Jornal do Commercio
NEGÓCIOS

Catamaran Tours completa 20 anos com a cara do Recife

Hoje, a Catamaran Tours é a principal empresa de passeios de barco pelos rios da capital pernambucana

Publicado em 04/12/2016, às 07h21

O passeio de barco é uma das três atividades da empresa / Foto: André Nery/JC Imagem
O passeio de barco é uma das três atividades da empresa
Foto: André Nery/JC Imagem
Luiza Freitas
lfreitas@jc.com.br

Muitas foram as mudanças vistas a partir dos catamarãs da família Britto. Há 20 anos, a paixão de um engenheiro pelo mar tomou um novo rumo e deu à capital pernambucana um dos mais simbólicos investimentos em turismo que perdura até hoje. A Catamaran Tours – principal empresa de passeios de barco pelos rios da cidade – conta atualmente com seis roteiros dentro da cidade e outros três em praias próximas, realizadas em 12 embarcações que chegam a transportar 15 mil pessoas por mês.

Os números representam o sucesso no enfrentamento à crise em pleno ano de aniversário da empresa. Após o Carnaval deste ano, o faturamento foi reduzido à metade em comparação ao mesmo período de 2015. “A gente decidiu, então, inovar. Criamos um produto novo, o Catamaran Assombrado, pensado para durar até julho, mas acabou se tornando um roteiro fixo, todos os sábados à noite”, diz a diretora da empresa, Juliana Britto, 40 anos. 

O lançamento desse e de mais dois outros roteiros junto a ajustes administrativos já fizeram a empresa retomar cerca de 20% do movimento perdido. O passeio de barco é um dos três segmentos da empresa – que ainda trabalha no ramo de eventos e de restaurante – e representa atualmente mais da metade de sua receita. A fórmula para a recuperação foi olhar novamente para as origens, focando no transporte por catamarã.

Tudo começou com a paixão de Júlio Britto pelo mar. Em 1988 construiu uma pousada familiar na praia de Nova Cruz, Litoral Norte de Pernambuco e poucos anos depois decidiu oferecer como diferencial aos hóspedes passeios de catamarã. Até que em 1996 o serviço foi transferido para o Recife, partindo da Praça do Marco Zero, com a proposta de conhecer a cidade a partir de um ângulo diferente, em um restaurante flutuante durante a noite.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

Na época, o negócio da família ganhou força com a revitalização da área do Recife Antigo, com o funcionamento de muitos bares e projetos de lazer que movimentavam as ruas do bairro. Era a transição entre as gestões municipais de Jarbas Vasconcelos e Roberto Magalhães. Mesmo assim, a relação com o rio ainda era negativa e os passeios eram vistos com desconfiança pelos próprios recifenses.

“Muita gente dizia ‘Deus me livre navegar nessa coisa suja’. Havia uma resistência. Mas quanto mais uma pessoa dizia isso, mais a gente segurava pela mão e ia mostrar o passeio. Houve uma mudança no comportamento do próprio recifense, que hoje acha o rio lindo e gosta de passear de barco”, relata Juliana. 

Ela e toda a família trabalhavam no barco: os irmãos operavam o barco, o pai administrava, a mãe cantava e tocava violão. Todos moravam em Maria Farinha, onde o único catamarã ficava à serviço dos hóspedes. Nas noites de quinta-feira a sábado partiam ao fim da tarde para o Recife, oferecer a novidade aos que passeavam.

“A gente fazia tudo na cara e na coragem. Eu ia tocando violão, cantando MPB, músicas que não saem de moda. E a gente ia navegando pela Bacia do Pina”, lembra a viúva de Júlio, Solange Britto, 66. O lugar é até hoje o mais simbólico para ela, que continua trabalhando na empresa como guia turística. Em comemoração aos 20 anos, o roteiro foi retomado, também com música e serviço de bar.

O engenheiro faleceu no ano de 2000, pouco depois da aquisição do terreno próximo ao Forte das Cinco Pontas, no bairro de São José. Foi também o início do fim do período de “auge”, segundo a família, mas o negócio resistiu firme ao abandono do centro histórico da cidade e hoje resiste à crise econômica. 

RIO

A empresa está bem atenta ao futuro e não para de pensar em novos projetos. A próxima novidade é o catamarã climatizado, que começará a ser testado em breve. Preços e tipo de serviço ainda serão definidos a partir do desempenho da embarcação nas águas recifenses, mas a ideia é usá-lo para festas e roteiros diferenciados. 

Mas o sonho mesmo da família é um dia tornar os rios da cidade uma atração nos padrões de cidades turísticas que exploram bastante passeios de barco como Buenos Aires, na Argentina, e Paris, na França. As duas cidades exploram seus rios oferecendo serviços variados que encantam e atraem turistas de todo o mundo. 

“Recife já é conhecida como a Veneza Brasileira, então ter um serviço desse tipo com segurança e qualidade é muito importante para o turismo da cidade como um todo”, afirma o presidente da Associação Brasileira de Agências de Viagens de Pernambuco (Abav-PE), Marcos Teixeira. 

Ele pondera ainda que a capital pernambucana tem uma demanda turística principalmente focada em negócios, o que demonstra ainda mais a relevância do serviço prestado pela empresa. “É, realmente, um case de sucesso, eles estão no caminho certo”, conclui Teixeira.

Mas os planos da família ainda esbarram em problemas que estão além de sua essência desbravadora e empreendedora. O projeto de navegabilidade do Rio Capibaribe, por exemplo, poderia iniciar um novo capítulo tanto para o negócio familiar quanto para a possibilidade de surgimento de outras empresas. 

“A navegabilidade ajudaria a cidade como um todo. É uma coisa diferente da que oferecemos, não é turismo. Seria um transporte turístico, onde as pessoas poderiam contemplar a cidade enquanto se deslocam”, comenta um dos irmãos à frente da Catamaran Tours, Marcos Britto.

O projeto em questão, inicialmente orçado em R$ 289 milhões e financiado pelo Ministério das Cidades, está parado há mais de um ano. A obra iniciada em 2012 previa a construção de cinco estações de embarque e desembarque com capacidade para transportar 100 mil passageiros por mês a partir de duas rotas, uma pela Zona Oeste da cidade e outra pelo Centro. 

Serviços

Catamaran Tours Cais das Cinco Pontas, Recife Passeios: De R$ 50 a R$ 60 por pessoa (81) 3424.2845 (81) 9973.4077

Recomendados para você


Comentários

Por José Velho Alquebrado,04/12/2016

Grande projeto o da Navegabilidade do Capibaribe, porém o PSB mostra-se a nós pernambucanos incapaz de o concretizar. Essa agremiação política, apesar de ser um Partido Político com fortes vínculos com Pernambuco, que tem ajudado muito ao Estado, precisa melhorar a qualidade das obras do Governo do Estado. Tome-se, como exemplo singelo, o viaduto que a Secretaria das Cidades do Governo do Estado mandou fazer na Av. caxangá. A empreiteira não fez sequer o jardim debaixo da estrutura. Uma obra daquelas é julgada pelos detalhes, pelos pormenores. E o seu acabamento diz muito da baixa qualidade das obras do PSB no Recife. Pernambuco não possui engenheiros, nem arquitetos? Parece que não. Aonde estão os Clubes dos Arquitetos e dos Engenheiros que não se insurgem contra a péssima qualidade das obras feitas pelo PSB no Estado?



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Prêmio ISS Recife Prêmio ISS Recife
Principal item da receita própria dos municípios, o Imposto Sobre Serviços (ISS) entra no cofre das prefeituras tanto para custear despesas quanto para viabilizar investimentos nas cidades.
#ConexãoPelaVida #ConexãoPelaVida
Há quase dois séculos, o Real Hospital Português mantém a sua atenção voltada para o bem-estar dos pacientes. Conheça um pouco mais sobre a instituição médica que aos 162 não para de se modernizar
Agreste Empreendedor Agreste Empreendedor
O Agreste pernambucano é a região que mais cresce em Pernambuco. E, por incrível que pareça, a força motriz que puxou esse desenvolvimento foi o empreendedorismo.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM