Jornal do Commercio
Emprego

Pernambuco tem maior redução de postos de trabalho do Nordeste

Término das obras da Rnest, Operação Lava Jato e desaquecimento da construção foram principais fatores

Publicado em 16/12/2015, às 08h41

?O País precisa primeiro resolver o problema político para equacionar a crise econômica

?O País precisa primeiro resolver o problema político para equacionar a crise econômica", diz Jatobá

Foto: Ricardo B. Labastier/ JC Imagem

Do JC Online

Entre os Estados do Nordeste, Pernambuco foi o que apresentou maior número de vagas de trabalho fechadas nos dez primeiros meses deste ano. Foram 70.999 postos de trabalho a menos, segundo os dados do Cadastro Geral do Empregados e Desempregados (Caged). “O Nordeste responde por 21,3% da queima (saldo negativo acumulado) de postos de trabalho no País. Pernambuco sozinho participou com 9% desses postos com relação ao Brasil e com 40,7% dos empregos que deixaram de existir na região”, afirma o economista sócio da Ceplan Consultoria, Jorge Jatobá. No mesmo período, foram fechados 18.942 postos de trabalho no Ceará e 50.247 na Bahia.

Segundo Jatobá, o fechamento desses postos de trabalho no Estado ocorreram devido à desmobilização de Suape – com o término das obras da Refinaria Abreu e Lima (Rnest) e o postergamento da implantação da segunda linha de produção do empreendimento –, a “Operação Lava Jato que pegou mais forte aqui” e a queda de 30% no estoque de emprego da construção civil, quando se compara outubro último com o mesmo mês de 2014, de acordo com o Caged. “Nesse último percentual também entra a retração do setor imobiliário”, acrescenta. A Lava Jato revelou um esquema de corrupção envolvendo empresários, políticos e diretores da Petrobras. Isso atrapalhou as encomendas locais do setor naval, o que provocou mais desemprego. 

O economista concedeu uma palestra na terça-feira (15) no Business Round Up, evento da Câmara Americana de Comércio (Amcham) Recife em parceria com Ceplan Consultoria no Pina. Durante o evento, a Ceplan lançou a XVIII edição da Análise Ceplan, um estudo de conjuntura econômica do Nordeste e do Brasil em 2015 com projeções para 2016.

“O País precisa primeiro resolver o problema político para equacionar a crise econômica, a maior recessão sem paralelo desde os anos 30”, diz. Ele afirma que ocorrerá uma retração de 3,5% do Produto Interno Bruto (PIB) do País este ano, uma queda de 2% da economia brasileira em 2016 e uma retomada do crescimento em 2017. Ele afirma que a inflação e os juros devem ser menores em 2016.

O economista argumenta que houve um esgotamento do crescimento baseado no consumo das famílias. “É necessário criar um ambiente favorável aos investimentos”, diz, acrescentando que depois que for resolvido o problema político o País deverá ter um ajuste fiscal “crível e viável, gerando poupança para pagar os juros da dívida”. O ajuste fiscal é quando o governo se adequa para gastar menos e, geralmente, arrecadar mais.

“No segundo trimestre de 2015, nenhum Estado do Nordeste ficou de fora da recessão. Pernambuco decaiu menos do que a média do Brasil”, afirma. No primeiro semestre deste ano, o PIB do País caiu -2,1% a preços de mercado (sem a correção da inflação) e o do Estado, -1,1%, comparando com o mesmo período de 2014. A Ceplan não fez projeção do PIB do Estado para 2016. 




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

O Mundo de Rafa O Mundo de Rafa
Rafael foi diagnosticado com síndrome de Asperger apenas aos 11 anos. Seus desenhos contam pedaços muito importantes da sua história. Exprimem momentos de alegria, de comemoração e também de desabafo, de dor
Gastos dos parlamentares pernambucanos Gastos dos parlamentares pernambucanos
Os deputados federais da bancada pernambucana gastaram, no 1º semestre deste ano, R$ 5,1 milhões em verbas de cotas parlamentares. Já os senadores gastaram R$ 692 mil. Os dados foram coletados com base no portal da transparência da Câmara e do Senado
Um metrô ainda renegado Um metrô ainda renegado
São 32 anos de operação e uma eterna luta por sobrevivência. Esse é o metrô do Recife

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM