Jornal do Commercio
Estatal

Hemobrás corre risco de esvaziamento

Atualmente, o Ministério da Saúde gasta mais de R$ 1 bilhão para obter e distribuir medicamentos hemoderivados por meio do Sistema Único de Saúde (SUS)

Publicado em 09/08/2017, às 07h33

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, do PP, tem feito manobras para levar a empresa ao seu reduto eleitoral, Maringá / Foto: JC Imagem
O ministro da Saúde, Ricardo Barros, do PP, tem feito manobras para levar a empresa ao seu reduto eleitoral, Maringá
Foto: JC Imagem
JC Online

Com mais de R$ 1 bilhão investido, a Empresa Brasileira de Hemoderivados e Biotecnologia (Hemobrás) entrou para a lista de estatais que desandaram, geraram prejuízo e estão sendo investigadas. A planta em Goiana, na Mata Norte do Estado, planejada para ser a âncora de um Polo Farmacoquímico, está 70% concluída, mas não é capaz de produzir hemoderivados.

O momento crítico, de ameaça de esvaziamento com a transferência da produção do fator VIII recombinante (produto de maior valor agregado), para a cidade de Maringá, no Paraná, é mais um impasse na história marcada por denúncias, erros da gestão pública e falta de investimentos da União.

Apesar de tantas notas negativas, é sempre importante frisar que a Hemobrás é de fundamental importância para a economia de Pernambuco. A estatal poderia tornar o Estado figura central do mercado de sangue brasileiro.

Atualmente, o Ministério da Saúde gasta mais de R$ 1 bilhão para obter e distribuir medicamentos hemoderivados por meio do Sistema Único de Saúde (SUS). No projeto da planta em Pernambuco, está prevista a construção de duas fábricas, uma de plasmáticos para produção de seis medicamentos, como albumina e imunoglobulina, e outra para o fator VIII recombinante. Há acordos com o laboratório francês LFB e a empresa irlandesa Baxalta/Shire para fornecer os medicamentos, enquanto a tecnologia não é repassada. Entre os entraves para alcançar a autossuficiência, está o atraso de obras.

O cronograma foi interrompido várias vezes por indícios de irregularidades, como superfaturamento de contratos, além da falta de repasses da União. Em 2015, a Operação Pulso, da Polícia Federal, investigou fraudes em licitações e contratos de logística de plasma e hemoderivados, além da própria construção da fábrica. Dois anos depois, a empresa se vê em nova encruzilhada.

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, do PP, tem feito manobras para levar a empresa ao seu reduto eleitoral, Maringá. Em que pese a postura política, a ameaça a Pernambuco resulta de uma série de erros do passado, cometidos durante a gestão PT/PSB.

O Ministério da Saúde rompeu unilateralmente a Parceria para Desenvolvimento Produtivo (PDP) com a Shire, responsável pelo fornecimento do fator VIII recombinante, sob a alegação de que a empresa não vai transferir a tecnologia, mesmo sem terminar o prazo previsto para isso.



Em seu lugar, quer firmar contrato com a empresa suíça Octapharma e o Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar), que propõem investir US$ 200 milhões para construir uma nova fábrica no Paraná, com o objetivo de produzir o fator VIII recombinante. “Já Pernambuco receberia US$ 250 milhões para finalizar a planta de plasmáticos, produtos que não geram lucro”, afirma o procurador do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU), Marinus Marsico.

Ministro

Na segunda-feira passada, em entrevista ao JC, Ricardo Barros foi enfático: “Se Pernambuco não aceitar nossa proposta, não tem problema. A Hemobrás encontra um forma de terminar a fábrica. Está se discutindo um problema que não existe. A solução está colocada”. “O problema da Hemobrás é que, nos anos anteriores, a União não cumpriu com os compromissos de implantação da fábrica. Quem causou o atraso foi o próprio Ministério da Saúde. Não cumpriu com requisitos de compra de remédio e não repassou dinheiro suficiente quando houve a variação cambial. Hoje, tem dívida de US$ 175 milhões com a Shire, excluindo juros e mora”, aponta o procurador Marsico.

Não só o governo federal tem participação na empresa. O governo do Estado detém 1% do quadro societário e tem o direito de fazer uma indicação para diretoria, atualmente ocupada por Marcos Arraes, tio do ex-governador Eduardo Campos. No entanto, as articulações para frear a posição do ministro estão somente nos bastidores. O confronto expôs o quão vulnerável está a empresa.

Durante audiência pública na Alepe, anteontem, a oposição cobrou uma postura mais incisiva do governador Paulo Câmara (PSB). O presidente Michel Temer (PMDB) também foi criticado pela postura do seu auxiliar, Ricardo Barros. Escalado para falar em nome do Executivo estadual, o secretário de Desenvolvimento Econômico e vice-governador, Raul Henry (PMDB), explicou que o Estado procurou o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, para tratar das movimentações do ministro da Saúde.

Por ora, a discussão está no campo político-administrativo. Não houve conversas para dar andamento às obras, mas medidas para evitar que Barros leve à produção do Fator VIII recombinante para Maringá. Segundo Henry, o ministro é motivado por interesses pessoais.

Mesmo diante das investidas fortes do ministro da Saúde, o governador Paulo Câmara (PSB) – interlocutor maior na hierarquia do Estado para tratar com o presidente da República – ainda não se pronunciou publicamente sobre o assunto, deixando tudo a cargo de Henry.


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por desorientado,09/08/2017

Pernambuco peca por ter políticos que pensam mais em se projetar nacionalmente a trabalhar pelo estado. Esta aí a prova desse fato quando nenhum politico do estado fez qualquer tentativa para a HEMOBRAS ser uma realidade viva para o estado. Quando políticos do Paraná tentam levar o projeto para Londrina deixando Pernambuco a ver navios, apenas o prefeito de Goiana se manifestou. Cadê o PT, PSB, PMDB e outros partidos que têm pernambucanos com influência nacional pra não permitir a saída do projeto de Pernambuco para o adiantado estado do Paraná?



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC recall de marcas 2017 JC recall de marcas 2017
Conheça o ranking das marcas que têm conseguido se manter no topo da preferência dos pernambucanos. O rol é resultado de uma pesquisa realizada pelo Instituto Harrop, há duas décadas parceiro do Jornal do Commercio na realização da premiação
10 anos do IJCPM 10 anos do IJCPM
O Instituto João Carlos Paes Mendonça de Compromisso Social (IJCPM) comemora 10 anos de história, contribuindo para transformar a vida de jovens de comunidades com histórico de desigualdade social nas cidades de Recife, Salvador, Fortaleza e Aracaju
Chapecoense: um ano de saudade Chapecoense: um ano de saudade
Um ano de saudade. Foi isso que restou. A maior tragédia do esporte mundial, no dia 29 de novembro de 2016, quando houve o acidente aéreo com a delegação da Chapecoense, em Medellín, na Colômbia, fez 71 vítimas. Entre elas, dois pernambucanos

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM