORDESTINA1_WEB

Aos poucos, a opção pelo lado cearense vai se consolidando. A Ferrovia Transnordestina já tem um terminal de cargas em Pecém, o TUP de uso privado da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN). A CSN é a dona da TLSA, uma empresa privada nascida para gerenciar as obras da Transnordestina, uma parte bancada pelo próprio grupo e outra por recursos estatais, como fundos do antigo Finor, financiamentos etc. 

Ao ser questionado sobre as obras não avançarem em Pernambuco, Ciro Gomes resumiu a resposta em praticamente dois grandes itens que são impedimentos e a falta de um terminal privado para receber as cargas da ferrovia em Suape. Na lista dos impedimentos estão: a decisão judicial impedindo a demolição de uma igrejinha em Custódia, uma mudança num dos projetos executivos em que o local a ser cortado pelos trilhos receberá a Barragem Serro Azul (em Palmares), a desapropriação estimada de 1,2 mil famílias numa área antes da ferrovia chegar a Suape, entre outras. 

Já com relação ao terminal privado, Gomes diz ser necessário uma equação para atrair sócios que cheguem a Suape e a empresa precisa levantar R$ 3 bilhões para concluir as obras da Ferrovia. “E para levantar o dinheiro, precisamos de uma definição de um terminal de Suape, que é um porto federal e o governo federal está num momento bom, fazendo tudo com muito agilidade”, afirma. Ele alega que o fato de dizer que a Transnordestina não está vindo para Suape é uma “futrica paroquial” e que está continuando o que já estava licitado quando chegou à empresa.

O secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Thiago Norões, diz que o terminal que vai receber a carga da Transnordestina é um dos que serão licitados pela segunda etapa do Programa de Investimentos em Logística (PIL) previsto para ter o seu leilão de concessão realizado no primeiro semestre de 2016. Ele alega que estão sendo resolvidas as pendências citadas por Gomes.


Comentários

Por Edvardes M.C.Filho,17/12/2016

Queria o povo do Nordeste, e rogo a Deus que esta trans nordestina venha a ser concluída, pois estamos passando um período de seca muito grande e esta obra vinha a ter emprego ao nosso povo sofrido de promessas de Políticos safados, enganadores, larápios que faz da fome um leito de prazer de sua eleição.

Por Jeová Barboza de Lira Cavalcanti,14/11/2016

Como observamos o traçado original do projeto da Transnordestina tem dois segmentos, um deles para o Porto Pecém no Ceará, que será a "menina dos olhos" do novo presidente da Empresa, o ex-Governador do Ceará e ex-Ministro Ciro Gomes, e o outro seguimento a partir de Salgueiro para o porto de Suape, passando por Pesqueira e outras cidades. Assim sendo, gostaria de fazer uma sugestão, mesmo sendo leigo no assunto, isto porque não sou engenheiro civil nem arquiteto, mas nós já temos a ferrovia Tronco Centro que liga Recife a Salgueiro, cuja estação naquela cidade sertaneja fica a 2 km do canteiro de obras. Pergunto: por que não se aproveita esse trecho que já temos e o utilizemos para a execução das obras dessa parte do traçado? Haveria uma economia imensa visto que não existiria despesas com indenizações por desapropriações - o leito já é objeto da concessão à Transnordestina, no processo de privatização do Governo FHC, em 31/12/1997, muito embora atualmente esteja abandonado. Far-se-iam os ajustes necessários em terraplenagem e britamento para substituição dos dormentes para bitola larga (1,60m), reparos nos 14 túneis, nas pontes e viadutos da Serra das Russas, atingir-se-ia Jaboatão dos Guararapes e daí construir-se-ia um ramal para conecção com a linha Sul com destino ao Cabo de Santo Agostinho, daí alongando-se até SUAPE. Isso iria fazer com que o transporte de nossas riquezas fosse implementado por uma ferrovia de rara beleza e o transporte de passageiros poderia voltar a ser reativado, aproveitando-se principalmente as épocas de alta das estações turísticas das sub regiões , ou seja Agreste(Carnaval, São João, Festival de Inverno) e Sertão, principalmente os jogos do Salgueiro. É um caso a ser analisado e posto em prática, pois é plenamente justificável. Um grade abraço. Jeová Barboza - Timbaúba (PE)

Por dergimilson,16/09/2015

Continua Paulo Câmara na oposição ao governo Dilma que, tudo o que foi conquistado no governo Lula irá falindo aos poucos um por um como as indústrias na década de 70/80. E voltaremos a ser o que éramos, cheios de honras e bravatas, mais pobres.

Por josé,02/09/2015

Pernambuco não tem governador e esse atraso nada tem haver com pt...é incompetência do boneco mesmo...

Por UZERLANDIO PASSOS,02/09/2015

Aparecem problemas em todos projetos que trazem progresso e desenvolvimento para o Recife e o interior do estado de Pernambuco. Esta acontecendo com a Transnordestina, com esquecida Cidade da Copa, com o projeto do Cais Estelita, com aquele hotel de 44 pavimentos que seria construido em Brasilia Teimosa, e muitos outros. Ou estado de futuro bisonho. rsrsrsrs



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC recall de marcas 2017 JC recall de marcas 2017
Conheça o ranking das marcas que têm conseguido se manter no topo da preferência dos pernambucanos. O rol é resultado de uma pesquisa realizada pelo Instituto Harrop, há duas décadas parceiro do Jornal do Commercio na realização da premiação
10 anos do IJCPM 10 anos do IJCPM
O Instituto João Carlos Paes Mendonça de Compromisso Social (IJCPM) comemora 10 anos de história, contribuindo para transformar a vida de jovens de comunidades com histórico de desigualdade social nas cidades de Recife, Salvador, Fortaleza e Aracaju
Chapecoense: um ano de saudade Chapecoense: um ano de saudade
Um ano de saudade. Foi isso que restou. A maior tragédia do esporte mundial, no dia 29 de novembro de 2016, quando houve o acidente aéreo com a delegação da Chapecoense, em Medellín, na Colômbia, fez 71 vítimas. Entre elas, dois pernambucanos

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM