Jornal do Commercio
ALIMENTO

Preço do feijão carioca começa a ceder

FGV aponta que o aumento do preço começa a desacelerar. Em Jaboatão, é possível encontrar o produto por R$ 10

Publicado em 19/07/2016, às 07h30

Expectativa é de que o preço melhore em agosto deste ano. / Foto: Pedro Reveillon/Palácio Piratini
Expectativa é de que o preço melhore em agosto deste ano.
Foto: Pedro Reveillon/Palácio Piratini
Da Editoria de Economia

Depois de atingir picos de R$ 16, o preço do feijão carioca está caindo a passos lentos. O consumidor ainda não sentiu o alívio na cesta básica, mas, segundo a Fundação Getúlio Vargas, está ocorrendo um processo de desaceleração no preço do produto. A pesquisa Índice de Preços ao Consumidor (IPC) aponta que o aumento passou de 47,37%, na primeira semana deste mês, para 42,12%, na segunda semana. A expectativa é de que a situação melhore em agosto deste ano, quando a Bahia inicia a colheita. Porém, a regularização dos preços só deve ocorrer ano que vem, afirmam produtores. 

Em alguns supermercados do Recife, os preços variam entre R$ 10,38 e R$ 16. No bairro de Prazeres, em Jaboatão dos Guararapes, no Grande Recife, é possível encontrar o produto por R$ 9,98. Para o consumidor, ainda está caro. “Percebi que está baixando lentamente. Antes, todas as marcas estavam com o preço igual, na faixa dos R$ 13 a R$ 16. Tenho pesquisado nos supermercados, mas ainda não vale a pena comprar o carioca”, diz o cozinheiro Jeferson Paixão, 33 anos. 

Uma das explicações para a leve melhora nos preços é o clima. No primeiro semestre, a seca nos principais Estados produtores – Mato Grosso, Goiás e Minas Gerais – causou a queda da oferta. No início deste mês, novas safras entraram no mercado. Um reflexo disso é que o preço ao produtor caiu 30% nas últimas duas semanas. “O clima melhorou um pouco. A nossa grande expectativa é em relação a agosto. Se nenhum imprevisto acontecer, a safra da Bahia vai abastecer o Nordeste. O consumidor pode voltar a pagar entre R$ 8 e R$ 10”, explica o empresário Railson Benjamim, da Oasis Alimentos, grupo responsável pela marca Feijão Turquesa.

Outro fator que pesa sobre o valor é a suspensão da alíquota de importação, que permite ao Brasil importar mais vezes feijão preto dos Estados Unidos e China. Segundo o presidente do Instituto Brasileiro de Feijão e Pulses (Ibrafe), Marcelo Lüders, a ampla oferta do feijão preto diminui a demanda pelo carioca, o que reflete no preço final ao consumidor. Porém, a situação só será regularizada em 2017. “Ainda não podemos mensurar o efeito da suspensão da alíquota, mas é positivo. Em agosto, o valor final deve cair mais. Porém, corremos risco de sofrer aumento no segundo semestre, porque plantamos menos em relação aos outros anos. Com a produção de janeiro a fevereiro, a oferta deve aumentar”, comenta. 

Recomendados para você


Comentários

Por joaquim godoy,19/07/2016

O negocio e o seguinte , com precos altos do feijao vamos apelar para o feijao preto, em meio pacote do mesmo coloque um pedacinho de baicon e voce vai ver que fica ate melhor que nosso feijaozinho sagrado , deixem que os atravessadores deglutem este feijao que esta com o preco no olho da cara, se ninguem comprar o preco vai abaixar

Por Luis Carlos Araújo,19/07/2016

Mais o P.T. ficou com as portas abertas en Cuba///Venezuela e outras tribos. sâo uns cafagestes, e ainda querem seguir mandando no BRASIL,é muinta cara de pau,mesmo.

Por Eunice Reis Lemes Coutinho,19/07/2016

Concordo plenamente . Incompetência , fez o feijão subir como nunca no País.

Por José,19/07/2016

Está no facebook para quem quiser ver pacotes de nosso feijão regulador com as Bandeiras do Brasil e de Cuba, onde se le " feijão doado pelo governo do Brasil e Distribuído pelo governo de Cuba ", então precisa falar porque estamos pagando o feijão a preço de ouro.

Por celso moraes,19/07/2016

ontem paguei 8,50 no maklo de marilia pelo feijão carioca, e já acabando



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva
Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção
Carga horária excessiva, más condições de trabalho, terminais sem estrutura apropriada e os riscos ocupacionais aos quais estão submetidos. O transporte rodoviário está em quarto lugar entre as profissões com mais com comunicações de acidentes de trabalh
#UmaPorUma #UmaPorUma
Existe uma história para contar por trás de cada assassinato de mulher em Pernambuco. Uma por uma, vamos contar todas. Mapear onde as mataram, as motivações do crime, acompanhar a investigação e cobrar a punição dos culpados. Um banco de dados virtual.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM