Jornal do Commercio
PETRÓLEO

Petrobras-Galp adia prazo para furar poços no litoral de Pernambuco

Poços teriam que ser perfurados até 2017, mas o consórcio conseguiu a prorrogação até 2020. A licitação da concessão foi realizada há 10 anos

Publicado em 15/04/2017, às 08h01

Consórcio Petrobras-Galp adia prazo para perfurar poços na bacia Pernambuco-Paraíba / Foto: Heudes Regis/JC Imagem
Consórcio Petrobras-Galp adia prazo para perfurar poços na bacia Pernambuco-Paraíba
Foto: Heudes Regis/JC Imagem
Da Editoria de Economia

O consórcio Petrobras-Galp – que tem a concessão para explorar petróleo em duas áreas da bacia Pernambuco-Paraíba – pediu a prorrogação do prazo para fazer a perfuração dos poços até 2020. O pedido foi acatado pela Agência Nacional do Petróleo (ANP) que regula as concessões do setor. O atual pedido de prorrogação já é o terceiro. Este ano, vão fazer 10 anos que o grupo venceu a 9ª rodada de licitações para explorar dois lotes da bacia Pernambuco-Paraíba, o que ainda não ocorreu.

O atual pedido de prorrogação ocorreu porque o consórcio aguarda a conclusão do processo de licenciamento ambiental necessário para iniciar a perfuração dos poços, segundo informações da assessoria de imprensa da Petrobras. “O licenciamento ambiental em águas profundas é mais complexo. Às vezes, passa até dois anos para ser concluído”, explica o professor do Departamento de Geologia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), José Antonio Barbosa.

O grupo não pretende devolver a exploração desses lotes à ANP, de acordo com a assessoria da Petrobras. Às vezes, esse tipo de devolução ocorre porque as empresas vencem um leilão para explorar uma área sem os estudos necessários e depois percebem que o poço não é viável economicamente.



Para o consórcio, o primeiro prazo para perfurar os poços venceu em março de 2015. Na época, o grupo pediu a extensão do prazo, conseguindo uma prorrogação até agosto deste ano. A reportagem do JC entrou em contato com a ANP para saber mais informações sobre a concessão, mas não recebeu o retorno até o fechamento dessa edição. O consórcio Petrobrás-Galp tem uma participação de 80% da primeira e os 20% pertencem a segunda que explora petróleo e gás em Portugal.

CONCESSÃO


Essa não é a única concessão para a exploração de petróleo que não saiu do papel na bacia Pernambuco-Paraíba. Em 2011, na 11ª rodada realizada pela ANP foram adquiridos a concessão de quatro blocos. Dois ficaram com a Queiroz Galvão Óleo e Gás e dois com a empresa Petra – do economista Roberto Viana – em parceria com a companhia canadense Niko. O sentimento dos técnicos do setor é que as outras concessionárias estão esperando a Petrobras perfurar o primeiro poço para depois decidirem se vão explorar a área ou não.


Na última década, a exploração de petróleo foi impactada pelas mudanças que balançaram a economia do mundo. Em 2007 (ano da nona rodada de licitação), o petróleo como as demais commodities estavam com o preço subindo, pois a China estava puxando a atividade econômica do mundo. Em 2008, o preço do barril de petróleo chegou a US$ 145. Hoje, o preço é de US$ 53.
O primeiro fato que contribuiu para mudar esse cenário de crescimento foi a quebra do banco americano Lehman Brothers em 2008. Depois vieram outros, como a desaceleração da economia chinesa, a crise da Europa, entre outros, que fizeram a economia ficar estagnada em nível mundial. A partir de 2014, o Brasil começou um processo recessivo com quedas de 3,6% e 3,8%, respectivamente, em 2016 e 2015. Num período recessivo, as empresas postergam os seus investimentos. Na área de petróleo, isso é ainda mais recorrente porque os custos são muito altos.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM