Jornal do Commercio
Conjuntura

Empresas pernambucanas driblam a crise e crescem em 2016

Balanço empresarial analisou 272 companhias com sede no Estado

Publicado em 13/09/2017, às 07h00

Baterias Moura apresentou resultado positivo em todos os indicadores avaliados / Guga Matos/JC Imagem
Baterias Moura apresentou resultado positivo em todos os indicadores avaliados
Guga Matos/JC Imagem
Da Editoria de Economia

Analistas costumam dizer que onde há crise, há oportunidade. A máxima foi seguida à risca por empresas sediadas em Pernambuco no ano passado. Realizado pela consultoria JBG & Calado, o Balanço Empresarial 2016 mostrou que as maiores companhias do Estado apresentaram bom resultado, surpreendendo as expectativas para um ano de adversidades no campo econômico e de turbulência política. Juntas, as empresas analisadas registraram aumento de 27% no lucro e de 23% na rentabilidade. Para 2017, a perspectiva é que se mantenha a tendência de crescimento e a onda de otimismo.

Em sua 11ª edição, o balanço analisou 272 empresas privadas com sede local que publicaram suas demonstrações financeiras no Diário Oficial entre 1º de janeiro e 15 de julho de 2016. As companhias analisadas são de 25 setores diferentes e foram ranqueadas levando em consideração indicadores como ativos, receita líquida, lucro líquido, variação da receita líquida, rentabilidade do patrimônio líquido e margem líquida.

“Quando começamos a analisar os balanços ficamos surpresos com os resultados. Esperávamos algo semelhante com o que aconteceu em 2015, um ano também impactado pela crise em que as empresas sofreram bastante. Mas nos deparamos com vários indicativos positivos. Um deles foi a diversificação do ranking, com a presença de 25 setores econômicos. Outro foi a presença de dez empresas figurando em todos os sete critérios avaliados (antes o número não passava de três). E uma terceira foi o aparecimento e empresas de TI no ranking”, destaca o sócio-diretor da JBG & Calado, José Emílio Calado, lembrando que o Balanço Empresarial começou a ser realizado em 2006.




A Hipercard – empresa do Grupo Itaú Unibanco – ficou no topo do ranking no quesito lucro líquido. Registrou resultado de R$ 506 milhões, superando em 10% o valor do ano anterior. Em segundo lugar apareceu a Baterias Moura, com lucro de R$ 300,9 milhões. Na sequência estão ranqueados o grupo Ser Educacional (R$ 230,4 milhões), a Usina Trapiche (R$ 124,1 milhões) e a Interligação Elétrica Garanhuns (R$ 116 milhões).

GESTÃO

“As empresas se voltaram para dentro delas para avaliar de que maneira poderiam melhorar sua gestão. Isso passou por cortar custos, melhorar a eficiência, buscar mercados alternativos e apostar na transparência. Acredito que em 2017 os resultados também serão positivos porque será uma espécie de consolidação desse esforço para aprimorar a gestão”, sugere Calado. Os resultados mostram que as empresas foram para a ponta do lápis e constataram que é melhor investir no negócio do que deixar o dinheiro no banco num cenário de juros em queda.

No indicativo de solidez do negócio, o setor de energia se destacou com o resultado da Celpe, que apresentou receita líquida de R$ 4,69 bilhões. As empresas do setor de combustíveis também se destacaram no Balanço, com destaque para Total, Temape, Setta e Dislub. O desempenho reflete o aumento do faturamento das companhias do setor, depois que o governo federal deixou de segurar o preço dos combustíveis. No governo da ex-presidente Dilma Rousseff os preços ficaram congelados numa tentativa de segurar a inflação, o que terminou prejudicando o caixa da Petrobras.


Recomendados para você


Comentários

Por Artur,13/09/2017

Onde tenho acesso ao Ranking



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM