Jornal do Commercio
Comércio internacional

Ampliação do Canal do Panamá muda desenho do comércio mundial

Inaugurada em junho, ampliação permite a passagem de embarcações maiores

Publicado em 11/09/2016, às 07h00

Entre 35 e 40 navios passam todos os dias pelo Canal do Panamá / Divulgação
Entre 35 e 40 navios passam todos os dias pelo Canal do Panamá
Divulgação
Adriana Guarda

CIDADE DO PANAMÁ – Uma multidão estava lá. Os relógios panamenhos marcavam 7h45 (9h45 em Brasília) quando o navio chinês Cosco Shipping Panama inaugurou a travessia da ampliação do Canal do Panamá. A embarcação entrou pelo lado do Atlântico e saiu no Pacífico, na tarde daquele domingo (26/6/16). A data marca o início do redesenho do comércio marítimo mundial. Com capacidade para receber navios maiores, o Canal vai encurtar distâncias, diminuir o tempo de transporte de cargas e reduzir o custo para os armadores (empresas donas dos navios). As oportunidades também se abrem para os portos mundiais e o Brasil está atento. O Complexo de Suape é um dos interessados em adaptar sua infraestrutura para receber navios maiores e se transformar num porto concentrador de cargas.

A ampliação do Canal demorou nove anos e custou US$ 5,25 bilhões. Foram construídas duas eclusas (espécie de elevador de água para os barcos): Água Clara e Cocolí, que se juntaram as já existentes (Miraflores, Pedro Miguel e Gatún). As novas têm 55 metros de largura, permitindo a passagem de navios com até 366 metros de comprimento e 13 mil toneladas de capacidade. As eclusas antigas tinham 33 metros de largura e só permitiam a passagem de navios com até 294 metros e 5 mil toneladas.

COMPETITIVIDADE

“Isso significa economia para os armadores, porque antes era necessário realizar várias viagens em embarcações menores. Agora são usados os barcos gigantes neo panamax, uma mudança histórica de patamar no comércio mundial para as mercadorias que precisam passar por essas rotas. Além de possibilitar novos tipos de cargas, a exemplo do gás liquefeito de petróleo”, observa Carlos Ortega, guia do Canal do Panamá no centro de observação de Água Clara.




Hoje as principais embarcações que passam pelo Canal são as de contêiner, graneleiros, tanques e refrigerados. Os Estados Unidos e a China são os maiores clientes. O diretor­executivo da MC Log Projetos e Consultoria, Marcilio Cunha, diz que alguns armadores poderão encurtar caminho para as Américas, antes feito pelo Canal de Suez (no Egito). “É uma economia significativa de dinheiro e de tempo de navegação. O Brasil poderá se beneficiar com o transporte de grãos, por exemplo. Mas os portos nacionais precisam investir em infraestrutura, apostando na adaptação dos portos para receber embarcações maiores e na construção de novos terminais”, diz.

Para o Panamá, o Canal significa sua consolidação e ampliação de fatia no comércio mundial, que hoje é de 4%. “A soberania do canal é nossa, após 85 anos de administração dos EUA. Em 2006, 75% da população votou sim no referendo que discutiu a ampliação do Canal”, recorda Javier Pimentel, guia do Canal em Miraflores.

* A repórter viajou a convite da Copa Airlines


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas


jc-ECO0911_PANAMA-web

Recomendados para você


Comentários

Por Jorge Pereira,11/09/2016

esta matéria carrega erros no texto, exemplo: a informação de que os navios poderão carregar 13 mil toneladas está totalmente errado, são navios classe neopanamax que aumentaram a sua carga de de cinco mil para 13 mil contêineres e não toneladas, assim como a velocidade media de travessia não de 80 km/h, 80 km é um pouco mais do trajeto total.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva
Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção
Carga horária excessiva, más condições de trabalho, terminais sem estrutura apropriada e os riscos ocupacionais aos quais estão submetidos. O transporte rodoviário está em quarto lugar entre as profissões com mais com comunicações de acidentes de trabalh
#UmaPorUma #UmaPorUma
Existe uma história para contar por trás de cada assassinato de mulher em Pernambuco. Uma por uma, vamos contar todas. Mapear onde as mataram, as motivações do crime, acompanhar a investigação e cobrar a punição dos culpados. Um banco de dados virtual.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM