Jornal do Commercio
SICREDI

Por que investir em seguros de vida?

Profissionais de saúde podem contar com diversas modalidades de seguros na Sicredi Recife, para deixar toda a família – e eles mesmos - acobertada em caso de imprevistos

Publicado em 31/08/2017, às 16h50

Sede da Sicredi Recife fica na Ilha do Leite, na área central do Recife / Ashlley Melo/JC360
Sede da Sicredi Recife fica na Ilha do Leite, na área central do Recife
Ashlley Melo/JC360
JC Online

Cirurgião plástico desde 1968, Manoel Emídio de Souza Neto trabalha com as mãos. Profissional autônomo, conhecido no Recife por doutor Leão, tem o maior cuidado com seu principal instrumento de trabalho. Aos 66 anos, ele sabe que não é invencível – e que há certas coisas que não se pode prever. “Pode acontecer um acidente com qualquer pessoa, de qualquer idade. Talvez quando eu tivesse 40, 40 e poucos, nem pensasse tanto nisso. Achava que era de aço”, afirma o médico.

Para ele, as mãos são o meio de executar qualquer ideia, não só para profissionais de saúde. “Não adianta pensar em construir uma pirâmide, uma ponte, um avião, qualquer coisa, sem as mãos. Para mim, então, é uma coisa importantíssima”, pontua.
Foi pensando em seu trabalho, nessa imprevisibilidade e em todos os compromissos que um médico precisa assumir que doutor Leão contratou um seguro para cobrir acidentes que o afastem do trabalho autônomo. “Você vai jogar uma pelada e cai em cima da mão, dobra a mão ou quebra o pé... Tudo isso vai impedir que você trabalhe”, diz.

O Seguro de Renda por Incapacidade Temporária (Serit) é um seguro adquirido junto ao Seguro de Vida. Garante ao segurado pagamento por até 365 dias, caso precise ficar afastado do trabalho devido a algum acidente ou doença. Por ser médico, doutor Leão contratou o seguro com a Sicredi Recife, que oferece essa e outras modalidades de seguros de vida através da Seguros Unimed.

“Se você não trabalhar, for impedido por qualquer motivo, você tem que ter uma segurança para que as suas despesas sejam cobertas. Eu passei a fazer um seguro de vida para, caso aconteça algum acidente comigo, eu ter um respaldo financeiro”, explicou ele.

Para quem é autônomo, como dr. Leão, ficar sem trabalhar implica em não receber salário. Para não ser pego de surpresa, ele optou por contratar um seguro de vida

“Nós devemos fazer um seguro de vida exatamente por isso que a gente está suscetível na vida, os imprevistos”, diz o doutor Romeu Krause Gonçalves, médico ortopedista e membro do Conselho Administrativo da Sicredi Recife. “Você tem que garantir alguma coisa, alguma maneira de ter uma renda para pessoas que são dependentes de você”, diz.



E, quando se fala em seguro de vida, não se refere apenas àquele seguro para falecimentos. Existem planos que cobrem incapacidades temporárias, como o Serit, mas também coberturas para incapacidades definitivas, invalidez por doença, entre outros.

Dr. Leão sabe da importância do seguro porque já precisou usá-lo uma vez. O médico teve artrose, um desgaste na perna, e precisou se afastar do trabalho para colocar uma prótese de quadril. Ficou quase dois meses sem trabalhar. “O seguro deu cobertura às minhas despesas durante aquele período em que eu estava parado”, conta. E ele garante que, com o seguro, se sente mais tranquilo.

Dr. Krause indica que o seguro de vida faça parte do planejamento familiar, desde o começo

O valor a ser recebido do seguro, quando houver incapacidade ou falecimento, é acordado no momento do cadastro e vai influenciar o custo. No caso do Serit, ele cobre até 365 dias de afastamento. Para períodos maiores, outros seguros devem ser acionados. Os beneficiários que vão receber o montante do seguro, em caso de morte, também são definidos previamente.

 Todos podem pensar em seguros

Fazer um seguro de vida não é algo exclusivo para quem tem uma renda muito alta. Os aportes financeiros mensais são variáveis – cada um paga ao seguro o que pode pagar. Isso, é claro, vai influenciar o valor a ser recebido no caso de o seguro ser acionado.
Mesmo assim, Romeu Krause garante que a tranquilidade é uma grande vantagem nesse momento, por menor que seja o investimento. “Sua família e você não ficam desamparados por um processo que aconteceu sem você planejar, que é uma doença ou uma invalidez temporária”, continua Krause.

Além do seguro de vida e do Serit, a Sicredi Recife oferece seguros por Invalidez Permanente Total ou Parcial por Acidente (IPA), Invalidez Permanente por Acidente Majorada (IPAM), Invalidez Funcional Permanente Total por Doença (IPDF), Invalidez Laborativa Permanente Total por Doença (ILPD) - todos através da sua Seguradora parceira, a Seguros Unimed.

“É importante. Pelo menos, até hoje, eu não conheço nenhuma pessoa que não tenha morrido. Todos vão morrer e ninguém sabe a hora”, adianta Leão. “Você não pode viver seu dia a dia, você tem que viver seu dia a dia prevendo o que pode acontecer com você. Seguro de vida é essencial na sua vida, é essencial para que você tenha garantido para sua família, seus descendentes, uma qualidade de vida mesmo com sua ausência”, finaliza Krause.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Recife em Transformação Recife em Transformação
A cidade e o desafio de traçar o seu futuro
Zika em mil dias Zika em mil dias
Já se passaram quase 2 anos e meio desde que o JC anunciou a explosão de casos de recém-nascidos com microcefalia. Muitas dessas crianças já completaram os seus primeiros mil dias de vida. Famílias e especialistas revelam o que aconteceu nesse período
Logística e inovação Logística e inovação
Você sabe o que é logística? Ela parece invisível, mas está presente no nosso dia a dia, encurtando distâncias. Quando compramos uma maçã no supermercado, muitas vezes não nos damos conta do caminho que percorreu até chegar a nossas mãos

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM