Jornal do Commercio
ARMAMENTO

Ruag afirma que está negociando com PE e Santa Catarina

Empresa suíça quer instalar linha de produção de munição para armas no País

Publicado em 12/09/2017, às 07h01

Empresa afirma que quer expandir linha de produtos, no futuro, para atender ao Exército brasileiro. / Foto: Agência Brasil
Empresa afirma que quer expandir linha de produtos, no futuro, para atender ao Exército brasileiro.
Foto: Agência Brasil
Da Editoria de Economia

A empresa suíça da área de defesa Ruag anunciou que está negociando com vários estados, entre eles Santa Catarina e Pernambuco, com objetivo de instalar uma linha de produção de munição para pequenas armas. As negociações para captar o investimento foram anunciadas pelo ministro Raul Jungmann, durante reunião do conselho deliberativo da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), em julho deste ano. Para isso, seriam necessários cerca de U$ 90 milhões.

Em nota enviada ao JC, a empresa não confirmou a informação e disse apenas que há vários cenários de investimento e de tamanho de fábrica em avaliação. A Ruag também está em contato com empresas de defesa brasileiras para verificar a possibilidade de cooperação.

O objetivo inicial é de atender empresas de segurança privada, atiradores esportivos, colecionadores e forças policiais. Com o tempo, quer expandir a gama de produtos ofertada no Brasil e afirma que as soluções do grupo são “particularmente dedicada à esperada modernização do exército brasileiro”.



“A decisão de permitir que a Ruag estabeleça uma instalação de produção no Brasil melhorará a capacidade da cadeia de abastecimento nacional no setor de defesa, o que promoverá a soberania nacional do país”, destacou a empresa em nota.

No último dia 5, portaria da Casa Civil publicada no Diário Oficial da União autorizou a sociedade estrangeira Ruag Indústria e Comércio de Munições Ltda. a funcionar no País, estabelecendo o compromisso de que, no caso de os insumos nacionais serem reprovados por baixa qualidade, a empresa vai desenvolver e capacitar fornecedores nacionais que atendam à qualidade exigida, de forma que os bens finais sejam produzidos no País.

Na época, o ministro Raul Jungmann disse que as negociações estão avançadas com a empresa. Procurado pela reportagem, não se pronunciou sobre o assunto. Já o presidente da Agência de Desenvolvimento Econômico (AD Diper) do Estado, Leonardo Cerquinho, ratificou que as negociações estão avançadas, mas disse que só poderia detalhar com protocolo de intenção assinado.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva
Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção
Carga horária excessiva, más condições de trabalho, terminais sem estrutura apropriada e os riscos ocupacionais aos quais estão submetidos. O transporte rodoviário está em quarto lugar entre as profissões com mais com comunicações de acidentes de trabalh
#UmaPorUma #UmaPorUma
Existe uma história para contar por trás de cada assassinato de mulher em Pernambuco. Uma por uma, vamos contar todas. Mapear onde as mataram, as motivações do crime, acompanhar a investigação e cobrar a punição dos culpados. Um banco de dados virtual.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM