Jornal do Commercio
Crise

Escândalos no Governo travam reformas trabalhista e previdenciária

Relatores dos projetos decidiram suspender as discussões no Congresso

Publicado em 19/05/2017, às 22h04

Previdência custou R$ 819 bilhões no ano passado somando custos da União, Estado e municípios / Foto: Hélia Scheppa/Acervo JC Imagem
Previdência custou R$ 819 bilhões no ano passado somando custos da União, Estado e municípios
Foto: Hélia Scheppa/Acervo JC Imagem
Luiza Freitas

A crise institucional e a possibilidade de o presidente Michel Temer (PMDB) deixar o cargo levaram os relatores da reforma trabalhista, o senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES), e da Previdência, o deputado Federal Arthur Maia (PPS-BA), a suspenderem as discussões sobre os temas no Congresso. Agora, a prioridade é arrumar a casa. Enquanto alguns especialistas ouvidos pelo JC acreditam que a crise política acentuada pode engavetar os projetos até uma próxima gestão, outros preveem que uma votação tardia tem capacidade de ampliar o diálogo com a sociedade civil e provocar modificações benéficas nos textos inicialmente propostos.


Referência em desenvolvimento econômico e mercado de trabalho, o professor de economia da USP Helio Zylbersztajn é categórico: “É o pior que poderia acontecer”. Preferindo não entrar no mérito político, disse que vai aguardar o desenrolar das investigações. Já na opinião da cientista política e professora da PUC-SP, Vera Chaia, a decisão de tornar os projetos secundários neste momento foi acertada, pois não existe clima político para a continuidade das votações.

“Temer nunca teve apoio popular e agora não tem sequer uma base aliada forte para aprovar ambos projetos no Congresso. E a cada notícia sobre a delação da família Batista – proprietários do frigorífico JBS –, surgem novas complicações. O futuro do presidente e do País como um todo está incerto. Agora não é hora de tomar decisões, e sim de esperar.”


A reforma trabalhista foi aprovada pela Câmara dos Deputados em abril, com placar de 296 contra 177 votos. Ainda não há data para chegar ao Senado. Já a reforma da Previdência enfrenta resistência maior e precisou ser revisada diversas vezes na tentativa de ter mais aderência. A proposta deveria ser votada entre maio e junho, mas não há mais previsão.




As cenas dos próximos capítulos dependem de diversos cenários, que incluem o andamento da Operação Lava Jato e a continuidade do presidente no poder. Na opinião do advogado previdenciário Paulo Perazzo, caso o presidente deixe o governo por impeachment, cassação ou renúncia, e o candidato que assumir seja da mesma linha política, as reformas podem tramitar com mais rapidez.

“Mas no caso de um governante mais progressista, é possível que o tema não volte a ser discutido, porque a reforma da Previdência é muito impopular”, comenta. “E quanto mais próximo do período eleitoral, menos os deputados estarão dispostos a votar a favor”.


Já o advogado trabalhista Renato Melquíades, da Martorelli Advogados, o escândalo acabou expondo os interesses políticos em aprovar rapidamente os textos. “As reformas foram colocadas de forma muito apressada para dar respostas ao mercado financeiro. Ao invés de procurar o consenso, estavam, de alguma forma, fazendo valer seus projetos através do poder econômico, não do debate ou da qualidade do projeto”, afirma. Para ele, a suspensão se tornou a grande oportunidade de rediscutir as propostas.

DESEMPREGO E ROMBO


Independentemente de direcionamentos políticos, o governo vai precisar correr contra o relógio para resolver problemas relativos aos textos pendentes. Primeiro, os mais de 14 milhões desempregados no País, que dependem de investidores confiantes para voltar a contratar. Além disso, há o impasse da saúde dos cofres públicos. No ano passado, a previdência custou R$ 819 bilhões (somando recursos da União, dos estados e município) com pagamento de aposentadorias, pensões e outros benefícios. O valor corresponde a 41% das despesas de 2016 e já estamos tirando fundos de outras áreas para fechar a conta.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

O Hobbit - 80 anos O Hobbit - 80 anos
Como a maioria dos hobbits, Bilbo Bolseiro leva uma vida tranquila até o dia em que recebe uma missão do mago Gandalf. Acompanhado por um grupo de anões, ele parte numa jornada até a Montanha Solitária para libertar o Reino de Erebor do dragão Smaug
Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM