Jornal do Commercio
Estatal

Hemobrás corre risco de esvaziamento

Atualmente, o Ministério da Saúde gasta mais de R$ 1 bilhão para obter e distribuir medicamentos hemoderivados por meio do Sistema Único de Saúde (SUS)

Publicado em 09/08/2017, às 07h33

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, do PP, tem feito manobras para levar a empresa ao seu reduto eleitoral, Maringá / Foto: JC Imagem
O ministro da Saúde, Ricardo Barros, do PP, tem feito manobras para levar a empresa ao seu reduto eleitoral, Maringá
Foto: JC Imagem
JC Online

Com mais de R$ 1 bilhão investido, a Empresa Brasileira de Hemoderivados e Biotecnologia (Hemobrás) entrou para a lista de estatais que desandaram, geraram prejuízo e estão sendo investigadas. A planta em Goiana, na Mata Norte do Estado, planejada para ser a âncora de um Polo Farmacoquímico, está 70% concluída, mas não é capaz de produzir hemoderivados.

O momento crítico, de ameaça de esvaziamento com a transferência da produção do fator VIII recombinante (produto de maior valor agregado), para a cidade de Maringá, no Paraná, é mais um impasse na história marcada por denúncias, erros da gestão pública e falta de investimentos da União.

Apesar de tantas notas negativas, é sempre importante frisar que a Hemobrás é de fundamental importância para a economia de Pernambuco. A estatal poderia tornar o Estado figura central do mercado de sangue brasileiro.

Atualmente, o Ministério da Saúde gasta mais de R$ 1 bilhão para obter e distribuir medicamentos hemoderivados por meio do Sistema Único de Saúde (SUS). No projeto da planta em Pernambuco, está prevista a construção de duas fábricas, uma de plasmáticos para produção de seis medicamentos, como albumina e imunoglobulina, e outra para o fator VIII recombinante. Há acordos com o laboratório francês LFB e a empresa irlandesa Baxalta/Shire para fornecer os medicamentos, enquanto a tecnologia não é repassada. Entre os entraves para alcançar a autossuficiência, está o atraso de obras.

O cronograma foi interrompido várias vezes por indícios de irregularidades, como superfaturamento de contratos, além da falta de repasses da União. Em 2015, a Operação Pulso, da Polícia Federal, investigou fraudes em licitações e contratos de logística de plasma e hemoderivados, além da própria construção da fábrica. Dois anos depois, a empresa se vê em nova encruzilhada.

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, do PP, tem feito manobras para levar a empresa ao seu reduto eleitoral, Maringá. Em que pese a postura política, a ameaça a Pernambuco resulta de uma série de erros do passado, cometidos durante a gestão PT/PSB.

O Ministério da Saúde rompeu unilateralmente a Parceria para Desenvolvimento Produtivo (PDP) com a Shire, responsável pelo fornecimento do fator VIII recombinante, sob a alegação de que a empresa não vai transferir a tecnologia, mesmo sem terminar o prazo previsto para isso.



Em seu lugar, quer firmar contrato com a empresa suíça Octapharma e o Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar), que propõem investir US$ 200 milhões para construir uma nova fábrica no Paraná, com o objetivo de produzir o fator VIII recombinante. “Já Pernambuco receberia US$ 250 milhões para finalizar a planta de plasmáticos, produtos que não geram lucro”, afirma o procurador do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU), Marinus Marsico.

Ministro

Na segunda-feira passada, em entrevista ao JC, Ricardo Barros foi enfático: “Se Pernambuco não aceitar nossa proposta, não tem problema. A Hemobrás encontra um forma de terminar a fábrica. Está se discutindo um problema que não existe. A solução está colocada”. “O problema da Hemobrás é que, nos anos anteriores, a União não cumpriu com os compromissos de implantação da fábrica. Quem causou o atraso foi o próprio Ministério da Saúde. Não cumpriu com requisitos de compra de remédio e não repassou dinheiro suficiente quando houve a variação cambial. Hoje, tem dívida de US$ 175 milhões com a Shire, excluindo juros e mora”, aponta o procurador Marsico.

Não só o governo federal tem participação na empresa. O governo do Estado detém 1% do quadro societário e tem o direito de fazer uma indicação para diretoria, atualmente ocupada por Marcos Arraes, tio do ex-governador Eduardo Campos. No entanto, as articulações para frear a posição do ministro estão somente nos bastidores. O confronto expôs o quão vulnerável está a empresa.

Durante audiência pública na Alepe, anteontem, a oposição cobrou uma postura mais incisiva do governador Paulo Câmara (PSB). O presidente Michel Temer (PMDB) também foi criticado pela postura do seu auxiliar, Ricardo Barros. Escalado para falar em nome do Executivo estadual, o secretário de Desenvolvimento Econômico e vice-governador, Raul Henry (PMDB), explicou que o Estado procurou o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, para tratar das movimentações do ministro da Saúde.

Por ora, a discussão está no campo político-administrativo. Não houve conversas para dar andamento às obras, mas medidas para evitar que Barros leve à produção do Fator VIII recombinante para Maringá. Segundo Henry, o ministro é motivado por interesses pessoais.

Mesmo diante das investidas fortes do ministro da Saúde, o governador Paulo Câmara (PSB) – interlocutor maior na hierarquia do Estado para tratar com o presidente da República – ainda não se pronunciou publicamente sobre o assunto, deixando tudo a cargo de Henry.


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por desorientado,09/08/2017

Pernambuco peca por ter políticos que pensam mais em se projetar nacionalmente a trabalhar pelo estado. Esta aí a prova desse fato quando nenhum politico do estado fez qualquer tentativa para a HEMOBRAS ser uma realidade viva para o estado. Quando políticos do Paraná tentam levar o projeto para Londrina deixando Pernambuco a ver navios, apenas o prefeito de Goiana se manifestou. Cadê o PT, PSB, PMDB e outros partidos que têm pernambucanos com influência nacional pra não permitir a saída do projeto de Pernambuco para o adiantado estado do Paraná?



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM