Jornal do Commercio
JCPM

João Carlos Paes Mendonça defende investimentos privados em educação

Presidente do Grupo JCPM fala da necessidade de que empresas não apenas esperem ações do governo, mas também invistam nas novas gerações

Publicado em 12/08/2017, às 16h39

"Só governo não resolve", destaca João Carlos Paes Mendonça
Foto: Alexandre Gondim/ JC Imagem
Da editoria de Economia

Juros em queda, inflação dentro da meta e uma leve esperança no mercado de trabalho, que começa, lentamente, a criar vagas. Num momento em que o País dá sinais de recuperação econômica após uma das piores recessões da história, o Jornal do Commercio publica o caderno especial Educação, Emprego e Futuro. O trabalho, fruto da apuração criteriosa das jornalistas Luiza Freitas e Margarida Azevedo, integra uma cobertura maior, que envolve TV Jornal, TV JC, JC Online e Rádio Jornal. Todos estes veículos fazem parte do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC). O investimento jornalístico num projeto de fôlego como este é uma demonstração inequívoca que SJCC vê na educação o único caminho para um futuro mais justo e melhor.

» LEIA TAMBÉM: Especial Educação, Emprego e Futuro

Reformas e controle de gastos públicos também são essenciais. Mas é a educação a mãe de toda transformação, a grande indutora do crescimento sustentado. Nesta segunda-feira (14), um seminário promovido pelo SJCC reúne educadores e empresários convidados para um amplo debate sobre o tema. Em meio a uma conjuntura que não permite comemorações, há pelo menos um fato alentador. Cada vez mais, empresas de variados setores investem em educação. Não são obrigadas, porém entendem que o fator humano é essencial não apenas para a perenidade de suas corporações, mas, principalmente, para o futuro do próprio País. Na entrevista a seguir, o presidente do SJCC e do Grupo JCPM, o empresário João Carlos Paes Mendonça, faz uma análise sobre o assunto e aponta saídas para que o Brasil e o Nordeste comecem a prosperar com mais rapidez. Tudo com base na educação, claro.

JORNAL DO COMMERCIO - Há um consenso de que nenhum país consegue crescer de maneira sólida e duradoura sem priorizar a educação. O senhor é um empreendedor na área de shoppings, no setor imobiliário e na comunicação. O que o fez investir também em educação de jovens?

JOÃO CARLOS PAES MENDONÇA - Economicamente, politicamente e moralmente. Sem educação, não vamos atingir nenhum objetivo. Vamos ser um país dominado por demagogos e populistas. É essencial que a gente forme cidadãos. Só através da educação, da leitura, do conhecimento as pessoas conseguem descobrir o mundo e depois, elas mesmas, gerar conhecimento.

JC - Nenhuma nação que hoje pode ser chamada de desenvolvida cresceu sem educação...

JCPM - Claro. O mundo vai ser um só. Educação, naturalmente que a tecnologia está dentro deste conceito, é o que estimula países e empresas a superarem todas as dificuldades econômicas, sociais. Nossa preocupação vem desta certeza.

JC - Há quanto tempo o Grupo JCPM vem investindo neste área?

JCPM - No Instituto JCPM (que capacita e estimula a inserção de jovens no mercado de trabalho em quatro Estados – Pernambuco, Ceará, Bahia e Sergipe), há cerca de dez anos. Iniciamos esse trabalho no Recife, dentro de Brasília Teimosa e Pina.

JC - Como começou?

JCPM - Percebemos que havia pouca atenção por parte dos governantes com a juventude de 16 a 24 anos, que não tinha oportunidades e conhecimentos suficientes para suportar a competição do mercado. Além disso, é uma faixa etária que corre mais riscos, está mais suscetível a riscos. Trabalhamos com jovens da escola pública e a escola pública, infelizmente, com raríssimas exceções, não tem uma boa qualidade. Remunera mal o professor, não funciona em tempo integral...Então, resolvemos entrar neste processo.

JC - Quantos jovens já foram beneficiados?

JCPM - Já capacitamos mais de 10 mil jovens. Se considerarmos todas as ações, chegamos a mais de 25 mil atendimentos ao longo dos dez anos. Agora, com as seis unidades, nossa capacidade de atendimento anual chega a 4,5 mil jovens. Além de qualificar, preparamos eles para o mercado de trabalho através de cursos profissionalizantes, para vestibular, orientamos eles para áreas de trabalho de empresas. Fazemos a ponte com empresas, acompanhamos durante um ano estes funcionários que nós encaminhamos. Só assim acreditamos que vamos fazer um país diferente.

JC - É um processo demorado, considerando as deficiências estruturais do País?

JCPM - É lento. Demora. É preciso que o governo realmente mude a estrutura de ensino. E preciso que a sociedade se integre dentro desses projetos. Só o governo não resolve. Os governos em geral são perdulários, políticos e populistas. Aí não dá certo.



JC - O senhor costuma fazer uma diferenciação entre compromisso social e responsabilidade social...

JCPM - Responsabilidade social é obrigação de todo cidadão.

JC - E compromisso?

JCPM - Só tem aquele que quer. É unilateral. Você tem compromisso social de desenvolver uma comunidade. E pode ser uma iniciativa de grande dimensão ou partir de uma pessoa que possa dar meio dia de trabalho por semana numa instituição de caridade, treinar um jovem. Este é o lado social, de voluntariado, do compromisso social. Agora, responsabilidade social, para mim, é absolutamente obrigatório para todo cidadão.

JC – Como o senhor, um empreendedor que também investe na formação de jovens, convenceria um colega empresário a também fazer algo parecido?

JCPM - É uma tarefa muito árdua convencer o empresário. Porque isso tudo [investimentos em educação] exige uma crença forte nesse propósito. E tem custo. Grande parte do empresariado ainda não está sensibilizada para fazer este tipo de trabalho. A carga tributária é elevada, os encargos trabalhistas também são... Tudo isso faz com que o empresário tenha como foco apenas em viabilizar o seu negócio.

JC – O senhor se sente gratificado quando vai a um empreendimento do Grupo e vê um jovem que passou pelo treinamento trabalhando em alguma loja ou no próprio shopping?

JCPM – É claro. Fico muito orgulhoso. E eles são gratos, eles me cumprimentam. E isso tem um valor inestimável. Este para mim é o grande lucro, o reconhecimento dessas pessoas humildes e simples, de Brasília Teimosa, do Pina, por exemplo. Aliás, Brasília Teimosa não é mais aquela de antigamente. Já está com um desenvolvimento muito forte. As famílias e os estudantes já estão se integrando em outro tipo de mundo. A antiga favela não existe mais. É hoje um bairro melhor. E é muito gratificante ter visto e participado dessa mudança.

JC – Quando foi que o senhor atinou que precisaria, que queria fazer um trabalho social voltado para a educação?

JCPM – Tudo começou há cerca de 30 anos na Fundação Pedro Paes Mendonça, na Serra do Machado (Sergipe). Lá temos escolas em tempo integral com mais de 315 alunos, professores. Este foi o lado que, para nós, era o compromisso social. Nós achávamos que deveríamos desenvolver aquela comunidade, que era um desejo do meu pai. Hoje tem 2.500 pessoas integradas no projeto da Fundação. E aqui em Pernambuco o que me motivou foi a implantação da nossa sede em 2006. Nós começamos a ficar preocupados com o desenvolvimento desta região de Brasília Teimosa. Percebemos que era um povo bom, trabalhador, com desejo de vencer. Precisavam apenas de apoio. Começamos a apoiar devagarzinho e o IJCPM hoje já atende 1.200 jovens por ano em Brasília Teimosa e Pina.

JC – Como a sociedade pode participar mais?

JCPM – Cada um deve oferecer o que pode oferecer. Um professor de inglês pode ensinar para 20 alunos no bairro onde ele mora, um especialista em tecnologia de informação pode ensinar a alguns jovens dentro da casa dele. Não precisa de muito dinheiro nem de uma obra gigantesca. Tem que ter um ponto de partida. Talvez não seja necessário implantar um colégio e, sim, uma sala de aula. Se a sociedade se convencer que isso é bom, que isso é necessário, dentro de alguns anos, algumas décadas, vamos ter crescimento. É lógico que cada um faz o que pode.

JC – O cidadão também poderia cobrar mais do poder público?

JCPM – Os governantes raramente ouvem os anseios da comunidade. Para isso, precisa que a sociedade cobre mais para que haja realmente um processo de transformação.

ENTREVISTA EM VÍDEO


Recomendados para você


Comentários

Por Valter Rocha,16/08/2017

O Segredo do Sucesso ele está no interior das pessoas porém faltam oportunidades. O Bompreço não é mais o mesmo sem sua gestão, novos tempos.

Por Edilson Santana,16/08/2017

Sou objetivo e falo pelo o meu estado Pernambuco, se no lugar de adotar uma praça pública para não ter retorno econômico para o país, seria bem melhor que cada empresário Pernambucano adotasse uma escola pública e desse esperança a um jovem adolescente carente das comunidades pobres do nosso estado.

Por Marcelo,15/08/2017

O JCPM faz muito por várias pessoas, pois o mesmo por ser empresário isso ja ajuda. Falando de sua fundação o único meio hoje de mudar o meio social e pela educação e digo isso pelo inglês e tecnologia que ajudou a mim e pode ajudar várias outras pessoas. Se quiser mesmo mudar a vida de muitas pessoas foque nisso....

Por KLESIO,14/08/2017

sou morador do bairro do Pina é impressionante o bem que IJCPM trás para os dois bairros Pina e Brasilia Teimosa.como seria bom se em nosso país tivesse homem de coração tão grande e comprometidos com as causas sócias e com os menos favorecidos..Deus lhe der muito anos de vida, para continuar esse trabalho e e sendo exemplo para todos.

Por IMPOSTOS ALTO RETORNO ZERO,14/08/2017

Concordo com o empresário, pois queremos isso na pratica.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

A Casa da Bênção de Veronaldo A Casa da Bênção de Veronaldo
Solidariedade garante casa para torcedor que ficou tetraplégico durante jogo
JC recall de marcas 2017 JC recall de marcas 2017
Conheça o ranking das marcas que têm conseguido se manter no topo da preferência dos pernambucanos. O rol é resultado de uma pesquisa realizada pelo Instituto Harrop, há duas décadas parceiro do Jornal do Commercio na realização da premiação
10 anos do IJCPM 10 anos do IJCPM
O Instituto João Carlos Paes Mendonça de Compromisso Social (IJCPM) comemora 10 anos de história, contribuindo para transformar a vida de jovens de comunidades com histórico de desigualdade social nas cidades de Recife, Salvador, Fortaleza e Aracaju

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM