Jornal do Commercio
Turismo

Carnaval 2017 turbina ocupação hoteleira em Pernambuco

ABIH prevê ocupação de 95% em Porto de Galinhas e Fernando de Noronha

Publicado em 17/02/2017, às 07h00

Porto de Galinhas é destino que se beneficia de quem quer fugir da festa / Foto: Heudes Regis/JC Imagem
Porto de Galinhas é destino que se beneficia de quem quer fugir da festa
Foto: Heudes Regis/JC Imagem
Da Editoria de Economia

O setor hoteleiro de Pernambuco está apostando que o Carnaval 2017 vai turbinar a ocupação este ano. Com a festa acontecendo nos últimos dias de fevereiro, a expectativa é de que os visitantes reservem algum dinheiro para gastar na folia. A Associação Brasileira da Indústria de Hotéis em Pernambuco (ABIH) acredita que tanto os destinos turísticos no centro da festa quanto os que servem para fugir da agitação vão se beneficiar. A projeção é de que a taxa de ocupação chegue a 95% em Porto de Galinhas e Fernando de Noronha e a 90% em Recife e Olinda.

“Em tempos de crise, quem for criativo vai se sobressair. A tendência do setor tem sido oferecer desconto direto nas diárias, inclusão de serviços nas diárias (como almoço e jantar) e pacotes de diárias. Isso sem falar na parceria com os sites que são ótimos parceiros e despontam como o canal de venda que mais tem crescido no setor”, destaca o presidente da ABIH no Estado, Artur Maroja.

Em 2016, a ocupação hoteleira durante o Carnaval 2017 foi um pouco menor em Olinda e Recife (88%), mas se manteve alta em Porto de Galinhas e Noronha (95%). Já o resultado do ano foi bastante prejudicado pelo desaquecimento do mercado, sobretudo no segmento de negócios, motivado pelo agravamento da crise econômica. Ao longo do ano, a ocupação média no Recife ficou em 50%, enquanto os destinos de lazer conseguiram um desempenho um pouco melhor (65%). O mesmo resultado negativo foi percebido pela atividade turística em 2015.

Para este ano, como o Carnaval 2017 aparece no calendário no final de fevereiro, a expectativa é de que a alta temporada se estenda até o início de março. A Secretaria de Turismo, Esportes e Lazer de Pernambuco considera uma ocupação de 14 dias entre os dias 20 de fevereiro e 5 de março. “Acreditamos que vai ser um Carnaval muito bom nos principais destinos turísticos pernambucanos (Recife, Olinda, Bezerros) e nos destinos para fugir da folia (Porto de galinhas, Fernando de Noronha, Gravatá)”, diz Maroja.

No Grupo Pontes, integrado pelos hotéis Summerville (em Porto de Galinhas), Mar Hotel e Atlante Plaza (em Boa Viagem), os equipamentos lotaram mais cedo para a folia este ano. O fim do contrato de administração hoteleira com a AccorHotels é apontada como um dos motivos. sabendo da retomada da administração pelo grupo pernambucano reanimou a antiga clientela. “Há uma tendência de lotar no Carnaval, mas observamos uma velocidade maior nas vendas deste ano”, afirma o diretor do grupo, Luiz Guilherme Pontes.

Na avaliação do empresário, é necessário um movimento do setor para prolongar a atratividade do Carnaval, como acontece no Rio de Janeiro. O desfile das escolas de samba campeãs é realizado no sábado após a Folia de Momo e postergam a permanência do turista na cidade. “Aqui no Estado o setor comemora ocupação de quase 100% durante o Carnaval, mas os períodos pré e pós a festa são muito ruins para a atividade. É preciso criar eventos para prolongar a presença do visitante”, defende Luiz Guilherme.

O presidente da ABIH também tem a mesma percepção. “Ficamos preocupados com o pós-Carnaval, sobretudo nas cidades de Recife, Olinda e Jaboatão, que são destinos de negócios. A instabilidade política e econômica tem diminuído as viagens de negócios dos executivos e a realização de convenções nos hotéis. A capital pernambucana também sofre com uma superoferta de leitos, que hoje chega a 15 mil graças a construção de vários flats nos últimos anos”, destaca Maroja.

NÚMEROS

Mesmo num ano ainda de crise, a Secretaria de Turismo acredita num crescimento de 6% no número de turistas no Carnaval deste ano, que deverá chegar a 1,7 milhão de pessoas, superando os 1,6 milhão de 2016. A expectativa é de que a festa movimente R$ 1,25 bilhão na economia estadual, sendo um pouco maior que os R$ 1,2 bilhão do ano anterior.

No ano passado, os turistas brasileiros que mais desembarcaram no Estado foram os de São Paulo (17,55%), Rio de Janeiro (10,81%), Ceará (10,10%) e Alagoas (6,96%). Entre os estrangeiros estão os argentinos (43,02%). americanos (14,53%), portugueses (11,73%) e chilenos (8,38%). O gasto médio foi de R$ 186,96.

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM