Jornal do Commercio
Moeda virtual

Bitcoin começa a ser aceito como pagamento por empresas pernambucanas

A moeda pode ser usada para pagar restaurante e até escritório de advocaia

Publicado em 14/08/2016, às 08h42

A advogada Fernanda Maranhão decidiu aceitar honorários em bitcoins por conta da clientela repleta de empresas tecnológicas / Foto: Guga Matos/ JC Imagem
A advogada Fernanda Maranhão decidiu aceitar honorários em bitcoins por conta da clientela repleta de empresas tecnológicas
Foto: Guga Matos/ JC Imagem
Da editoria de Economia

Queridinha de investidores em todo o mundo, a moeda virtual bitcoin começa a conquistar empresários pernambucanos. Empresas de diferentes ramos – não apenas as ligadas a tecnologia – começaram a aceitar neste ano pagamentos através desse tipo de dinheiro. As vantagens são muitas, desde a facilidade de atender clientes de diferentes países sem precisar realizar nenhuma conversão até a tendência de valorização a longo prazo. Para se ter uma ideia, uma unidade de bitcoin vale atualmente pouco mais de R$ 1.860. Ao longo de 2015 sua valorização foi de 92%.

O restaurante La Douane, por exemplo, decidiu apostar nessa tendência e há quatro meses aceita pagamentos com a moeda virtual, que atualmente representa de 5% a 8% do faturamento mensal. “A expectativa é que esse percentual vá aumentando aos poucos, já que turistas estão priorizando cada vez mais lugares que aceitem a moeda, que facilita a viagem”, explica Emílio Macedo, sócio do restaurante.

O local funciona no Paço Alfândega, no bairro do Recife, e, por isso, a ideia é atrair tanto os turistas que visitam a cidade quanto o público que trabalha no Porto Digital. Para pagar a conta, o cliente pode usar o cartão fidelidade do restaurante ou cartões de crédito carregados com a moeda.

A proximidade com o polo tecnológico também foi o estímulo para o escritório de advocacia Cavalcanti Costa Maranhão passar a aceitar o pagamento de honorários em bitcoins. 

“Somos um escritório que atende a muitas empresas da área tecnológica. Estudamos muito o assunto, estamos avançando no estudo da natureza jurídica dessa moeda, então nada mais natural e coerente que aceitá-la como pagamento”, afirma a advogada sócia do escritório, Fernanda Maranhão.

A quantidade de empresas que aceitam a moeda em Pernambuco, no entanto, ainda é pequena na opinião do sócio da Tempest (empresa de segurança da informação) Marco Carnut. “Em São Paulo são inúmeras empresas que trabalham com bitcoins e recentemente Aracaju se destacou na mídia por ter pelo menos 50 empresas que aceitam a moeda. Considerando que temos uma estrutura como o Porto Digital na cidade, onde as pessoas gostam de dizer que são de vanguarda, deveríamos ter um número muito maior de empresas trabalhando com isso”, critica Carnut.

Receio

Para ele, os motivos que podem atrapalhar uma maior adesão empresarial no estado são o medo e o desconhecimento desse tipo de dinheiro. Por outro lado, ele garante que há grande interesse. “Todo evento que acontece aqui sobre o assunto acaba lotando”, diz.

Muito do receio das pessoas em apostar na moeda vem do fato de ela não pertencer a nenhum país e não ser emitida por nenhuma instituição de governo. A Receita Federal, no entanto, já a reconhece e aplicações feitas com bitcoins precisam ser declaradas. “O bitcoin vai ser no futuro o que a internet é hoje e as pessoas vão falar com muita desenvoltura sobre o assunto”, aposta Carnut.

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC recall de marcas 2017 JC recall de marcas 2017
Conheça o ranking das marcas que têm conseguido se manter no topo da preferência dos pernambucanos. O rol é resultado de uma pesquisa realizada pelo Instituto Harrop, há duas décadas parceiro do Jornal do Commercio na realização da premiação
10 anos do IJCPM 10 anos do IJCPM
O Instituto João Carlos Paes Mendonça de Compromisso Social (IJCPM) comemora 10 anos de história, contribuindo para transformar a vida de jovens de comunidades com histórico de desigualdade social nas cidades de Recife, Salvador, Fortaleza e Aracaju
Chapecoense: um ano de saudade Chapecoense: um ano de saudade
Um ano de saudade. Foi isso que restou. A maior tragédia do esporte mundial, no dia 29 de novembro de 2016, quando houve o acidente aéreo com a delegação da Chapecoense, em Medellín, na Colômbia, fez 71 vítimas. Entre elas, dois pernambucanos

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM