Jornal do Commercio
EMPRESAS

Repaginadas, as barbearias lucram no Grande Recife

Longe da crise, o negócio das barbearias ganham força na Região Metropolitana do Recife

Publicado em 21/04/2017, às 07h00

Em Pernambuco, a queda do setor de serviços está em 8,7%. Mesmo assim, as barbearias desafiam os números negativos / Foto: Tato Rocha/JC Imagem
Em Pernambuco, a queda do setor de serviços está em 8,7%. Mesmo assim, as barbearias desafiam os números negativos
Foto: Tato Rocha/JC Imagem
JC Online

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em fevereiro deste ano, o setor de serviços prestados às famílias no Brasil registrou uma queda de 5,1%, comparado ao mesmo período de 2016. Em Pernambuco, a queda foi ainda mais acentuada; 8,7%. Mesmo com esse cenário desfavorável, há um segmento que parece desafiar os números negativos. Basta uma caminhada pelas ruas da Região Metropolitana do Recife que, certamente, você vai encontrar uma placa indicando “estamos funcionando”. De quem estamos falando? Daqueles espaços típicos para os cuidados da beleza masculina de outrora, que estavam no esquecimento, mas que têm ressurgido com força e repaginados: as barbearias.

A reportagem do JC conversou com alguns empreendedores para entender o fenômeno. A primeira parada foi a Barbearia Brasil, no Espinheiro, comandada por Alexandre Guedes e Thaís Pedrosa. “Já tínhamos vontade de abrir um negócio próprio, mas não tínhamos nada definido. Como Alexandre sempre frequentou barbearias em Boa Viagem, nós conversamos sobre o assunto e resolvemos abrir nossa empresa na Zona Norte, visto que a maioria dos estabelecimentos está na Zona Sul”, explica Thaís.
Com um investimento de R$ 300 mil, os sócios abriram a barbearia em junho do ano passado. “O homem moderno está mais interessado em cuidar da aparência, tem mais vaidade, está redescobrindo a importância de estar apresentável e por ser um ambiente personalizado às suas necessidades, isso o deixa mais à vontade”, aposta a proprietária.

Bem próximo dali, no mesmo bairro do Espinheiro, encontramos o Poderoso Chefão. Lá, o novo conceito das barbearias está explícito em todos os ambientes, que também agrega um estúdio de tatuagem. No comando, o cantor de rock e tatuador, Carlos Souza. “O desejo de abrir esse espaço foi porque morei muito tempo na Califórnia, nos Estados Unidos, e observei que lá as barbearias ofereciam serviços de estética, tatuagem e bar. Quando voltei, resolvi trazer ao Recife essa ideia”, destaca o empresário, o qual comenta que a crise não atingiu seu empreendimento.

Também na Zona Norte, só que agora no bairro das Graças, conversamos com Thúlio Guerra, da Confraria da Barba, aberta em outubro de 2016. Fez tanto sucesso que já está em funcionamento, desde o último mês de março, uma filial em Boa Viagem, do empresário Marcos Canuto. Nas duas unidades da franquia, o investimento foi de R$ 1,5 milhão.



As duas unidades oferecem serviços de cabelo, tratamentos especiais para barba, podologia, massoterapia, depilação, espaço de lazer com sinuca, mesa de pôquer, bar, cafeteria. A unidade da Zona Sul ainda tem o diferencial do serviço de lava-jato ecológico. “O homem está mais cuidadoso com a aparência e começa a perceber que é um ambiente agradável”, comenta Guerra, satisfeito com o aumento diário de clientes.

Longe dos bairros nobres, Paulo Roberto Passos comanda o Studio 11 Barbearia, na Rua Imperatriz, área Central do Recife. No local, ele investiu R$ 5 mil. “Já trabalhei como barbeiro em outras barbearias da cidade. Com o tempo, resolvi abrir o meu próprio negócio na área”, conta. O estabelecimento costuma receber cerca de dez pessoas diariamente. “Como atendo um público mais humilde, procuro sempre realizar promoções, dou descontos, realizo sorteios, cupons promocionais. Isso é uma forma de atrair e fidelizar clientes, até mesmo os que estão desempregados”, destaca, com confiança, o barbeiro.

EMPREENDEDORISMO

Para quem quer investir na área, a analista do Sebrae no segmento de beleza, Romárcia Lira, comenta que é necessário planejamento. “A pessoa tem de analisar o mercado, perceber o seu diferencial ao oferecer seus serviços, criar um modelo e fazer um plano de negócio. É um mercado promissor, mas exige visão inovadora”.

Romárcia explica também que a pessoa que deseja empreender no segmento deve procurar um profissional qualificado e um curso de gestão para entender o funcionamento de uma empresa. “É fundamental a pessoa estar preparada. O Sebrae oferece o programa 'Começar Bem', voltado a quem deseja abrir o próprio negócio e os prepara para desenvolver um negócio sólido”, aponta a analista.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva
Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção
Carga horária excessiva, más condições de trabalho, terminais sem estrutura apropriada e os riscos ocupacionais aos quais estão submetidos. O transporte rodoviário está em quarto lugar entre as profissões com mais com comunicações de acidentes de trabalh
#UmaPorUma #UmaPorUma
Existe uma história para contar por trás de cada assassinato de mulher em Pernambuco. Uma por uma, vamos contar todas. Mapear onde as mataram, as motivações do crime, acompanhar a investigação e cobrar a punição dos culpados. Um banco de dados virtual.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM