Jornal do Commercio
Venda

Últimos bens da Suape Têxtil serão leiloados por R$ 7,1 milhões

Inova Leilões vai promover a venda nos dias 31 de agosto de 11 setembro

Publicado em 12/08/2017, às 07h00

Prioridade é vender os bens em conjunto / Pixabay
Prioridade é vender os bens em conjunto
Pixabay
Da Editoria de Economia

Os últimos bens da extinta Suape Têxtil - fábrica que funcionou durante 20 anos no Cabo de Santo Agostinho - vão a leilão nos dias 31 de agosto e 11 de agosto. O valor de avaliação de um imóvel e mais seis lotes de móveis, máquinas e equipamentos está calculado em R$ 7,1 milhões. A empresa foi a primeira de Pernambuco a se beneficiar da Lei de Recuperação e Falências (11.151), em 2007, mas não conseguiu cumprir o plano e decretou falência em 2010, com um passivo estimado em R$ 150 milhões.

Em 2014 foi realizado um leilão para a venda de dois imóveis e vários lotes. No ano passado foi realizado outro, mas não apareceram interessados. “A dificuldade foi o valor, que estava calculado em R$ 12 milhões e foi considerado alto pelo mercado. Foi realizada uma nova avaliação e o valor sofreu um deságio, caindo para R$ 7,1 milhões”, observa o leiloeiro Diogo Martins.
O edital está disponível no site www.inovaleilao.com.br. O leilão será presencial e eletrônico, com endereços no Fórum Dr. Humberto da Costa Sobrinho, no Cabo de Santo Agostinho, ou no site da Inova Leilão.



O primeiro leilão, programado para o dia 31 de agosto, terá lance inicial de R$ 7.173.577,00 (pelo valor de avaliação do imóvel e dos lotes). A segunda tentativa de venda, marcada para 11 de setembro, será baseada na maior oferta de venda, não podendo ser inferior a 60% do valor para o imóvel e de 50% para os demais lotes. A prioridade é vender tudo num mesmo pacote, mas os bens também poderão ser desmembrados.

PASSIVO

A expectativa é de que o dinheiro da venda seja destinada ao pagamento de credores, sobretudo os trabalhistas. O advogado do escritório do Administrador da Falência, João Alves, diz que o passivo trabalhista estava calculado em R$ 28 milhões, mas que foram pagos R$ 11 milhões. Mesmo que a venda seja realizada pelo valor de avaliação, os recursos não serão suficientes para sanar o passivo.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM